Processo decisório em universidades: teoria III

Conteúdo do artigo principal

Suzana Braga Rodrigues

Resumo

A meu ver, a universidade moderna é uma instituição singular. Na literatura organizacional, no entanto, parece que não existe muito consenso quanto ao que seja uma universidade. Embora algumas vezes tratada como um tipo especial de burocracia, é também equiparada às demais organizações burocráticas, principalmente na concepção da teoria contingencial. Esta assume, implicitamente, que as regras que regem o funcionamento de uma empresa são as mesmas que ditam a vida nas universidades. Por outro lado, os estudos que não lidam estritamente com caracteres formais a veem, sem dúvida, como uma instituição muito particular. Cohen, March e Olsen falam de anarquia organizada; Baldridge, sobre multidiversidade e Butler emprega o termo politicking para contrapor a universidade a outras organizações. Ao contrário dos estudos contingenciais, que se atêm aos aspectos estruturais, esses autores preocupam-se com a dinâmica entre a racionalidade instrumental burocrática e as inter-relações sociais, trazendo, com isto, o foco de análise para o processo decisório.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Rodrigues, S. B. (1985). Processo decisório em universidades: teoria III. Revista De Administração Pública, 19(4), 60 a 75. Recuperado de https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/10055
Seção
Artigos