Show simple item record

dc.contributor.advisorBrito, Eliane Pereira Zamith
dc.contributor.authorAlves, Ana Carolina Neves
dc.date.accessioned2021-08-23T23:26:00Z
dc.date.available2021-08-23T23:26:00Z
dc.date.issued2021-07-27
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/10438/30996
dc.description.abstractA busca por beleza acompanha a humanidade há milênios: desde o Egito antigo, encontramos evidências de práticas de gerenciamento de aparência associadas ao uso de cosméticos. Atualmente, a busca pelos ideais de beleza ocupa um papel relevante na vida de homens e mulheres e aqueles que obtém sucesso nessa busca são premiados psicológica e socialmente. É natural supor, então, que os esforços pela adequação de aparência aos padrões de beleza passem pelo uso de cosméticos. Outros estudos apontam que o consumo de cosméticos é influenciado pela imagem corporal dos indivíduos, que por sua vez é afetada por comportamentos de comparação social. Ou seja, se a percepção que os indivíduos possuem sobre a própria aparência (denominada Imagem Corporal) é influenciada por hábitos de comparação de aparência, podese esperar que em uma era em que indivíduos utilizam frequentemente redes sociais para compartilhar fotos editadas para parecerem seu melhor, tais hábitos de comparação sejam intensificados, impactando negativamente na Imagem Corporal. Sendo assim, entende-se que exista uma relação entre uso de redes sociais, Imagem Corporal e o uso de cosméticos. Nessa relação, outros estudos já mapearam a influência sobre a quantidade de cosméticos consumidos, mas não sobre a disposição a pagar por cosméticos. Mais ainda, pouco explorado sobre o papel dos atributos de produtos nessa relação, ou seja, se a disposição a pagar por cosméticos é influenciado tanto pela imagem corporal e atributos relevantes de produtos e se a imagem corporal é impactada pelo do uso de redes socais. Esse estudo buscou, portanto, entender os direcionadores da disposição a pagar por cosméticos, levando em consideração atributos de produtos, a satisfação com a Imagem Corporal e o uso de redes sociais. Como atributos de produtos foram levantados os temas mais relevantes em pesquisa com consumidores, chegando a atributos verdes e de tecnologia e restringindo a análise aos produtos para cuidados com a pele do rosto. Sendo assim, o estudo contribui para a discussão dos direcionadores de compra de cosméticos, analisando como se relacionam a intensidade de uso de redes sociais, a Imagem Facial (Imagem Corporal específica do rosto), a percepção dos consumidores de atributos verdes e de tecnologia nos produtos que consomem e a disposição a pagar. Foi realizada uma pesquisa tipo survey com 225 respondentes, gerando uma base de dados a partir da qual foi possível analisar as relações proposta. Os principais resultados foram: (1) o uso de redes sociais focado nas interações com fotos atua sobre a relevância que os indivíduos dão a aparência do rosto, mas não sobre a satisfação com sua Imagem Facial; (2) A relevância que os indivíduos atribuem a aparência do rosto influencia o padrão de consumo de cosméticos, em termos de otmaquantidade e frequência de uso; (3) Por sua vez, o padrão de consumo de cosméticos media as relações da intensidade de interações com fotos em redes sociais e da relevância da aparência do rosto com os preços pagos pelos cosméticos para o rosto e com a disposição a pagar; (4) os atributos de tecnologia, em especial o atributo de inovação, tem influência relevante sobre a disposição a pagar por cosméticos para o rosto; (5) os atributos verdes ainda são pouco conhecidos para os produtos consumidos pelos respondentes e, portanto, não se mostraram influenciar a disposição a pagar.por
dc.description.abstractThe pursuit of beauty is part of human habits for ages: as early as in the Egyptian era, we find evidence of appearance management practices. Today, the pursuit of beauty ideals plays a relevant role in the life of men and women and, those who succeed in such pursuit are rewarded psychologically and socially. It is natural to imagine that the efforts to fit social beauty standards contemplate the use of cosmetics. Other researches have already mapped the influence over the consumption of cosmetics resulting from body image satisfaction, which, in turn, is affected by the social comparison mechanism. That means that, if the perception the one has about his own appearance (Body Image) is influenced by habits of appearance comparison, then, in an era when individuals use Social Network Sites (SNS) to post edited or enhanced pictures of themselves with the goal to look their best, such comparison habits are triggered and intensified, impacting negatively on the Body Image. In summary, there’s an underlying relationship between SNS use, Body Image and the use of cosmetics. There can be found studies that identified the impact on the number of cosmetics used, but not on the willingness to pay for cosmetics. Furthermore, the role of product attributes on this relationship has also been scarcely explored. That is: is the willingness to pay for cosmetics a result of the influences of Body Image and the most relevant product attributes? And would Body Image, in turn, be influenced by the use of SNS? This study aimed to understand the drivers of the willingness to pay for cosmetics, taking into consideration product attributes, Body Image satisfaction and the use of SNS. To determine product attributes, we used the most relevant attributes mapped in cosmetics consumer research, which are summarized as green and tech attributes. We also restricted the analysis to the facial care segment, as this is the most important market for tech product in the cosmetics industry. As a result, this study contributes to the discussion of the purchase drivers in the cosmetics industry, analyzing how the SNS use, Facial Image (Body Image specific of the face area), consumers’ perception of tech and green attributes and willingness to pay for face care cosmetics are related. We conducted a survey assessment with 225 consumers, resulting on a database used for determining statistical relationships. The main results were: (1) SNS use pattern with high image interaction influences the appearance relevance that individual attribute to their faces; (2) Facial appearance relevance influences facial care consumption patterns, in terms of quantity and frequency of use; (3) In turn, the facial care consumption patterns mediate the influences from image interaction on SNS and facial appearance relevance over the prices paid for facial care cosmetics and willingness to pay; (4) consumer’s perception on tech attributes, specially innovation, influence willingness to pay for facial care; (5) green attributes are not frequently present in the products used by the participants and, therefore, there lacks evidence of any influence of this attribute over willingness to pay for facial care.eng
dc.language.isopor
dc.subjectBody imageeng
dc.subjectCosmeticseng
dc.subjectBeautyeng
dc.subjectSocial network siteseng
dc.subjectTechnologyeng
dc.subjectGreen consumereng
dc.subjectWillingness to payeng
dc.subjectImagem corporalpor
dc.subjectCosméticospor
dc.subjectBelezapor
dc.subjectRedes sociaispor
dc.subjectTecnologiapor
dc.subjectConsumo verdepor
dc.subjectDisposição a pagarpor
dc.titleDisposição a pagar por cosméticos com atributos de tecnologia e sustentabilidadepor
dc.typeDissertationeng
dc.subject.areaAdministração de empresaspor
dc.contributor.unidadefgvEscolas::EAESPpor
dc.subject.bibliodataImagem corporalpor
dc.subject.bibliodataCosméticospor
dc.subject.bibliodataRedes sociais on-linepor
dc.subject.bibliodataSustentabilidadepor
dc.subject.bibliodataComportamento do consumidorpor
dc.rights.accessRightsopenAccesseng
dc.contributor.memberCassotti, Leticia
dc.contributor.memberCarvalho, Lilian Pereira
dc.contributor.memberBernardes, Vanessa


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record