Cultura, política e direitos no canavial da ditadura militar brasileira

Autores

  • Tiago Martins Simões Fundação Getúlio Vargas - CPDOC http://orcid.org/0000-0001-8356-2874
  • Ricardo José de Azevedo Marinho Escola de Educação, Ciências, Letras, Artes e Humanidades da Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO) e Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE).

Palavras-chave:

Cana de açúcar, Ditadura Militar, Reestruturação do Trabalho, Desproteção Social

Resumo

Este artigo analisa a reestruturação do trabalho no canavial brasileiro no contexto da ditadura militar brasileira de 1964 a partir de uma perspectiva dos processos de longa duração. Para isso, buscamos evidenciar as principais transformações dessa formação econômico-social a partir da revolução de 1930, que possibilitam uma compreensão da desproteção social dos trabalhadores e trabalhadoras canavieiras, situando a ditadura militar como um dos eixos de uma revolução passiva que encontrou sedimentações do passado, deixando ao mesmo tempo, no presente, vestígios dos dias de um futuro esquecido de nossa história.

Biografia do Autor

Tiago Martins Simões, Fundação Getúlio Vargas - CPDOC

Graduado em Fisioterapia (IBMR) e Pedagogia - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Mestre em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA/UFRRJ). Doutorando em História, Política e Bens Culturais pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil - CPDOC / FGV, sob orientação de João Marcelo Ehlert Maia.

Ricardo José de Azevedo Marinho, Escola de Educação, Ciências, Letras, Artes e Humanidades da Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO) e Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE).

É bacharel em história pela Universidade Federal Fluminense. Mestre em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ). Doutor em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA/UFRRJ). Pós-Doutor pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Assessor da Presidência da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE).

Referências

CARDOSO, Adalberto Moreira; LAGE, Telma. As normas e os fatos. Desenho e efetividade das instituições de regulação do mercado de trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

COSTA, Luiz Flavio de Carvalho. Sindicalismo rural brasileiro em construção. Rio de Janeiro: Forense Universitária e Edur, 1996.

_____; MARINHO, Ricardo José de Azevedo. A formação do moderno sindicalismo dos trabalhadores rurais no Brasil In: COSTA, Luiz Flávio de Carvalho, FLEXOR, Georges e SANTOS, Raimundo (Org.). Mundo rural brasileiro: ensaios interdisciplinares. Rio de Janeiro: Mauá X/ Seropédica: Edur, 2008.

_____; MARINHO, Ricardo José de Azevedo. A constitucionalização do sindicalismo rural brasileiro. In: MOREIRA, Roberto José; BRUNO, Regina Landim (Org.). Dimensões rurais de políticas brasileiras. Rio de Janeiro: Mauad X/ Seropedica: Edur, 2010.

CAVALCANTI, Guilherme de Albuquerque. A dinâmica econômica do Poálcool: acumulação e crise, 1975-1989. Revista Brasileira de Energia, 2(1), 1992.

DELGADO, Guilherme. Previdência rural: relatório de avaliação socioeconômica. Brasília: IPEA, 1997 (texto para discussão, 477).

BELTRÃO, Kaizô Iwakami; OLIVEIRA, Francisco Eduardo Barreto de; PINHEIRO, Sonoê Sugahara. A população rural e a previdência social no Brasil: uma análise com ênfase nas mudanças constitucionais. Brasília: IPEA, 2000 (texto para discussão, 759).

LOPES, Júlio Aurélio Vianna. Apresentação. In: LOPES, Júlio Aurélio Vianna (Org.). Desafios institucionais da ordem de 1988. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2014.

MARINHO, Ricardo José de Azevedo. Ministério Público do Trabalho & sindicalismo rural no Brasil. Tese (Doutorado). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Curso de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, 2011.

_____. Passado e presente. In: LIMA, Jacqueline; ROBERTI, Angela; SANTOS, Edna (Org.). Pensando a História: reflexões sobre as possibilidades de se escrever a História através de perspectivas interdisciplinares. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013, v. 1, p. 145-154.

MARTINS, José de Souza. O poder do atraso. Ensaios de sociologia da história lenta. São Paulo: Editora Hucitec, 1994.

NEVES, Delma Pessanha. Os fornecedores de cana e o Estado intervencionista. Niterói: EDUFF, 1997.

_____. Trabalho agrícola: gênero e saúde. Antropolítica: Revista Contemporânea de Antropologia e Ciência Política. Niterói, EdUFF, n. 7, 1999.

SIGAUD, Lygia Maria. Direito e coerção moral no mundo dos engenhos. Revista Estudos Históricos, 18, 1996.

SIMÕES, Tiago Martins. Políticas de previdência e saúde no trabalho e os trabalhadores e trabalhadoras canavieiras de Campos dos Goytacazes – RJ. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Curso de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, 2013.

SZMRECSÁNYI, Tamás. O planejamento da agroindústria canavieira do Brasil (1930-1975). São Paulo: Hucitec, Universidade Estadual de Campinas, 1979.

_____; MOREIRA, Eduardo Pestana. O desenvolvimento da agroindústria canavieira do Brasil desde a Segunda Guerra Mundial. Estudos Avançados, 11(5), 1991.

_____; RAMOS, Pedro; RAMOS FILHO, Luiz Octávio; VEIGA FILHO, Alceu de Arruda. Dimensões, riscos e desafios da atual expansão canavieira. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008 (Texto para discussão, 32).

WERNECK VIANNA, Luiz Jorge. A transição. Da Constituinte à sucessão presidencial. Rio de Janeiro: Revan, 1989.

_____. 1964. Estudos sociedade e agricultura. Rio de Janeiro: CPDA/UFRRJ, 2, 1994.

_____. Liberalismo e sindicato no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

_____. A revolução passiva. Iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2004.

WERNECK VIANNA, Maria Lucia Teixeira. A americanização (perversa) da seguridade social no Brasil: estratégias de bem-estar e políticas públicas. Rio de Janeiro: Revan/ UCAM, IUPERJ, 1998.

Downloads

Publicado

2015-12-19

Edição

Seção

Artigos