A "Lei da Cumbuca": a revolta contra o sorteio militar

Autores

  • Fábio Faria Mendes

Palavras-chave:

Militares

Resumo

Este artigo analisa a dinâmica, as formas de ação coletiva e os resultados da revolta dos "rasga-listas" contra a instalação do sorteio militar nas últimas décadas do Império brasileiro. A reforma do recrutamento promovida pela lei do sorteio de 1874 seria bloqueada pela ação de multidões de homens e mulheres, em várias províncias do Império, investindo sobre as juntas de recrutamento e destruindo os alistamentos em preparação. O artigo procura analisar, utilizando como referência as clássicas análises do comportamento da multidão pré-industrial de Tilly, Hobsbawm, Rudé e Thompson, o sentido das ações da multidão dos "rasga-listas". Argumenta-se que as principais razões da revolta derivavam da perda de controle local sobre as rotinas do recrutamento. Os revoltosos antecipavam os resultados da combinação das características peculiares das loterias como mecanismos de alocação de encargos e das ambivalências tradicionais da administração imperial. Argumenta-se, ademais, que o sorteio feria concepções profundamente enraizadas de distribuição justa de encargos em uma sociedade altamente hierarquizada. O artigo segue analisando as variações regionais, os padrões de ação coletiva, a composição social e o vocabulário político da rebelião.

Downloads

Publicado

1999-12-01