Sentidos do trabalho, vínculos organizacionais e engajamento: proposição de um modelo teórico integrado

Conteúdo do artigo principal

Resumo

O objetivo deste artigo consiste em avançar nas possibilidades de teorização sobre sentidos do trabalho, vínculos organizacionais – comprometimento, entrincheiramento e consentimento – e engajamento com base na articulação desses construtos num modelo integrativo. Para tanto, parte-se do pressuposto de que os sentidos atribuídos ao trabalho é uma variável antecedente a comprometimento, entrincheiramento, consentimento e engajamento no trabalho. Essa proposição é considerada oportuna e contributiva no campo teórico, uma vez que permite identificar possíveis associações entre os construtos, o que ajuda a compreender determinados comportamentos no trabalho. Após a análise das relações entre os conceitos, apresenta-se uma proposta de modelo integrada, ainda não testada empiricamente. Por fim, sugere-se uma agenda de pesquisas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Costa, S. D. M., Paiva, K. C. M. de, & Rodrigues, A. L. (2022). Sentidos do trabalho, vínculos organizacionais e engajamento: proposição de um modelo teórico integrado. Cadernos EBAPE.BR, 20(4), 470–482. https://doi.org/10.1590/1679-395120210123
Seção
Artigos

Referências

Allen, N. J., & Meyer, J. P. (1996). Affective, continuance, and normative commitment to the organization: an examination of construct validity. Journal of Vocational Behavior, 49(3), 252-276.

Angst, R., Benevides-Pereira, A. M. T., & Porto-Martins, P. C. (2009). Utrecht Work Engagement Scale. Curitiba, PR: Gepeb.

Bakker, A. B. (2011). the evidence-based model of work engagement. Current Directions in Psychological Science, 20(4), 265-269.

Bakker, A. B., Albrecht, S. L., & Leiter, Michael P. (2011). Work engagement: further reflections on the state of play. European Journal of Work and Organizational Psychology, 20(1), 74-88.

Bar‐Hayim, A., & Berman, G. S. (1992). The dimensions of organizational commitment. Journal of Organizational Behavior, 13(4), 379-387.

Bastos, A. V. B. (1993). Comprometimento organizacional: um balanço dos resultados e desafios que cercam essa tradição de pesquisa. Revista de Administração de Empresas, 33(3), 52-64.

Bastos, A. V. B., & Aguiar, C. V. N. (2015). Comprometimento organizacional. In K. Puente-Palacios, & A. L. A. Peixoto (Org.), Ferramentas de diagnóstico para organizações e trabalho: um olhar a partir da psicologia. Porto Alegre, RS: Artmed.

Bastos, A. V. B., Siqueira, M. M. M., Medeiros, C. A. F., & Menezes, I. G. (2008). Comprometimento organizacional. In M. M. M. Siqueira (Org.), Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e gestão. Porto Alegre, RS: Artmed.

Becker, H. S. (1960). Notes on the concept of commitment. The American Journal of Sociology, 66(1), 32-40.

Bendassolli, P. F., & Gondim, S. M. G. (2014). Projeto de cientificidade das clínicas do trabalho e seus desafios no campo da psicologia organizacional e do trabalho. In P. F. Bendassolli, & L. A. Soboll (Orgs.), Métodos de pesquisa e intervenção em psicologia do trabalho. São Paulo, SP: Atlas.

Berg, J. M., Wrzesniewski, A., & Dutton, J. E. (2010). Perceiving and responding to challenges in job crafting at different ranks: when proactivity requires adaptivity. Journal of Organizational Behavior, 31(2‐3), 158-186.

Carson, K. D., & Bedeian, A. G. (1994). Career commitment: Construction of a measure and examination of its psychometric properties. Journal of Vocational Behavior, 44(3), 237-262.

Carson, K. D., Carson, P. P., & Bedeian, A. G. (1995). Development and construct of a career entrenchment measure. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 68(4), 301-320.

Cavalcante, M. M., Siqueira, M. M. M., & Kuniyoshi, M. S. (2014). Engajamento, bem-estar no trabalho e capital psicológico: um estudo com profissionais da área de gestão de pessoas. Pensamento & Realidade, 29(4), 42-64.

Collis, J., & Hussey, R. (2006). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Porto Alegre, RS: Bookman.

Costa, S. D. M. (2021). Engajamento no trabalho: estudo bibliométrico da produção científica nacional nas plataformas Capes e Spell (2010- 2019). Gestão & Conexões, 10(2), 53-70.

