Show simple item record

dc.contributor.advisorSchiozer, Rafael Felipe
dc.contributor.authorHsieh, Paola Rouhlin
dc.date.accessioned2022-01-24T22:16:04Z
dc.date.available2022-01-24T22:16:04Z
dc.date.issued2021-12-20
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/10438/31543
dc.description.abstractCurrency risk is a recurring theme in companies today. Even for those who do not trade foreign currencies directly, there is still a conversion exposure that cannot be ignored in risk management. The present study proposes to develop an exchange rate management policy for a small Brazilian importer. A case study of the company PPbr (pseudonym) was elaborated, who supplied data from recent years to build a FX risk management policy. To do so, I proposed a hedging strategy using NDF with maturation in 30, 60 and 90 days; based on two types of analysis: two-way sensitivity analysis and Monte Carlo simulation, obtaining the optimal hedge range for the company. To verify the solution's efficiency, I prepared a back test, using data from 2021 and compared the results using two methodologies: (1) a t-test for the liabilities quoted in USD; and (2) a Sharpe ratio comparison between the unhedged solution and the proposed solution. The comparison demonstrates no predilection between the solutions. The Sharpe ratio of the unhedged strategy is extremely close to the hedged one, showing that the risk - return of the hedged strategy may not compensate to adopt hedged position; whereas the return of the t-test demonstrates there is no statistical significance difference between the strategies.eng
dc.description.abstractO risco cambial é um tema recorrente nas empresas de hoje. Mesmo aqueles que não negociam diretamente com moedas estrangeiras, ainda há uma exposição de conversão que não pode ser ignorada na gestão de risco. O presente estudo se propõe a desenvolver uma política de gestão da taxa de câmbio para um pequeno importador brasileiro. Para tanto, foi elaborado um estudo de casa da empresa PPbr (pseudônimo), que forneceu dados dos últimos anos para a elaboração de uma política de gestão de risco cambial. Para tanto, eu propus uma estratégia de hedge com o uso de NDF com vencimentos em 30, 60 e 90 dias, embasada por duas análises: análise de sensibilidade bidirecional e simulação de Monte Carlo; obtendo um intervalo ótimo para a empresa realizar o hedge cambial. Para averiguar a eficiência da solução, eu elaborei um backtest, com os dados de 2021 e comparei os resultados utilizando duas metodologias: (1) t-test referente às obrigações da empresa, cotadas em moeda estrangeira; e (2) comparação do índice Sharpe entre a solução de sem hedge e a minha solução proposta, com proteção. O índice de Sharpe da estratégia sem hedge cambial é extremamente próximo àquela com hedge, mostrando que o retorno do risco da estratégia com hedge pode não compensar. O resultado do t-test demonstra que não há diferença com significância estatística para confirmar se a estratégia com hedge cambial traz um retorno maior que a estratégia sem hedge cambial.por
dc.language.isoeng
dc.subjectFX hedge strategyeng
dc.subjectSmall Brazilian importereng
dc.subjectForeign exchange risk meanagement policyeng
dc.subjectEstratégia de hedge cambialpor
dc.subjectPequeno importador brasileiropor
dc.subjectPolítica de gestão de risco cambialpor
dc.titleManaging foreign exchange risk of a small Brazilian importereng
dc.typeDissertationeng
dc.subject.areaAdministração de empresaspor
dc.contributor.unidadefgvEscolas::EAESPpor
dc.subject.bibliodataCâmbiopor
dc.subject.bibliodataAdministração de riscopor
dc.subject.bibliodataHedging (Finanças)por
dc.subject.bibliodataPequenas e médias empresaspor
dc.rights.accessRightsopenAccesseng
dc.contributor.memberGonçalves, Adalto Barbaceia
dc.contributor.memberSheng, Hsia Hua


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record