As intrincadas relações sistêmicas entre mercado de trabalho, relações de trabalho e gestão de recursos humanos em contexto pandêmico

Conteúdo do artigo principal

Wilson Aparecido Costa de Amorim
Marcus Vinicius Gonçalves da Cruz
Amyra Moyzes Sarsur
André Luiz Fischer
Aline Zanini Lima
André Bafti

Resumo

O artigo analisa como as organizações interpretam as relações sistêmicas envolvendo o mercado e relações de trabalho em suas estratégias de gestão de recursos humanos (GRH) na pandemia da Covid-19. Por meio de abordagem qualitativa, realizaram-se quatro grupos focais com 24 gestores de pessoas e entrevistas com quatro representantes sindicais em três regiões do Brasil: Sul
(Joinville, SC), Nordeste (Fortaleza, CE) e Centro-Oeste (Brasília, DF). Os achados indicam lacunas de conhecimento das áreas de GRH sobre mercado e relações de trabalho, práticas similares de GRH em patamares distintos, institucionalizadas por repertório comum, enquanto os sindicatos adaptam-se à nova legislação trabalhista. O contexto pandêmico trouxe mudanças estruturais, como o teletrabalho, ajuste à legislação e organização do trabalho, e também mudanças comportamentais, e efeitos na saúde do trabalhador. O estudo contribui teoricamente ao discutir a GRH sob a abordagem institucional; metodologicamente propicia pesquisas comparativas; e empiricamente ilustra como acontece a GRH em distintas regiões do País.

Downloads

Não há dados estatísticos.

 

 

 

 

Detalhes do artigo

Como Citar
AMORIM, W. A. C. de; CRUZ, M. V. G. da; SARSUR , A. M.; FISCHER, A. L.; LIMA, A. Z.; BAFTI, A. As intrincadas relações sistêmicas entre mercado de trabalho, relações de trabalho e gestão de recursos humanos em contexto pandêmico. RAE-Revista de Administração de Empresas, [S. l.], v. 63, n. 1, p. e2021–0669, 2022. DOI: 10.1590/S0034-759020230103. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rae/article/view/88574. Acesso em: 29 jan. 2023.
Seção
Artigos

Referências

Allen, M., & Wood, G. (2021). Institutional approaches to examining the influence of context on human resource management. In E. Parry, M. J. Morley, & C. Brewster (Eds.), The Oxford handbook of contextual approaches to human resource management. (pp. 53-70) Oxford, UK: Oxford University Press.

Amorim, W. A. C. (2020). Futuro do trabalho no Brasil: Cuidar das instituições. RAE-Revista de Administração de Empresas, 60(5), 371-377. doi:10.1590/S0034-759020200507

Amorim, W. A. C., Cruz, M. V. G., Sarsur, A. M., & Fischer, A. L. (2021). HRM in Brazil: A institutional approach. Revista de Gestão, 28(1), 84-99. doi:10.1108/REGE-08-2020-0074

Antunes, R. (2020). Coronavírus: O trabalho sob fogo cruzado. São Paulo, Boitempo. Recuperado de https://www.boitempoeditorial.com.br/produto/coronavirus-o-trabalho-sob-fogo-cruzado-1046

Araújo, F. S. M., Flores, R. F., Santos, S. M. D., & Cabral, A. C. A. (2019). Estudo bibliométrico sobre a teoria institucional: Uma caracterização da produção científica brasileira. Contexto – Revista do Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade da UFRGS, 19(42), 37-51. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/ConTexto/article/view/68774/pdf

Barbosa, A. (2005). Relações de trabalho e recursos humanos em busca de identidade. RAE-Revista de Administração de Empresas, 45(spe), 121-126. doi:10.1590/S0034-75902005000500010

Barbour, R. (2009). Grupos focais. Porto Alegre, RS: Artmed.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70.

