Show simple item record

dc.contributor.advisorBacchi, Mirian Rumenos Piedade
dc.contributor.authorCzinar, Manuela de Moraes
dc.date.accessioned2010-09-30T19:45:10Z
dc.date.available2010-09-30T19:45:10Z
dc.date.issued2010-08-04
dc.identifier.citationCZINAR, Manuela de Moraes. A demanda de importações de etanol pela Suécia e pela União Europeia. Dissertação (Mestrado Profissional em Agronegócios) - Escola de Economia de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas - FGV, São Paulo, 2010.
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10438/7682
dc.description.abstractComo consequência da crescente preocupação, especialmente dos países desenvolvidos, em relação à dependência do petróleo e às mudanças climáticas, a participação dos biocombustíveis na matriz energética global está se tornando cada vez mais relevante. No Brasil, o mercado interno foi o determinante para o desenvolvimento da indústria sucroalcooleira nos últimos anos, mas sabe-se que a continuação desta tendência no médio prazo dependerá da demanda internacional pelo etanol brasileiro. De forma a compreender o potencial importador de etanol da União Europeia e, em particular, da Suécia, propôs-se, nesta dissertação, analisar os determinantes de suas importações. O presente trabalho descreveu a evolução do mercado de etanol no bloco, focando-se nos incentivos e políticas adotadas na Suécia, país-membro que está mais avançado na substituição da gasolina pelo etanol. Utilizando-se de dados de 2006 a 2009 e assumindo que as importações de etanol são resultantes de um excesso de demanda doméstica pelo biocombustível, analisaram-se as relações econômicas entre as variáveis. Observou-se que as variáveis associadas à demanda daquele bloco são, de forma geral, mais importantes na explicação do quantum importado do combustível do que as variáveis associadas à oferta regional. O impacto do aumento em 1% do preço da gasolina é de decréscimo de aproximadamente 1,8% nas importações de etanol. Quando o preço deste se eleva 1% na União Europeia, reduz em 1,4% as importações. Já em sentido oposto se movimentam as importações quando ocorre alteração na renda (PIB) e no preço do trigo, o principal insumo. Acréscimo de 1% na renda e no preço do trigo geram, respectivamente, 10,1% e 1,4% de crescimento nas importações de etanol. Assim, as principais oportunidades de exportação de etanol brasileiro para o bloco podem se dar por possíveis frustrações da safra de cereais e pelo crescimento da renda europeia. Já a tendência de ascensão do preço do petróleo pode ter impacto negativo na demanda de etanol, caso não haja compensação através de políticas mais agressivas de uso de biocombustíveis. As importações suecas comportam-se de maneira semelhante às do bloco quando ocorrem choques. Um porcento de elevação no preço da gasolina sueca reduz em 2,71% as importações de etanol e, estas crescem 4,4% quando do acréscimo de 1% do PIB do país. Importante é o impacto nas importações da frota preparada para E85: 1% de elevação nesta frota gera acréscimo de 8% no volume importado. Desta forma, a extinção recente de alguns incentivos para a compra de veículos movidos a E85 pode significar estabilidade da necessidade de importações de etanol relacionada a esta variável, passando então a renda a ter um papel mais importante no crescimento das importações. Já o coeficiente do preço do E85 apresentou-se estatisticamente não diferente de zero, podendo este resultado ser consequência de uma possível diferença do perfil dos proprietários de carros movidos a E85, relativamente ao dos proprietários de carros movidos exclusivamente à gasolina, dando margem a uma política de preços mais remuneradora para os produtores de etanol, sendo estes suecos ou brasileiros, com baixo impacto sobre a demanda.por
dc.description.abstractAs a result of growing concerns, especially in developed countries, with respect to oil dependence and climate change, the share of biofuels in the global energy mix is becoming increasingly relevant. In Brazil, the internal market has been the determinant factor for the sugar industry development in recent years. However the continuation of this trend in the midterm depends on international demand for Brazilian ethanol. In order to understand the potential imports of ethanol by the European Union and in particular Sweden, it was proposed in this dissertation, the analysis of the determinant factors of their imports. This paper described the evolution of the ethanol market in the bloc, focusing on incentives and policies adopted in Sweden, member country which is at the forefront in replacing gasoline with ethanol. Using data from 2006 to 2009 and assuming that imports of ethanol are a result of excess domestic demand for biofuels, we analyzed the economic relations between the variables. It is observed that the variables associated with demand in that region are in general more important in explaining the quantum of imported fuel than the variables related to regional supply. The impact of 1% increase in the price of gasoline is approximately 1.8% decrease in imports of ethanol. When the price rises of 1% in the EU reduces imports by 1.4%. Imports move in the opposite direction when changes occur in income (GDP) and the price of wheat, the main feedstock. 1% increase in income and in the price of wheat generate, respectively, 10.1% and 1.4% growth in imports of ethanol. Thus, the main export opportunities of Brazilian ethanol to the EU can be given for possible frustrations of the cereals harvest and by income growth in the region. A trend of rising oil prices may have negative impact on ethanol demand, if no compensation policies through more aggressive use of biofuels are adopted. Swedish imports behave similarly due to shocks. A one percent rise in gasoline prices reduces by 2.71% Swedish imports of ethanol, and these grow 4.4% when there is an addition of 1% of GDP. The impact on imports of the fleet ready for E85 is important: 1% increase in this fleet generates 8% growth in the quantity imported. Thus, the recent extinction of some incentives to buy vehicles that run on E85 can mean stability of the need for ethanol imports related to this variable, taking the income a greater role in the growth of imports. The coefficient of the price of E85 showed not to be statistically different from zero. This result may be due to a possible difference between the behavior of owners of cars running on E85 and of the owners of cars that run exclusively on gasoline, allowing for a higher pricing policy for producers of ethanol, Swedish or Brazilian, with low impact on demand.eng
dc.language.isopor
dc.subjectEthanoleng
dc.subjectBiofuelseng
dc.subjectImport demandeng
dc.subjectSwedeneng
dc.subjectEuropean Unioneng
dc.subjectEtanolpor
dc.subjectBiocombustíveispor
dc.subjectDemanda de importaçõespor
dc.subjectUnião Europeiapor
dc.subjectSuéciapor
dc.titleA demanda de importações de etanol pela Suécia e pela União Europeiapor
dc.typeDissertationeng
dc.subject.areaEconomiapor
dc.contributor.unidadefgvEscolas::EESPpor
dc.subject.bibliodataÁlcool como combustível - Exportação - Brasilpor
dc.subject.bibliodataDemanda (Teoria econômica)por
dc.subject.bibliodataÁlcool como combustível - Modelos econométricos - União Europeiapor
dc.subject.bibliodataÁlcool como combustível - Exportação - União Europeiapor
dc.contributor.memberMarjotta-Maistro, Marta Cristina
dc.contributor.memberCaixeta Filho, José Vicente


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record