Indicadores da Construção

Autores

  • Autor Desconhecido

Resumo

Sinais positivos da atividade setorialOs principais indicadores de atividade do setor da construção continuam refletindo um cenário de crescimento, ou seja, as empresas continuam produzindo e contratando. Nos cinco primeiros meses de 2012, o emprego nas construtoras registrou alta de 7,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Diferentemente de 2011, o segmento de infraestrutura registra taxas mais elevadas que as observadas em edificações: 8,6% contra 4,7%, respectivamente. No entanto, 31% dos postos gerados desde dezembro foram no segmento de edificações. Entre as regiões, o Norte e oCentro-Oeste registraram  as maiores taxas de crescimento. No Sudeste, com taxa inferior à media nacional, pesou o menor ritmo de crescimento de São Paulo, de 5,4%. Em contrapartida, o aumento do emprego alcançou 16,2% no Rio de Janeiro, em relação ao mesmo período de 2011. Com o mercado aquecido, as negociações salariais realizadas até maio seguiram o padrão de 2011, com ganhos acima da inflação aos trabalhadores. Acordos fechados em maio garantiram aumentos de 7,47% aos trabalhadores da construção em São Paulo e de 9,75% em Brasília. Os aumentos salariais do período contribuíram para a aceleração dos custos setoriais. O INCC-M fechou o semestre com aumento de 4,98% – o componente mão de obra registrou elevação de 7,51% e o componente materiais e equipamentos, de 2,34%. Em São Paulo, o CUB apresentou alta de 6,11% no mesmo período. Com a atividade em expansão das construtoras, a indústria de materiais apresenta resultados mais favoráveis que a  média da indústria. Até maio, a produção de insumos típicos registra crescimento de 3,4% na comparação com o mesmo período de 2011, contra uma retração de 3,4% da indústria geral. O consumo de cimento tem desempenho ainda melhor, com aumento de 10% na mesma comparação. Vale destacar também o crédito habitacional, que superou o patamar de 5% do PIB em maio. O volume de contratação com base nos recursos da poupança mostra, no entanto, uma queda de ritmo em decorrência da redução dos empréstimos para a construção de novas moradias.

Downloads

Publicado

2012-05-14

Edição

Seção

Indicadores