Indicadores da Construção

Autores

  • Autor Desconhecido

Resumo

EM RITMO MAIS LENTOEm junho e julho, o setor da construção não sustentou o ritmo observado nos meses anteriores. Menos obras estão se iniciando e as construtoras contratam menos do que no mesmo período de 2011. As taxas de crescimento começam a mostrar desaceleração. Em julho, o número de empregados na construção chegou a 3,4 milhões de trabalhadores em todo país, o que representou um crescimento de 7% desde dezembro ou uma contratação líquida de 221,6 mil trabalhadores. No  entanto, o número de novos postos diminuiu nos dois últimos meses: em junho e julho houve queda de quase 50% em relação ao mesmo período de 2011. A queda foi determinada pelo segmento imobiliário, que registrou diminuição de 65%  na criação de vagas em junho e julho na comparação com os mesmos meses de 2011. O segmento registra a menor taxa de crescimento acumulada até julho, de 4,3%  contra um crescimento de 8,7% do segmento de infraestrutura. O segmento de preparação de terrenos também perdeu ritmo em 2012, indicando que menos obras estão sendo iniciadas. Entre as regiões, o Norte continua liderando o crescimento, com taxa acumulada até julho de 9,5% na comparação com o mesmo período  de 2011, refl etindo o aumento dos investimentos em infraestrutura na região. Por outro lado, a região Nordeste, que entre 2008 a 2010 registrou expansão anual de 25%, apresenta desde o ano passado crescimento inferior à média do país e em 2012 tem elevação de 6,5% até julho, a mais baixa entre as grandes regiões. No Sudeste e Centro-Oeste, o aumento do emprego alcançou 7,3% e 7,5%, respectivamente, na mesma comparação. Os lançamentos imobiliários na Região Metropolitana de São Paulo também caíram, voltando ao patamar de 2009. A indústria de materiais continua a apresentar resultados mais favoráveis que a média da indústria, mas também desacelerou. Até julho, a produção de insumos típicos registra crescimento de 2,4% na comparação com o mesmo período de 2011. O consumo de cimento e de vergalhão tem resultados mais robustos. O cimento registra crescimento de 7,4% até julho e o vergalhão, de 14,5% até junho.

Downloads

Publicado

2012-05-14

Edição

Seção

Indicadores