“É necessário um patamar mais sólido de política de financiamento habitacional”

Autores

  • Inês Magalhães
  • Edney Cielici Dias
  • Ana Maria Castelo

Resumo

ENTREVISTA

Não são apenas os indicadores de atividade que sinalizam o momento especial por que passa a habitação no país. Para a secretaria nacional Inês Magalhães, a institucionalização da política para o setor se consolida rapidamente, com a adesão de quase 5.000 municípios. Além disso, afirma que o PAC elevou os investimentos em moradia e saneamento para um novo patamar. E o governo encontra novos parceiros: além de Estados e municípios, grandes construtoras criam subsidiárias para atender a demanda da população de renda mais baixa. Sim, há muito que comemorar, mas também desafios prementes, como o estabelecimento de uma política mais racional de subsídios e uma sistemática de fi nanciamento de longo prazo para a política habitacional. Socióloga pela PUC-SP, especialista em planejamento de gestão, Inês Magalhães conversou com a Conjuntura da Construção no final de agosto, às vésperas de a Caixa Econômica Federal anunciar financiamentos habitacionais com prazo de 30 anos – mais uma sinalização de que se pode esperar um dinamismo ainda maior para o setor.

Biografia do Autor

Edney Cielici Dias

Entrevistador

Ana Maria Castelo

Entrevistador

Downloads

Publicado

2007-06-11

Edição

Seção

Desafio de desenvolvimento