Costa, S. D. M., Marques, E. M. I., & Ferreira, A. C. C. (2020). Entre sentidos do trabalho, prazer e sofrimento: um estudo baseado na perspectiva de jovens trabalhadores-estudantes. Revista Gestão Organizacional, 13(1), 64-85.

Ferraz, D. L. S., & Fernandes, P. C. M. (2020). Desvendando os sentidos do trabalho. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 22(2),165-184.

Gagné, M., Forest, J., Gilbert, M. H., Aubé, C., Morin, E., & Malorni, A. (2010). The motivation at work scale: validation evidence in two languages. Educational and Psychological Measurement, 70(4), 628-646.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, 35(3), 20-29.

Graebin, R. E., Matte, J., Larentis, F., Motta, M. E. V., & Olea, P. M. (2019). O significado do trabalho para jovens aprendizes. Revista Gestão Organizacional, 12(1), 17-38.

Hackman, J. R., & Oldham, G. R. (1975). Development of the job diagnostic survey. Journal of Applied psychology, 60(2), 159-170.

Hair, J. F., Jr., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre, RS: Bookman.

Hakanen, J. J., Bakker, A. B., & Schaufeli, W. B. (2006). Burnout and work engagement among teachers. Journal of School Psychology, 43(6), 495-513.

Hallberg, U. E., & Schaufeli, W. B. (2006). “Same same” but different? Can work engagement be discriminated from job involvement and organizational commitment? European Psychologist, 11(2), 119-127.

Hansen, R., Fabricio, A., Rotili, L. B., & Lopes, L. F. D. (2018). Inteligência emocional e engajamento no ambiente de trabalho: estudo empírico a partir de gestores e equipes. Revista Gestão Organizacional, 11(1), 1-22.

Kahn, W. A. (1990). Psychological conditions of personal engagement and disengagement at work. Academy of Management Journal, 33(4), 692-724.

Mariano, T. L. A. B., & Moscon, D. C. B. (2018). As relações entre as práticas de gestão de pessoas e o desenvolvimento de vínculos com a organização: um estudo em uma empresa de contabilidade. Gestão & Planejamento, 19, 227-243.

Martins, V., Costa, L. V., & Siqueira, M. M. M. (2015). O impacto do comprometimento afetivo e do engajamento no trabalho sobre os comportamentos de cidadania organizacional. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, 6(2), 1-13.

May, D. R., Gilson, R. L., & Harter, L. M. (2004). The psychological conditions of meaningfulness, safety and availability and the engagement of the human spirit at work. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 77(1), 11-37.

Meyer, J. P., & Allen, N. J. (1991). A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, 1(1), 61-89.

Meyer, J. P., & Allen, N. J. (1997). Commitment in the workplace: theory, research, and application. London, UK: Sage.

Meyer, J. P., Allen, N. J., & Smith, C. A. (1993). Commitment to organizations and occupations: extension and test of a three-component conceptualization. Journal of Applied Psychology, 78(4), 538-551.

Milhome, J. C., Rowe, D. E. O., & Santos, M. G. D. (2018). Existem relações entre qualidade de vida no trabalho, comprometimento organizacional e entrincheiramento organizacional? Contextus – Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 16(3), 232-252.

Morin, E. M. (2001). Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, 41(3), 8-19.

Morin, E. M. (2008). Sens du travail, santé mentale au travail et engagement organisationnel (Études et recherches, Rapport R-543). Quebec, Canada: Institut de recherche Robert-Sauvé en santé et en sécurité du travail.

Mowday, R. T. (1998). Reflections on the study and relevance of organizational commitment. Human Resource Management Review, 8(4), 387-401.

Mowday, R. T, Steers, R., & Porter, L. (1979). The measurement of organizational commitment. Journal of Vocational Behaviour, 14(2), 224-247.

O’Reilly, C. A., & Chatman, J. (1986). Organizational commitment and psychological attachmentthehe effects of compliance, identification, and internalization on prosocial behavior. Journal of Applied Psychology, 71(3), 492-499.

Pereira, A. S., & Lopes, D. D. (2019). Comprometimento e entrincheiramento organizacional e suas relações com o engajamento no trabalho: um estudo com servidores técnico-administrativos de uma instituição federal de ensino. Desenvolvimento em Questão, 17(48), 139-158.

