Hipergeneralizações: organizações são quase qualquer coisa em bestsellers de introdução à Administração

Conteúdo do artigo principal

Guilherme Lima Moura

Resumo

 

Este artigo almeja contribuir com reflexões sobre a qualidade da produção de sentido na Educação Superior em Administração no Brasil. Para tal, volta-se para uma análise semântica das definições de organização identificadas em pesquisa bibliográfica realizada nos livros-textos de introdução às teorias administrativas utilizados nas maiores e melhores instituições de Ensino Superior brasileiras. Esta análise definiu esses conceitos-chave como hipergeneralizações, em função de sua vagueza. Para aumentar sua precisão semântica, propõe-se a inclusão de historicidade e especificidade por meio da consideração do contexto que deu origem às organizações modernas. Essa simplificação conceitual generalizada produz efeitos éticos relevantes, ao descaracterizar dimensões da prática social coletiva no mundo das organizações. Afinal, o que se pode esperar de um campo que estuda “quase qualquer coisa”?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Moura, G. L. (2014). Hipergeneralizações: organizações são quase qualquer coisa em bestsellers de introdução à Administração. Cadernos EBAPE.BR, 12(1), 62 a 85. Recuperado de https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cadernosebape/article/view/9629
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Guilherme Lima Moura, UFPE

Professor Adjunto do Departamento de Ciências Administrativas (DCA) e do Programa de Pós-graduação em Administração (PROPAD), da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Doutor em Linguística pelo PGLetras/UFPE (com tese indicada a prêmio pela banca examinadora e publicada através de edital Propesq de Teses e Dissertações 2010). Mestre em Administração pelo Propad/UFPE (título obtido com distinção). Graduado em Administração pela UFPE.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)