Feminização do envelhecimento: Um fenômeno multifacetado muito além dos números

Autores

  • Vanessa Martines Cepellos Fundação Getulio Vargas, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, São Paulo (FGV EAESP), Brasil

DOI:

https://doi.org/10.1590/s0034-759020210208%20

Resumo

Esta pensata apresenta a ampliação da concepção de feminização do envelhecimento ao contemplar as condições atreladas às relações de trabalho de mulheres em processo de envelhecimento. Geralmente, a feminização do envelhecimento está relacionada, exclusivamente, ao fato de que há mais mulheres do que homens na população idosa, especialmente no Brasil. Por meio de um embasamento teórico, foi possível ampliar a concepção do fenômeno a partir de três eixos: a constituição da feminização do envelhecimento, as feições de quem o enfrenta e, por fim, as necessidades das mulheres em processo de envelhecimento e estratégias de transformação no contexto de trabalho. Esses elementos permitem defender que o fenômeno é complexo e multifacetado, indo além dos aspectos quantitativos de um maior número de idosas do que homens idosos no País. Observou-se que essas mulheres enfrentam dificuldades com relação à inserção, manutenção e progressão em suas carreiras por conta do preconceito de gênero e idade, além de outros desafios profissionais. Essa ampliação do conceito revelou a fragilidade de suporte e atenção a esse grupo social nas organizações, o que permite argumentar que há a necessidade de maior enfrentamento e conscientização de profissionais e gestores para uma efetiva transformação no mundo do trabalho dessas mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barrett, A., & Naiman-Sessions, M. (2016). ‘It's our turn to play’: Performance of girlhood as a collective response to gendered ageism. Ageing and Society, 36(4), 764-784. doi: 10.1017/s0144686x15000021

Broadbridge, A., Granleese, J., & Sayer, G. (2006), "Gendered ageism and “lookism”: A triple jeopardy for female academics". Women in Management Review, 21(6), 500-517. DOI: doi: 10.1108/09649420610683480

Butler, R. (1989, May). Dispelling ageism: The cross-cutting intervention. Annals of the American Academy of Political and Social Science, 503, 138-147. doi: 10.1177/0002716289503001011

Camarano, A. A. (2004). Os novos idosos brasileiros: Muito além dos 60? Rio de Janeiro, RJ: IPEA.

Cepellos, V. M. (2016). Os sentidos da idade: Morte e renascimento no processo de envelhecimento de mulheres executivas (Tese de doutorado, Fundação Getulio Vargas, São Paulo, SP).

Clarke, L., & Griffin, M. (2008). Visible and invisible ageing: Beauty work as a response to ageism. Ageing and Society, 28(5), 653-674. doi: 10.1017/S0144686X07007003

Cleveland, J., Huebner, L., & Hanscom, M. (2017). The intersection of age and gender issues in the workplace. Age Diversity in the Workplace (Advanced Series in Management, Vol. 17, pp. 119-137.). Emerald Publishing Limited. doi: 10.1108/S1877-636120170000017007

Crenshaw, K. (1989). Demarginalizing the intersection of race and sex: A black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory, and antiracist politics. University of Chicago Legal Forum, 139-187.

Crenshaw, K. (1991). Mapping the margins: Intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, 43(6), 1241-1299. doi: 10.2307/1229039

Debert, G. G. (2007). A antropologia e o estudo dos grupos e das categorias de idade. In M. Moraes, & L. de Barros, Velhice ou terceira idade? (4a ed.). Editora Fundação Getulio Vargas. Pp. 49-67. Rio de Janeiro, RJ.

Dennis, H., & Thomas, K. (2007). Ageism in the workplace. Spring. American Society on Aging. San Francisco, CA.

Duncan, C., & Loretto, W. (2004), Never the right age? Gender and age‐based discrimination in employment. Gender, Work & Organization, 11, 95-115. doi: 10.1111/j.1468-0432.2004.00222.x

Encel, S., & Studencki, H. (1997). Gendered ageism: Job search experiences of older women. NSW Committee on Ageing and the Department for Women (NSW), Sydney, Australia.

Felix, J. (2016). O idoso e o mercado de trabalho. In A. de O. Alcântara, A. A. Camarano, & K. C. Giacomin, Política nacional do idoso: Velhas e novas questões. IPEA. 241-263. Rio de Janeiro, RJ.

