A administração no crepúsculo do reino: registros de Saint-Hilaire

Conteúdo do artigo principal

Resumo

O objetivo deste ensaio é analisar a estrutura e a operação da gestão pública no Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, relacionadas à indústria extrativista de diamantes por meio das obras de Saint-Hilaire, botânico e naturalista francês, que visitou e percorreu o Brasil no século XIX, em viagem realizada em 1817. O autor descreveu aspectos ligados à estrutura organizacional, aos processos da operação de extração de diamantes, aos métodos de gestão pública, de recursos humanos, financeira e contratos no distrito dos diamantes. A análise de seus relatos revelou o alto grau de controle, bem como as condições de trabalho dos escravos e a rígida estratificação social do Brasil Império, com intensa utilização de mão de obra escrava, por meio do que se chamava à época de aluguel. Conclui-se que o autor fez extenso relato da operação, com inestimável contribuição para os estudos dos primórdios do Estado brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Rego, M. L., & Irigaray, H. A. R. (2021). A administração no crepúsculo do reino: registros de Saint-Hilaire. Revista De Administração Pública, 55(5), 1149–1164. https://doi.org/10.1590/0034-761220200809
Seção
Artigos

Referências

Alexandre, M. V. (1993). Os sentidos do Império: questão nacional e questão colonial na crise do Antigo Regime português. Porto, Lisboa: Afrontamento.

Amorim-Neto, O., & Rodriguez, J. (2016). The new comparative-historical method and its contributions to political science and public administration. Revista de Administração Pública, 50(6), 1003-1026.

Barros, A. (2016). Archives and the “Archive”: dialogue and an agenda of research in organization studies. Organizações & Sociedade, 23(79), 609-623.

Barros, A., & Carrieri, A. (2013). Ensino superior em administração entre os anos 1940 e 1950: uma discussão a partir dos acordos de cooperação Brasil-Estados Unidos. Cadernos EBAPE.BR, 11(2), 256-273.

Bertero, C., Barros, A., & Alcadipani, R. (2018). Missionários americanos na Bahia: o bacharelado em administração da Escola de Administração da UFBA. Cadernos EBAPE.BR, 17(1), 144-155.

Bresser-Pereira, L. (2001). Do Estado patrimonial ao gerencial. In W. Pinheiro (Org.), Brasil: um século de transformações. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Cabral, D. (2011) Fontes para uma história político-institucional: a experiência do Arquivo Nacional e a memória da administração pública brasileira. In Anais do 36º Simpósio Nacional de História, São Paulo, SP.

Cabral, D., & Camargo, A. (2010). Estado e administração: a corte joanina no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Arquivo Nacional.

Carvalho, L. (2003). Os pressupostos ideológicos das reformas pombalinas do estado português (1750- 1777) (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO.

Colomby, R., Peres, A., Lopes, F., & Costa, S. (2016). A pesquisa em história de vida nos estudos organizacionais: um estudo bibliométrico. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 3(8), 852-887.

Coraiola, D. (2012). Importância dos arquivos empresariais para a pesquisa histórica em administração no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 10(2), 254-269.

Costa, A., Barros, D., & Martins, P. (2010). Perspectiva histórica em administração: novos objetos, novos problemas, novas abordagens. Revista de Administração de Empresas, 50(3), 288-299.

Costa, A., & Silva, M. (2019). A pesquisa histórica em administração: uma proposta para práticas de pesquisa. Administração – Ensino e Pesquisa, 20(1), 90-121.

Costa, F. L., & Costa, E. (2010). Brasil: 200 anos de Estado, 200 anos de administração pública, 200 anos de reformas. Revista de Administração Pública, 42(5), 829-874.

Costa, F. L., & Costa, E. (2016). Nova história da administração pública brasileira: pressupostos teóricos e fontes alternativas. Revista de Administração Pública, 50(2), 215-236.

Costa, F. L., & Costa, E. (2018). História e representações da administração púbica brasileira. In Anais do 42º Encontro da Anpad, Curitiba, PR.

Costa, I., & Marcondes, R. (2016). A moeda no Brasil. Recuperado de http://ipeadata.gov.br/doc/Moeda%20no%20Brasil%20Colonia%20e%20Imp%C3%A9rio.pdf

Couto, J. (2010). Rio de Janeiro: capital do Império Português (1808-1821). Lisboa, Portugal: Tribuna da História.

Curado, I. (2001). Pesquisa historiográfica em administração: uma proposta mercadológica. In Anais do 35º Encontro da Anpad, Campinas, SP.

Joaquim, N., & Carrieri, A. (2018). Construção e desenvolvimento de um projeto de história oral em estudos sobre gestão. Organizações & Sociedade, 25(85), 303-319.

Kuri, L. (2003). Auguste de Saint-Hilaire, viajante exemplar. Intellèctus, 2(1), 1-11.

Kuri, L. (2004). Homens de ciência no Brasil: impérios coloniais e circulação de informações (1780-1810). História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 11(suplemento1), 109-129.

Luna, F. (1982). Profissões, atividades produtivas e posse de escravos em Vila Rica ao alvorecer do século XVIII. In I. Costa (Ed.), Minas colonial: economia e sociedade. São Paulo, SP: Fipe/Pioneira.

Orlandi, E. (1990). Terra à vista! Velho e Novo Mundo. São Paulo, SP: Cortez.

Palacin, L., & Moraes, M. (1994). História de Goiás. Goiânia, GO: Editora UCG.

Rabello, D. (1997). Os diamantes do Brasil na regência de Dom João VI: um estudo de dependência externa. São Paulo, SP: Arte & Ciência.

Razente, N. (2016). Povoações abandonadas no Brasil. Londrina, PR: Eduel.

Ribeiro, F. (2009). O passado colonial visto pelo Dasp: a história administrativa do Brasil. In Anais do 35º Simpósio Nacional de História, São Paulo, SP.

Roncaglio, C. (2012). A história administrativa serve como subsídio para a organização da informação arquivística ou vice-versa? Revista Acervo, 25(2), 92-103.

Russel-Wood, A. (1998). Governantes e agentes. In F. Bethencourt, & K. Chaudhuri (Orgs.), História da expansão portuguesa: o Brasil na balança do Império (1697-1808). Lisboa, Portugal: Círculo de Leitores.

Saint-Hilaire, A. (1974). Viagem pelo distrito dos diamantes e litoral do Brasil. São Paulo, SP: Edusp.

Samara, E., & Silveira, I. (2017). História & documento e metodologia de pesquisa. Belo Horizonte, BH: Autêntica.

Sodré, M. (2010). As viagens de Auguste Saint- Hilaire (bibliografia). In Biblioteca Nacional da França, & Biblioteca Nacional do Brasil (Org.), A França no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: BN Digital.

Svizzero, D. (2006). As múltiplas facetas do diamante. Revista USP, 71, 52-69.

Vizeu, F. (2018). Idort e difusão do management no Brasil na década de 1930. Revista de Administração de Empresas, 58(2), 163-173.

Wanderley, S. (2015). Desenvolviment(ism)o, descolonialidade e a geo-história da administração no Brasil: a atuação da Cepal e do Iseb como instituições de ensino e pesquisa em nível de pós-graduação (Tese de Doutorado). Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro, RJ.

Wanderley, S. (2016). Iseb, uma escola de governo: desenvolvimentismo e a formação de técnicos e dirigentes. Revista de Administração Pública, 50(6), 913-936.

Wehling, A. (1986). Administração portuguesa no Brasil de Pombal a D. João (1777-1808). Rio de Janeiro, RJ: Fundação Centro de Formação de Servidor Público.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)