O colonato na região serrana fluminense: conflitos rurais, direitos e resistências cotidianas

Autores

  • Marcus Dezemone UFF e UERJ

Palavras-chave:

colonato, cafeicultura, conflitos rurais, resistências cotidianas, escravidão, mundo rural

Resumo

O artigo analisa o colonato a partir dos conflitos menos visíveis, de menor expressão pública, entre proprietários e trabalhadores da cafeicultura na região serrana fluminense. Na longa duração de fins do século XIX até meados do XX, acompanhamos a construção de noções de direitos e as resistências cotidianas, da gênese até a desagregação do colonato, com o êxodo rural e as lutas pelo acesso à terra. As conclusões permitem compreender melhor processos do mundo rural, como a passagem do trabalho escravo ao livre, a circulação da mão de obra entre propriedades rurais, e as conjunturas de mobilização e desmobilização política.

Biografia do Autor

Marcus Dezemone, UFF e UERJ

Professor Adjunto de História do Brasil República - UFF - Departamento de História - GHT e Programa de Pós-Graduação em História Social - PPGH
Professor Adjunto de História do Brasil - UERJ - Departamento de História - DHIS e Mestrado Profissional em Ensino de História - Prof História

Referências

ALVES FILHO, Ivan. Brasil: 500 anos em documentos. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.

CARDOSO, Ciro. Escravo ou camponês? O protocampesinato negro nas Américas. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1987.

DEAN, Warren. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

DEZEMONE, Marcus. Revoluções camponesas no século XX. In: TEIXEIRA DA SILVA, F. C. (org.). O século sombrio. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2004, p. 71-110.

_____. Do cativeiro à reforma agrária: colonato, direitos e conflitos (1872-1987). Tese (Doutorado) - PPGH-UFF, Niterói, 2008 a.

_____. Legislação social e apropriação camponesa: Vargas e os movimentos rurais. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 21, n. 42, p. 220-240, 2008 b.

FAUSTO, Boris. Expansão do café e crise cafeeira. In FAUSTO, Boris (org.). História geral da civilização brasileira, tomo III, vol. 2. São Paulo: Difel, 1986.

GARCIA, Afrânio; PALMEIRA, Moacir. Rastros de casas grandes e de senzalas: transformações sociais no mundo rural brasileiro. In: SACHS, I.; WILHEIM, J.; PINHEIRO, P. S. (Org.). Brasil: um século de transformações. São Paulo: Cia. das Letras, 2001, p. 38-77.

GRYNSZPAN, Mario; DEZEMONE, Marcus. As esquerdas e a descoberta do campo brasileiro: Ligas Camponesas, comunistas e católicos (1950-1964). In: FERREIRA, J.; AARÃO REIS, D. (Org.). As esquerdas no Brasil (1945-1964). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, v. 2, p. 209-236.

HEREDIA, Beatriz. Morada da vida. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LACERDA WERNECK, Francisco Peixoto de. Memória sobre a fundação de uma fazenda na Província do Rio de Janeiro. Brasília: Senado Federal/ Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 1985 [1847].

MARTINS, José de Souza. O cativeiro da terra. São Paulo: Hucitec, 1979.

MATTOS, Hebe. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no Sudeste escravista – Brasil, séc. XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

MELO, Hildete Pereira de. O café e a economia fluminense: 1889/1920. In: SILVA, S.; SZMRECSÁNYI, T. (Org.). História econômica da Primeira República. 2ª ed. São Paulo: EDUSP/ Imprensa Oficial, 1996, p. 215-234.

MOORE JR., Barrington. Injustiça: as bases sociais da obediência e da revolta. São Paulo: Brasiliense, 1987.

NEVES, Delma Pessanha. Formas tuteladas de condição camponesa: colonato e morada na agroindústria exportadora. In: _____; MORAES, M. A. (Org.). Processos de constituição e reprodução do campesinato no Brasil: formas tuteladas de condição camponesa. São Paulo/Brasília: UNESP/NEAD, v. 1, p. 137-161, 2008.

PALMEIRA, Moacir. Casa e trabalho: notas sobre as relações sociais na plantation tradicional. Contraponto, n. 2, p. 103-114, dez. 1977.

_____. Desmobilização e conflito: relações entre trabalhadores e patrões na agroindústria pernambucana. Revista de Cultura e Política, CEDEC, v.1, p. 41-55, ago. 1979.

REIS, João José; SILVA, Eduardo. Negociação e conflito. A resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

REVEL, Jacques. Jogos de escala. A experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1998.

RIOS, Ana Lugão; MATTOS, Hebe. Memórias do cativeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SCOTT, James. Everyday forms of peasant resistance. Journal of Peasant Studies, v. 13, n. 2, jan. 1986, p. 5-35.

SLENES, Robert. Na senzala, uma flor. Esperanças e recordações na formação da família escrava. Brasil, sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

STEIN, Stanley. Vassouras: um município brasileiro do café, 1850-1900. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

STOLCKE, Verena. Cafeicultura – homens, mulheres e capital (1850-1980). São Paulo: Brasiliense, 1986.

_____; HALL, Michael. A introdução do trabalho livre nas fazendas de café de São Paulo. Revista Brasileira de História, São Paulo, n. 6, p. 80-120, 1983.

Downloads

Publicado

2015-12-19

Edição

Seção

Artigos