O conceito de "novidade" no projeto do Nuevo Cine Latinoamericano

Autores

  • Ignacio Del Valle Dávila Universidade de Toulouse II

Palavras-chave:

novidade, cinemas novos, cinema independente, política dos autores, revolução

Resumo

Este artigo aborda o projeto de desenvolvimento cinematográfico conhecido como Nuevo Cine Latinoamericano a partir de uma análise do conceito de “novidade”. Ele está centrado nas razões que levaram alguns cineastas, no final dos anos 1960, a considerar que seus filmes eram “novos”. Analisa assim suas particularidades em relação aos novos cinemas europeus, com foco no viés revolucionário que adquire o termo “novo” na América Latina. Por fim, o conceito é estudado utilizando como fonte as declarações e os debates públicos dos festivais do Sodre, em Montevidéu (1958), Sestri Levante (1962 e 1963) e Viña del Mar (1967).

Biografia Autor

Ignacio Del Valle Dávila, Universidade de Toulouse II

Espanhol-chileno, Doutor em cinema pela École Supérieure d’Audiovisual da Universidade Toulouse II, onde também obteve um Mestrado em Arts du Spectacle et Médias. Foi docente de cinema latino-americano no Centro Universitário Jean François Champoillon (Albi) e é membro do comitê editorial da revista Cinémas d’Amérique latine de Toulouse. Sua tese aborda o conceito do Nuevo Cine Latinoamericano e foi realizada com uma bolsa da Comisión Nacional de Ciencia y Tecnología do Chile (CONICYT) e um auxílio à pesquisa do Institut des Amériques (França).   

Últimas publicações:

“Hacia un tercer cine: del manifiesto al palimpsesto”. El ojo que piensa. Revista de cine iberoamericano, Nº 5, Universidad de Guadalajara, jan. – jun. 2012. ISSN: 04-2010-012013403000-203 (https://www.elojoquepiensa.net/05/index.php/template/hacia-un-tercer-cine-del-manifiesto-al-palimpsesto)

“Crear dos, tres… muchos collages, es la consigna: El collage en el documental latinoamericano de descolonización cultural”. Cinémas d’Amérique Latine, nº 21, Toulouse, 2013 (Em impressão).

Publicado

16-08-2013