Béhar, A. H. (2019). Meritocracia enquanto ferramenta da ideologia gerencialista na captura da subjetividade e individualização das relações de trabalho: uma reflexão crítica. Organizações & Sociedade, 26(89), 249-268. doi:10.1590/1984-9260893

Belzunegui-Eraso, A., & Erro-Garcés, A. (2020). Teleworking in the context of the Covid-19 crisis. Sustainability, 12(9), 3662. doi:10.3390/su12093662

Benavides, F. G., Amable, M., Cornelio, C., Vives, A., Milián, L.C., Barraza, D., … Delclos, J. (2021). O futuro do trabalho após a Covid-19: O papel incerto do teletrabalho no domicílio. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 46, e31. doi:10.1590/2317-6369000037820

Bianchi, E. M. P. G., Quishida, A., & Foroni, P. G. (2017). Atuação do líder na gestão estratégica de pessoas: Reflexões, lacunas e oportunidades. Revista de Administração Contemporânea, 21(1), 41-61. doi:10.1590/1982-7849rac2017150280

Biron, M., Cieri, H. De, Fulmer, I., Lin, C. H. V., Mayrhofer, W., Nyfoudi, M., & Sun, J. M. J. (2021). Structuring for innovative responses to human resource challenges: A skunk works approach. Human Resource Management Review, 31(2), 100768. doi:10.1016/j.hrmr.2020.100768

Camilo, J. A. O. (2021). Trauma organizacional em tempos de Covid-19: Contribuições para a gestão de pessoas. Revista Administração em Diálogo, 23(2), 97-107. doi:10.23925/2178-0080.2021v23i2.49998

Carnevale, J. B., & Hatak, I. (2020). Employee adjustment and well-being in the era of Covid-19: Implications for human resource management. Journal of Business Research, 116, 183-187. doi:10.1016/j.jbusres.2020.05.037

Cellard, A. (2008). A análise documental. In J. Poupart, Delauries, J.P., Grouxl, L.H., Laperriere, A.,Mayer, R., Pires, A.P., Jacoud, M., Cellard, A., Houle, G., Giorgi, A. (eds)., A pesquisa qualitativa: Enfoques epistemológicos e metodológicos (pp. 295-316). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Companhia de Planejamento do Distrito Federal. (2021). Boletim de conjuntura do DF, atividade econômica. Brasília - Distrito Federal. Recuperado de https://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/Boletim_de_Conjuntura_do_DF_3o_Trimestre-2021.pdf

Concolatto, C. P., Rodrigues, T. G., & Oltramari, A. P. (2017). Mudanças nas relações de trabalho e o papel simbólico do trabalho na atualidade. Farol-Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 4(9), 340-389. Recuperado de https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/3254

Costa, S. (2020). Pandemia e desemprego no Brasil. Revista de Administração Pública, 54(4), 969-978. doi:10.1590/0034-761220200170

Creswell, J. (2010). Projeto de pesquisa. Porto Alegre, RS: Artmed.

Crossan, M. M., & Apaydin, M. (2010). A multi-dimensional framework of organizational innovation: A systematic review of the literature. Journal of Management Studies, 47(6), 1154-1191. doi:10.1111/j.1467-6486.2009.00880.x

Cruz, M. V. G., Sarsur, A. M., Amorim, W. A. C., Fischer, A. L., & Kassem, M. (2017). The complex interaction between human resources management, the labor market and employment relations in Brazil. Tourism & Management Studies, 13, 65-72. doi:10.18089/tms.2017.13407

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2020a). Acordos negociados pelas entidades sindicais para enfrentar a pandemia do coronavírus – Covid 19 [Estudos e Pesquisas nº 91]. DIEESE, São Paulo, SP.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2020b). O programa emergencial de manutenção do emprego e da renda diante dos impactos da Covid-19 [Nota Técnica nº 232]. DIEESE, São Paulo, SP.

DiMaggio, P. J., & Powell W. W. (2007). Jaula de ferro revisitada: Isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. In M. P. Caldas, & C. O. Bertero (Coords.), Teoria das organizações. (p.117-142). São Paulo, SP: Atlas.

