Articulação administrativa: por uma reforma cultural da administração pública

Autores

  • Caroline Stéphanie Francis dos Santos Maciel

DOI:

https://doi.org/10.12660/rda.v280.2021.84495

Palavras-chave:

Administração pública gerencial — articulação administrativa — reforma administrativa — cultura da administração pública — anteprojeto de normas gerais para a administração pública

Resumo

Há algumas décadas, discute-se a necessidade de uma profunda reforma administrativa no Brasil, defendendo-se a adoção de um modelo de administração pública gerencial. No entanto, em alguns níveis, nem sequer houve a transição da administração pública patrimonialista para a burocrática. A tomada de decisões públicas tem sido casuística; voltada a interesses pessoais dos detentores de poder; centralizada, especialmente na União; obscura e sem coordenação entre entidades, órgãos e agentes
públicos. Nesse contexto, este artigo pretende abordar a necessidade de articulação e coordenação administrativas como um passo para se alcançar a efetividade de uma administração pública gerencial, cujas ações e políticas gerem resultados. Serão abordadas, principalmente, as normas do Decreto-Lei nº 200/1967 vigentes sobre o assunto e a proposta do Anteprojeto de normas gerais para a administração pública. 

Referências

ABRUCIO, Fernando Luiz. Federalismo e Lei Orgânica da Administração pública: desafios e oportunidades de modernização dos governos subnacionais. In: MODESTO, Paulo (Org.). Nova organização administrativa brasileira. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

BATISTA, Fábio Ferreira. Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Rio de Janeiro: Ipea, 2012.

BLANCO, Ismael; BRUGUÉ, Quim. Inclusividad democrática e inteligencia coletiva — ¿La gobernanza participativa como respuesta? In: LOZANO, Enrique Raya; ESPADAS, M. Ángeles; ABOUSSI, Mourad (Org.). Inmigración y ciudadanía activa — contribuciones sobre gobernanza participativa e inclusión social. Barcelona: Icària, 2013.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Presidência da República, 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 25 maio 2018.

BRASIL. Decreto nº 5.378, de 23 de fevereiro de 2005. Brasília: Presidência da República, 2005. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5378.htm. Acesso em: 20 jun. 2018.

BRASIL. Decreto nº 9.191, de 1 de novembro de 2017. Brasília: Presidência da República, 2017. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/D9191.htm. Acesso em: 24 jun. 2018.

BRASIL. Decreto nº 9.904, de 17 de julho 2017. Brasília: Presidência da República, 2017. Disponível: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/D9094.htm. Acesso em: 30 jun. 2018.

BRASIL. Decreto lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967. Brasília: Presidência da República, 1967. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del0200.htm. Acesso em: 15 jun. 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional nº 19, de 04 de junho de 1998. Brasília: Presidência da República, 1998. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Emendas/Emc/emc19.htm. Acesso em: 21 jun. 2018.

BRASIL. Lei complementar nº 95, de 26 de fevereiro de 1998. Brasília: Presidência da República, 1998. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp95.htm. Acesso em: 24 jun. 2018.

BRASIL. Lei nº 10.180, de 6 de fevereiro de 2001. Brasília: Presidência da República, 2001. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LEIS_2001/L10180.htm. Acesso em: 2 jul. 2018.

BRASIL. Lei nº 11.107, de 6 de abril de 2005. Brasília: Presidência da República, 2005. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11107.htm. Acesso em: 2 jul. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Brasília: Presidência da República, 2011. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm. Acesso em: 5 jul. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.019, de 31 de julho de 2014. Brasília: Presidência da República, 2014. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13019.htm. Acesso em: 5 jul. 2018.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Portaria nº 426, de 6 de dezembro de 2007. Anteprojeto de Lei Orgânica da Administração pública federal e entes de colaboração — Resultado final. Brasília: 2009.

BRASIL. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização — Gespública. Disponível em: www.gespublica.gov.br. Acesso em: 30 jun. 2018.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A reforma gerencial do Estado de 1995. Revista de Administração Pública, v. 34, n. 4, p. 7-26, 2000. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/viewArticle/6289. Acesso em: 28 jun. 2018.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Estratégia e estrutura para um novo Estado. Revista do Serviço Público, a. 48, n. 1, p. 5-25, jun./abr. 1997.

BRUGUÉ, Quim. La dimensión democrática de la nueva gestión pública. Gestión y Análisis de Políticas Públicas, n. 5-6, p. 45-58, jan./ago. 1996. Disponível em: https://revistasonline.inap.es/index.php?journal=GAPP&page=article&op=view&path%5B%5D=66&path%5B%5D=66. Acesso em: 1º jul. 2018.

DIRKS, K. T.; FERRIN, D. L. The role of trust in organization settings. Organization Science, v. 12, n. 4, p. 450-467, 2001.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Transformações da organização administrativa. Diretrizes, relevância e amplitude do anteprojeto. In:

MODESTO, Paulo (Org.). Nova organização administrativa brasileira. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

FLEURY, Sonia. Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública. Revista Administração em Diálogo, n. 7, p. 77-89, 2005. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/rad/article/view/671/468. Acesso em: 5 jul. 2018.