Pinho, A. P. M., Bastos, A. V. B., & Rowe, D. E. O. (2015). Diferentes vínculos organizacionais: explorando concepções, fatores organizacionais antecedentes e práticas de gestão. Organizações & Sociedade, 22(75), 659-680.

Rodrigues, A. C. A., & Bastos, A. V. B. (2010). Problemas conceituais e empíricos na pesquisa sobre comprometimento organizacional: uma análise crítica do modelo tridimensional de J. Meyer e N. Allen. Revista Psicologia – Organizações e Trabalho, 10(2), 129-144.

Rodrigues, A. C. A., & Bastos, A. V. B. (2011). Entrincheiramento organizacional: proposta de um novo vínculo indivíduo-organização. In N. S. Zanelli, & S. R. Tolfo (Orgs.), Processos psicossociais nas organizações e no trabalho. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Rodrigues, A. C. A., & Bastos, A. V. B. (2012). Entrincheiramento organizacional: construção e validação da escala. Psicologia – Reflexão e Crítica, 25(4), 688-700.

Rodrigues, A. C. A., & Bastos, A. V. B. (2015). Entrincheiramento organizacional. In K. Puente-Palacios, & A. L. A. Peixoto (Orgs.), Ferramentas de diagnóstico para organizações e trabalho: um olhar a partir da psicologia. Porto Alegre, RS: Artmed.

Rodrigues, A. L., Barrichello, A., & Morin, E. M. (2016). Os sentidos do trabalho para profissionais de enfermagem: um estudo multimétodos. Revista de Administração de Empresas, 56(2), 192-208.

Rodrigues, A. L., Barrichello, A., Irigaray, H. A. R., Soares, D. R., & Morin, E. M. (2017). O trabalho e seus sentidos: um estudo com peritos criminais da Polícia Federal. Revista de Administração Pública, 51(6), 1058-1084.

Rohm, R. H. D., & Lopes, N. F. (2015). O novo sentido do trabalho para o sujeito pós-moderno: uma abordagem crítica. Cadernos EBAPE.BR, 13(2), 332-345.

Rosso, B. D., Dekas, K. H., & Wrzesniewski, A. (2010). On the meaning of work: a theoretical integration and review. Research in Organizational Behavior, 30(1), 91-127.

Salanova, M., & Schaufeli, W. B. (2009). El engagement y los empleados. Madrid, España: Alianza Editorial.

Schaufeli, W. B., & Bakker, A. B. (2004). Job demands, job resources, and their relationship with burnout and engagement: a multi‐sample study. Journal of Organizational Behavior – The International Journal of Industrial, Occupational and Organizational Psychology and Behavior, 25(3), 293-315.

Schaufeli, W. B., Dijkstra, P., & Vasquez, A. C. (2013). O engajamento no Trabalho. São Paulo, SP: Editora Casapsi.

Silva, E. E. C., & Bastos, A. V. B. (2010). A escala de consentimento organizacional: construção e evidência de validade. Revista Psicologia, Organizações e Trabalho, 10(1), 7-22.

Silva, E. E. C., & Bastos, A. V. B. (2015). Consentimento organizacional. In K. Puente-Palacios, & A. L. A. Peixoto (Org.), Ferramentas de diagnóstico para organizações e trabalho: um olhar a partir da psicologia. Porto Alegre, RS: Artmed.

Silva, S. R. M., Paiva, L. E. B., & Lima, T. C. B. (2019). Entre valores e entrincheiramento: uma análise em uma instituição federal de ensino superior. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 17(1), 1-16.

Solinger, O. N., Van Olffen, W., & Roe, R. A. (2008). Beyond the three-component model of organizational commitment. Journal of applied psychology, 93(1), 70-83.

Tomazzoni, G. C., & Costa, V. M. F. (2020). Vínculos organizacionais de comprometimento, entrincheiramento e consentimento: explorando seus antecedentes e consequentes. Cadernos EBAPE.BR, 18(2), 268-283.

Tomazzoni, G. C., Costa, V. M. F., Antonello, C. S., & Rodrigues, M. B. (2020). Os vínculos organizacionais na percepção de gestores: comprometimento, entrincheiramento e consentimento. Revista de Administração Contemporânea, 24(3), 245-258.

Wrzesniewski, A., Mccauley, C., Rozin, P., & Schwartz, B. (1997). Jobs, careers, and callings: people’s relations to their work. Journal of Research in Personality, 31(1), 21-33.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)