Fernandes, B., Bitencourt, C., & Comini, G. (2021). Competence management models in leading brazilian organizations. Revista de Administração da UFSM, 14(3), 458-477. doi:10.5902/1983465935598

Franco, D. S., & Ferraz, D. L. D. S. (2019). Uberização do trabalho e acumulação capitalista. Cadernos EBAPE.BR, 17(SPE), 844-856. doi:10.1590/1679-395176936

Gigauri, I. (2020). Organizational support to HRM in times of the Covid-19 o apoio a nova administração em todas as questões relativas a RH pandemic crisis. European Journal of Marketing and Economics, 3(3), 36-48. doi:10.26417/492dnl43d

Gooderham, P. N., Mayrhofer, W., & Brewster, C. (2019). A framework for comparative institutional research on HRM. The International Journal of Human Resource Management, 30(1), 5-30. doi:10.1080/09585192.2018.1521462

Guimarães, S. D., Junior, & Silva, E. B. (2020). A 'reforma' trabalhista brasileira em questão: Reflexões contemporâneas em contexto de precarização social do trabalho. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 7(18), 117-163. doi:10.25113/farol.v7i18.5503

Hall, P. A., & Soskice, D. (2001). An introduction to varieties of capitalism. In P. A. Hall & D. Soskice (Eds.), Varieties of capitalism: The institutional foundations of comparative advantage (pp. 1-56). Oxford, UK: Oxford University Press.

Hofstede, G., Hilal, A., Malvezzi, S., Tanure, B., & Vinken, H. (2010). Comparing regional cultures within a country: Lessons from Brazil. Journal of Cross-Cultural Psycholog, 41(3) 336-352. doi:10.1177/0022022109359696

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2021). Pesquisa nacional por amostra de domicílio contínua (2021). PNAD Contínua Retrospectiva 2012-2020.

Instituto de Pesquisa Econômica. (2020). O teletrabalho no setor público e privado na pandemia. Carta de Conjuntura, (p1-14)(48). Recuperado de https://www.ipea.gov.br/cartadeconjuntura/index.php/2020/08/o-teletrabalho-no-setor-publico-e-privado-na-pandemia-potencial-versus-evolucao-e-desagregacao-do-efetivo

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. (2021). Produto interno bruto municipal. n.5 dezembro 2021. Fortaleza, CE. Recuperado de https://www.ipece.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/45/2021/12/PIB_dos_Municipios_Cearenses_2019.pdf

Kochan, T. A., Katz, H. C., & McKersie, R. B. (1994). The transformation of American industrial relations. Ithaca, USA: ILR Press.

Krein, J. D. (2018). O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva: Consequências da reforma trabalhista. Tempo Social, 30(1), 77-104. doi:10.11606/0103-2070.ts.2018.138082

Lacombe, B. M. B., & Chu, R. A. (2008). Políticas e práticas de gestão de pessoas: As abordagens estratégica e institucional. RAE-Revista de Administração de Empresas, 48(1), 25-35. doi:10.1590/S0034-75902008000100003

Lima, T. C., & Mioto, R. C. T. (2007). Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: A pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, 10(2), 37-45. doi:10.1590/S1414-49802007000300004

Lúcio, C. (2020). A reforma das relações sindicais volta ao debate no Brasil. Estudos Avançados, 34(98), 127-142. doi:10.1590/s0103-4014.2020.3498.009

Meneses, P.; Coelho Junior, F.A., Ferreira, R.R., Paschoal. T., Silva Filho, A.I. (2014). A produção científica brasileira sobre a gestão de recursos humanos entre 2001 e 2010. RAM: Revista de Administração Mackenzie, 15(4), 110-134. doi.org/10.1590/1678-69712014/administracao.v15n4p110-134

Ministério do Trabalho e Emprego. (2021) Programa de Disseminação das Estatísticas do Trabalho (PDET). Recuperado de http://pdet.mte.gov.br/o-programa

