Os apóstolos dos sertões brasileiros: uma análise sobre o método e os resultados das missões religiosas dos capuchinhos italianos no século XIX

Autores

  • Alexandre Karsburg Universidade Federal de Pelotas

Palavras-chave:

Missão religiosa, capuchinhos italianos, século XIX, Estado, Igreja, religiosidade

Resumo

O método missionário utilizado pelos frades capuchinhos em território brasileiro no século XIX baseava-se em dois pressupostos principais: itinerância e pregação. Foram ouvidos por milhares de pessoas, de norte a sul do Brasil, buscando incutir culpa e mudança urgente nos comportamentos antes que o juiz do final dos tempos chegasse. A segunda vinda de Cristo era anunciada para breve, cabendo ao fiel seguir os ensinamentos dos frades para que pudessem alcançar a “salvação da alma”. Este artigo tem por objetivo, portanto, analisar as práticas religiosas dos frades e o primeiro desdobramento surgido entre os povos atingidos pelas pregações. Estimuladas a praticar atos penitenciais, pessoas reuniram-se em comunidades procurando preservar o que os agentes do Evangelho haviam ensinado. Adaptando o discurso dos missionários, leigos criaram “fraternidades”, prescindindo da intermediação do Estado e da Igreja, e tornando-se suspeitos para as autoridades por se organizarem fora do controle institucional.

Biografia do Autor

Alexandre Karsburg, Universidade Federal de Pelotas

Doutor em História Social pela UFRJ, bolsista de pós-doutorado da FAPERGS/CAPES e professor do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Referências

Kaori Kodama (2009: 243-260).

Guilherme Pereira das Neves (2009: 415)

MATTOS (1990)

CARVALHO (1996)

FERREIRA (2006).

Arquivo Nacional (RJ) – AN, Série Justiça, IJ1-998, 1846-1852).

Arquivo da Cúria Metropolitana do Rio de Janeiro –ACMRJ, CO-35, Correspondências Diversas, 1845-55.

ACMRJ, CO-23 – 1826 a 1889.

Riolando Azzi (1975: 137)

SILVA, 1982: 41.

Ofício do presidente da província do Ceará, Ignácio Corrêa de Vasconcelos, ao ministro da Justiça, 17 de julho de 1845. AN, Série Justiça, IJ1-262.

Biblioteca Nacional – BN, Setor de Periódicos, Relatório do ministério da Justiça – RMJ, 1846, p. 16.

AN, Série Justiça, I*J1-8* f. 31.

Jean Delumeau (2003: 302-307).

ACMRJ, CO 02, Correspondências Recebidas (1825-1910), Primeiro Maço 1829-1894.

Downloads

Publicado

2015-09-01

Edição

Seção

Artigos