Show simple item record

dc.contributor.advisorAndreassi, Tales
dc.contributor.authorAndrade, Roberto Carneiro Lacerda Borges de
dc.date.accessioned2017-03-28T18:45:26Z
dc.date.available2017-03-28T18:45:26Z
dc.date.issued2017-02-24
dc.identifier.citationANDRADE, Roberto Carneiro Lacerda Borges de. Vivências empreendedoras: antes, durante e depois de ter um negócio. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) - FGV - Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2017.
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10438/18104
dc.description.abstractEntrepreneurship has grown in number and relevance, as an activity of the Brazilian economic population (PEA). The percentage of PEA´s which is involved with an entrepreneur activity grew from 20,9% in 2002, to 39,3% in 2015. This growth occurred also in the subjective dimension of Brazilian people. “To have its own business” is the third biggest dream of adult population. This rate of entrepreneurship is accompanied by high rates of business bankruptcy. The bankruptcy, however, is not an obstacle to companies continue to be opened. This work is an exploratory qualitative study, in which the qualitative basic study was the methodology. Semi structured interviews were conducted with nine man and eight women, with a diversified profile. The high rates of business opening and failure, reveals the importance of the current research, which has the objective to investigate how the entrepreneurs experience the opening, conducting and ending a business. It was found that the decision to open a business was decisively influenced by the will to have a business, more than a market opportunity. The entrepreneurs work through long journeys and with a constant tension, which they called, “we were tuned twenty-four hours a day in the business”. Personnel and family relations were impaired by this tension and dedication. Even though many business didn´t had any profit, and with all this suffering, many entrepreneurs held with their companies by several years. The reason that kept them operating was the high morale and the belief in a better future, which initially came from social recognition by their work, companies or products. In the same way, the decision to step out of the company was originated by disbelief in the future, due the repetition of problems, financial ones or not. The dream that gave support to the enterprise was an expansionist fantasy and a self-omnipotence, which gave pleasure by itself. The initial unfamiliarity with the sector of the business and the planning negligence pre-opening was related to this psychologic gratification provided by the fantasies. The biggest suffering of the entrepreneurs was due the financial problems, but, their overall valuation of the experience was a positive one. After they left business, it was frequent their return to a position of business owners or academic activities and consulting, so they kept the flexible hours and a relative independence. Just a few entrepreneurs went back to traditional corporative careers.eng
dc.description.abstractO empreendedorismo tem crescido em quantidade e importância, como uma atividade da população economicamente ativa (PEA) brasileira. O percentual da PEA envolvido em alguma atividade empreendedora cresceu de 20,9% em 2002 para 39,3% em 2015. Esse crescimento ocorre também na dimensão subjetiva dos brasileiros. Ter seu próprio negócio” é apontado como o terceiro maior sonho da população adulta. Essa taxa de empreendedorismo é acompanhada por altas taxas de falência empresarial. A falência, no entanto, não impede as empresas de continuarem sendo abertas. O presente trabalho é um estudo qualitativo exploratório, no qual foi utilizada como metodologia o estudo qualitativo básico. Foram feitas entrevistas semi-estruturadas com nove homens e oito mulheres, de perfil diversificado. As altas taxas de abertura e falência de empresas, mostram a importância da atual pesquisa cujo objetivo é investigar como os empreendedores vivenciam a experiência de abrir, manter e sair ou fechar uma empresa. Foi encontrado que a decisão de abrir um negócio foi influenciada de forma mais decisiva pela vontade de empreender em comparação à uma oportunidade mercadológica clara. Os empreendedores experimentaram uma extensa jornada de trabalho e uma tensão permanente, de modo que, nas palavras deles, ficavam “ligados vinte e quatro horas” no negócio. As relações pessoais e familiares ficaram prejudicadas por essa dedicação e tensão vividas. Mesmo sem dar lucro e com tantos sofrimentos, muitos empreendedores se mantiveram empreendendo por anos. A razão que os mantinha empreendendo era o ânimo e a crença no futuro, que provinha inicialmente do reconhecimento recebido pelo trabalho, pela empresa, pelo produto. De maneira análoga, a decisão de fechar a empresa, se deu pela descrença no futuro do negócio, devido à repetição dos problemas vividos, financeiros ou não. Nota-se que o sonho que sustentou o empreendimento é uma fantasia expansionista e de onipotência individual, algo que por si só gera prazer. O desconhecimento inicial do setor e a negligencia do planejamento antes da abertura se mostraram ligadas à essa recompensa psicológica da fantasia. Não é só de sonho que vive o empreendedor. O maior sofrimento vivido pelos empreendedores foi devido à falta de retorno financeiro. No mais, a avaliação geral de ter tido um negócio foi positiva e após saírem de seus negócios foi frequente a volta para o empreendedorismo ou para atividades na academia e de consultoria, mantendo a flexibilidade de horário e uma relativa independência, de modo que poucos voltaram a ter uma carreira corporativa novamente.por
dc.language.isopor
dc.subjectEntrepreunershipeng
dc.subjectEntrepreunership experienceseng
dc.subjectEntrepreunership motivationseng
dc.subjectBusiness bankruptcyeng
dc.subjectEntrepreunership careereng
dc.subjectEmpreendedorismopor
dc.subjectVivências empreendedoraspor
dc.subjectMotivações empreendedoraspor
dc.subjectMortalidade de empresaspor
dc.subjectCarreira empreendedorapor
dc.titleVivências empreendedoras: antes, durante e depois de ter um negóciopor
dc.typeDissertationeng
dc.subject.areaAdministração de empresaspor
dc.contributor.unidadefgvEscolas::EAESPpor
dc.subject.bibliodataEmpreendedorismopor
dc.subject.bibliodataPlanejamento empresarialpor
dc.subject.bibliodataEmpresas novaspor
dc.subject.bibliodataAdministração de empresaspor
dc.subject.bibliodataSucesso nos negóciospor
dc.contributor.memberBertero, Carlos Osmar
dc.contributor.memberSarfati, Gilberto


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record