Mondo, T. S., Fiates, G. G. S., & Cário, S. A. F. (2015). A dinâmica de desenvolvimento em Lages e Joinville–Santa Catarina a partir de uma visão institucionalista neoschumpeteriana. RDE-Revista de Desenvolvimento Econômico, 17(31). doi:10.21452/rde.v17i31.3401

Oliveira, S. R., & Piccinini, V. C. (2009). Validade e reflexividade na pesquisa qualitativa. Cadernos EBAPE.BR, 7(1), 88-98. doi:10.1590/S1679-39512009000100007

Parry, E., Morley, M. J., & Brewster, C. (2021). Contextual approaches to human resource management an introduction. In E. Parry, M. J. Morley, & C. Brewster (Eds.), The Oxford handbook of contextual approaches to human resource management (p1-22).Oxford, UK: Oxford University Press.

Peci, A., Avellaneda, C. N., & Suzuki, K. (2021). Respostas governamentais à pandemia da Covid-19. Revista de Administração Pública, 55(1), 1-11. doi:10.1590/0034-761220210023

Prefeitura Municipal de Joinville. (2020). Joinville: A cidade em dados. Joinville, SC. Recuperado de https://www.joinville.sc.gov.br/wp-content/uploads/2021/12/Joinville-Cidade-em-Dados-2021-%E2%80%93-Desenvolvimento-Econ%C3%B4mico.pdf

Salmons, J. (2014). Qualitative online interviews: Strategies, design, and skills. Thousand Oaks, USA: Sage.

Savona, M. (2020). ¿La “nueva normalidad” como “nueva esencialidad”? Covid-19, transformaciones digitales y estructuras laborales. Revista CEPAL, 132(n. esp.), 209-224. Recuperado de https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/46831/1/RVE132_Savona.pdf

Schneider, B. (2009). Hierarchical market economies and varieties of capitalism. Journal of Latin American Studies, 41, 553-575. Recuperado de https://www.jstor.org/stable/27744166

Schotter, A., Meyer, K., & Wood, G. (2021). Organizational and comparative institutionalism in international HRM: Toward an integrative research agenda. Human Resources Management, v. 60, 205-227. doi.org/10.1002/hrm.22053

Silva, C., & Moraes, A. (2021). O papel estratégico do capital humano na gestão de crise: A pandemia de Covid-19. Revista de Gestão e Projetos, 12(2), 214-232. doi:10.5585/gep.v12i2.19255

Stal, E., Campanário, M. A., Andreassi, T., & Sbragia, R. (Coords.); Santos, A. (2006). Inovação: Como vencer esse desafio empresarial. São Paulo, SP: Clio Editora.

Tolbert, P. S., & Zucker, L. G. (1999). A institucionalização da teoria institucional. In S. Clegg, C. Hardy, & W. Nord (Eds.), Handbook estudos organizacionais (pp. 196-219). São Paulo, SP: Atlas.

Trullen, J., Bos-Nehles, A., & Valverde, M. (2020). From intended to actual and beyond: A cross- disciplinary view of (human resource management) implementation. International Journal of Management Reviews, 22, 150-176. doi:10.1111/ijmr.12220

Ulrich, D., Younger, J., & Brockbank W. (2008). The twenty-first-century HR organization. Human Resource Management, 47(4), 829-850. doi:10.1002/HRM.20247

Whitley, R. (2007). Business systems and organizational capabilities: The institutional structuring of competitive competences. Oxford, UK: Oxford University Press.

Wood, T., Jr., Tonelli, M. J., & Cooke, B. (2011). Colonização e neocolonização da gestão de recursos humanos no Brasil (1950-2010). RAE-Revista de Administração de Empresas, 51(3), 232-243. doi:10.1590/S0034-75902011000300004

Wooten, M., & Hoffman, C. (2008). Organizational fields: Past, present and future. In Greenwood, R. Oliver, C., Lawrence T.B., Meyer, R.E. (Eds.), The SAGE handbook of organizational institutionalism (pp. 130-148). London, UK: SAGE.