Fineman, S. (2014). Age matters. Organization Studies, 35(11), 1719-1723.

Giatti, L., & Barreto, S. M. (2003, maio/junho). Saúde, trabalho e envelhecimento no Brasil. Cad. Saúde Pública, 3(19), 759-771. doi:10.1590/S0102-311X2003000300008

Goldani, A. M. (2010). "Ageism" in Brazil: What is it? Who does it? What to do with it? Revista Brasisleira de Estudos de População, 27(2), 385-405.

Gomes, P. S., & Pamplona, J. B. (2015, outubro/dezembro). Envelhecimento populacional, mercado de trabalho e política pública de emprego no Brasil. E&G Economia e Gestão, 15(41). 206-230. doi: 10.5752/P.1984-6606.2015v15n41p206

Gordon, J. R., & Whelan, K. S. (1998). Successful professional women in midlife: How organizations can more effectively understand and respond to the challenges. Academy of Management Executive, 12(1). 8-27.

Gavrilov; L. A; & Heuveline, P. (2003). Aging of population. In: Demeny, Paul; Mcnicoll, Geoffrey. The Encyclopedia of Population. New York, Macmillan Reference USA.

Griffiths, A., Ceausu, I., Depypere, H., Lambrinoudaki, I., Mueck, A., Pérez-López, F. R., … Rees, M. (2016). EMAS recommendations for conditions in the workplace for menopausal women. Maturitas, 85, 79-81. doi:10.1016/j.maturitas.2015.12.005

Halford, S., Lotherington, A. T., Obstfelder, A., & Kukarenko, N. (2015). Technical change and the un/troubling of gendered ageing in healthcare work. Gender, Work & Organization, 22(5). 495-509. doi: 10.1111/gwao.12087

Handy, J., & Davy, D. (2007). Gendered ageism: Older women's experiences of employment agency practices. Asia Pacific Journal of Human Resources, 45, 85-99. doi: 10.1177/1038411107073606

Harding, N., Ford, J., & Fotaki, M. (2013). Is the 'F'-word still dirty? A past, present and future of/for feminist and gender studies in organization. Organization. 51-65. doi: 10.1177/1350508412460993

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Agência IBGE, projeção da população 2018: Número de habitantes do país deve parar de crescer em 2047. Recuperado de https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/21837-projecao-da-populacao-2018-numero-de-habitantes-do-pais-deve-parar-de-crescer-em-2047

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2018 Breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. Recuperado de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/3097/tcmb_2018.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Pesquisa nacional por amostra de domicílios contínua. Características gerais dos domicílios e dos moradores 2018.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2010). Comunicados do IPEA: Tendências demográficas, n. 64.

Jyrkinen, M. (2014). Women managers, careers and gendered ageism. Scandinavian Journal of Management, 30, 175-185. doi: 10.1016/j.scaman.2013.07.002

Krekula, C., Nikander, P., & Wilińska, M. (2018). Multiple marginalizations based on age: Gendered ageism and beyond. In L. Ayalon, & C. Tesch-Römer, Contemporary perspectives on ageism (International Perspectives on Aging, Vol 19). 33-50. Ed.1. doi: 10.1007/978-3-319-73820-8

Lei n. 8.842, de janeiro de 1994. (1994). Política Nacional do Idoso.

Lima, L. C. V. de, & Bueno, C. M. L. B. (2009, maio/agosto). Envelhecimento e gênero: A vulnerabilidade de idosas no Brasil. Revista Saúde e Pesquisa, 2(2), 273-280.

Loretto, W., & Vickerstaff, S. (2015). Gender, age and flexible working in later life. Work, Employment and Society, 29(2), 233-249. doi: 10.1177/0950017014545267

Lovejoy, M., & Stone, P. (2012). Opting back in: the influence of time at home on professional women's career redirection after opting out. Gender, Work & Organization, 19, 631-653. doi: 10.1111/j.1468-0432.2010.00550.x

McBride, A., Hebson, G., & Holgate, J. (2014). Intersectionality: Are we taking enough notice in the field of work and employment relations? Work, Employment and Society, 29(2), 331-341. doi: 10.1177/0950017014538337

McGann, M., Ong, R., Bowman, D., Duncan, A., Kimberley, H., & Biggs, S. (2016). Gendered ageism in Australia: Changing perceptions of age discrimination among older men and women. Economic Papers, 35, 375-388. doi: 10.1111/1759-3441.12155

Mckie, L., & Jyrkinen, M. (2017). Mymanagement: Women managers in gendered and sexualised workplaces. Gender in Management, 32(2), 98-110. doi: 10.1108/GM-04-2016-0091

McMullin, J. A., & Berger, E. D. (2006). The case of unemployed older workers. In T. Calasanti, & K. F. Slevin, Age matters: Re-aligning feminist thinking. Routledge. New York, NY. 201-224.