HECKSCHER, Charles. Defining the post-bureaucratic type. In: HECKSCHER, Charles; DONNELLON, Anne (Org.). The post-bureaucratic organization: newperspectives on organizational change. Nova York: Sage Publications, 1994.

LEONARDO, Marcelo. A multiplicidade das leis e as dificuldades para os operadores

do direito. In: MINAS GERAIS. Assembleia Legislativa. A consolidação das leis e o aperfeiçoamento da democracia. Belo Horizonte: ALMG,

Disponível em: https://dspace.almg.gov.br/bitstream/11037/4/4/04.pdf. Acesso em: 7 abr. 2018.

MARRARA, Thiago. A atividade de planejamento na administração pública: o papel e o conteúdo das normas previstas no Anteprojeto da nova lei de organização administrativa. Revista Eletrônica de Direito do Estado, n. 27, p. 1-31, jul./ago. 2011. Disponível em: www.direitodoestado.com/revista/REDE-27-SETEMBRO-2011-THIAGO- MARRARA.pdf. Acesso em: 3 jul. 2018.

MARTINS, Humberto Falcão; CUNHA, Luiz Arnaldo Pereira da. Organização governamental — problemas e soluções em perspectiva conceitual e da administração pública brasileira. In: MODESTO, Paulo (Org.). Nova organização administrativa brasileira. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

MEDAUAR, Odete. O direito administrativo em evolução. 2. ed. São Paulo: Revista dos tribunais, 2003.

MINAS GERAIS. Decreto estadual nº 45.757, de 07 de outubro de 2011. Belo Horizonte: Casa Civil, 2011. Disponível em: www.casacivil.mg.gov.br/images/documentos/20111007_dec-45757_conferencia-servicos.pdf. Acesso em: 6 jul. 2018.

MINAS GERAIS. Lei delegada nº 180, de 20 de janeiro de 2011. Belo Horizonte: ALMG, 2011. Disponível em: www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa-nova-min.html?tipo=LDL&num=180&ano=2011. Acesso em: 6 jul. 2018.

MODESTO, Paulo. Anteprojeto de nova lei de organização administrativa: síntese e contexto. Revista Brasileira de Direito Público — RBDP, Belo Horizonte, a. 9, n. 34, p. 195-209, jul./set. 2011.

PIRES, Maria Coeli Simões. Esgotamento do modelo de desenvolvimento excludente no Brasil e ressemantização das atividades de planejamento e articulação governamentais à luz do paradigma democrático. In: MODESTO, Paulo (Org.). Nova organização administrativa brasileira. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

PIRES, Maria Coeli Simões. Federalismo brasileiro: a emergência de um redesenho institucional do modelo. Revista Brasileira de Estudos Políticos, n. 106, p. 163-189, jan./jun. 2013.

PIRES, Maria Coeli Simões; COSTA, Mila Batista Leite Corrêa da; CORDEIRO, Caio Barros; CARDOSO, José Luiz Ferreira. Conferência de serviços: reflexões e perspectivas para a construção de um novo instrumento de governança democrática. In: CONGRESSO CONSAD DE GESTÃO PÚBLICA, 5., jun. 2012, Brasília. Anais eletrônicos. Brasília: 2012. Disponível em: http://consad.org.br/v-congresso-consad-trabalhos-apresentados/. Acesso em: 28 jun. 2018.

SCHWANKA, Cristiane; OLIVEIRA, Gustavo Henrique Justino de. A administração consensual como a nova face da administração pública no séc. XXI: fundamentos dogmáticos, formas de expressão e instrumentos de ação. Revista da Faculdade de Direito da USP, v. 104, p. 303-322, jan./dez. 2009. Disponível em: www.revistas.usp.br/rfdusp/article/view/67859. Acesso em: 28 maio 2018.

SUNDFELD, Carlos Ari. Uma lei de normas gerais para a organização administrativa brasileira: o regime jurídico comum das entidades estatais de direito privado e as empresas estatais. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 16, n. 59, p. 299-307, jul./dez. 2011.

TARRAGÓ, Daniel; BRUGUÉ, Quim; CARDOSO, José Celso. A administração pública deliberativa: inteligência coletiva e inovação institucional a serviço do público. Rio de Janeiro: Ipea, 2015.

ZANINI, Marco. Confiança organizacional como chave para a coordenação implícita e para a construção do capital intangível. Cadernos Ebape/FGV, v. 5, n. 3, p. 1-13, set. 2007.

Downloads

Publicado

2021-09-10

Como Citar

Francis dos Santos Maciel, C. S. . (2021). Articulação administrativa: por uma reforma cultural da administração pública. Revista De Direito Administrativo, 280(2), 201–225. https://doi.org/10.12660/rda.v280.2021.84495

Edição

Seção

Artigos