Meliou, E., Mallett, O., & Rosenberg, S. (2019). Being a self-employed older woman: From discrimination to activism. Work, Employment and Society. Vol. 33(3). 529-538. doi: 10.1177/0950017018800235

Moore, S. (2009). “No matter what I did I would still end up in the same position”: Age as a factor defining older women’s experience of labour market participation. Work, Employment and Society, 23(4), 655-671. doi:10.1177/0950017009344871

Moreira, M. de M. (1998). Envelhecimento da população brasileira: Intensidade, feminização e dependência. Revista Brasileira de Estudos de População, 15(1). 79-93.

Mori, M. E., & Coelho, V. L. D. (2004). Mulheres de corpo e alma: Aspectos biopsicossociais da meia-idade feminina. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(2), 177-187. doi: 10.1590/S0102-79722004000200006.

Nações Unidas. (2012). Population ageing and development.

Nascimento, A. J. R. do, & Rabêlo, F. C. E. (2008). Memória e envelhecimento: Narrativas sobre questões de gênero e do mundo do trabalho. Sociedade e Cultura, 11(2). 333-342. doi: 10.5216/sec.v11i2.5291

Nascimento, A. J. R. do, & Souza, M. R. de. (2006). As mulheres idosas e o mercado de trabalho. I Seminário Nacional de Trabalho e Gênero. Goiânia, GO.

Nascimento, M. R. do. (2015). Feminização do envelhecimento populacional: Expectativas e realidades de mulheres idosas quanto ao suporte familiar. Associação Brasileira de Estudos Populacionais.

Nash, J. C. (2008). Re-Thinking intersectionality. Feminist Review, 89(1), 1-15. doi: 10.1057/fr.2008.4

Palmore, E. B. (1999). Ageism: Negative and positive (2nd ed.). Springer Publishing Company.

Payne, S., & Doyal, L. (2010). Older women, work and health. Occupational Medicine. V60, Issue 3, May 2010, P 172–177. doi: 10.1093/occmed/kqq030

Riach, K., Rumens, N., & Tyler, M. (2014). Un/doing chrononormativity: Negotiating ageing, gender and sexuality in organizational life. Organization Studies, 35(11), 1677-1698. doi: 10.1177/0170840614550731

Shacklock, K., Brunetto, Y., & Nelson, S. (2009). The different variables that affect older males’ and females’ intentions to continue working. Asia Pacific Journal of Human Resources, 47(1), 79-101. doi: 10.1177/1038411108099291

Soares, C. (2012). Envelhecimento populacional e as condições de rendimento das idosas no Brasil. Revista Gênero. Niterói, 12(2), 167-185.

Sousa, N. F. da S., Lima, M. G., Cesar, C. L. G., & Barros, M. B. de A. (2018). Envelhecimento ativo: Prevalência e diferenças de gênero e idade em estudo de base populacional. Cadernos de Saúde Pública, 34(11). 1-14. doi: 10.1590/0102-311x00173317

Trethewey, A. (2001, November). Reproducing and resisting the master narrative of decline: Midlife professional women’s experience of aging. Management Communication Quarterly, 15(2). 183-226. doi:10.1177/0893318901152002

United Nations. (2019). World population ageing. New York, USA.

CONTRIBUIÇÃO DA AUTORA

A autora declara que realizou todas as etapas de desenvolvimento do estudo. Desde a conceitualização e abordagem teórica-metodológica, a revisão teórica (levantamento de literatura), coleta de dados, bem como na análise de dados e, por fim, redação e revisão final do artigo.

Publicado

2021-03-05

Como Citar

CEPELLOS, V. M. Feminização do envelhecimento: Um fenômeno multifacetado muito além dos números. RAE-Revista de Administração de Empresas, [S. l.], v. 61, n. 2, p. 1–7, 2021. DOI: 10.1590/s0034-759020210208 . Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rae/article/view/82273. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

Pensata