Acumulação de capacidades tecnológicas e fortalecimento da competitividade industrial no Brasil: breve análise empírica da indústria sucroenergética

Authors

  • Paulo N. Figueiredo
  • Maurício Canêdo Pinheiro
  • Rubia Cristina Wegner
  • Felipe Queiroz Silva
  • Bernardo Pereira Cabral
  • Fernanda Steiner Perin

DOI:

https://doi.org/10.12660/tlii-wps.65108

Abstract

Os resultados da análise empírica da indústria sucroenergética brasileira são apresentados neste documento do projeto de pesquisa intitulado “Acumulação de Capacidades Tecnológicas e Fortalecimento da Competitividade Industrial no Brasil: Análise Empírica e Recomendações Práticas para Políticas Públicas e Estratégias Empresariais”. Neste estudo, o objetivo foi analisar como a acumulação de capacidades tecnológicas em nível de empresas produtoras da indústria sucroenergética contribuiu para o fortalecimento da competitividade industrial do Brasil, no período de 2003 a 2014.
A pesquisa contou com evidências primárias obtidas por meio de entrevistas e aplicação de questionários a diretores e gestores de empresas produtoras e da realização de um workshop com vários agentes da indústria (empresários, fornecedores, consultores, pesquisadores de institutos de pesquisa e universidades e representantes de órgãos governamentais). Os questionários enviados classificam-se em três conjuntos de informações/dados que buscaram captar das empresas produtoras, quais sejam: (i) atividades tecnológicas executadas pelas empresas nas áreas de feedstock, processos agrícolas e processos industriais, de modo a mensurar sua acumulação de capacidades tecnológicas na escala de níveis de capacidade inovadora utilizada; (ii) caracterização e desempenho competitivo das empresas, para a mensuração de variáveis de desempenho competitivo, que foi avaliado em termos de produtividade do trabalho e proporção das receitas obtidas com exportação; (iii) questionários de mecanismos de aprendizagem intra e interorganizacionais (internos e externos, respectivamente), os quais buscaram mensurar os tipos de mecanismo utilizados pelas empresas, tipos de parceria e tipos distintos de resultado que pudessem influenciar a acumulação de níveis de capacidade tecnológica. Os procedimentos da pesquisa pautaram-se em uma análise qualitativa e outra estatística, por meio da utilização de inferências estatísticas na busca por correlações e possíveis causalidades entre as variáveis das três etapas de análise.
A amostra desta pesquisa contou 15 empresas da indústria sucroenergética, que representam – considerando o ranking da Única com 67 empresas para 2014 – 42% da capacidade de moagem dessa indústria. Quanto aos volumes de produção, essas 15 empresas respondem por 41% da produção de etanol (anidro e hidratado), 36% da produção de açúcar por dia e 47% da cogeração de energia elétrica. Esta pesquisa justifica-se pela posição de destaque do setor na indústria brasileira: o açúcar está entre os dez produtos mais exportados pelo Brasil, tendo representado cerca de 4,5% das exportações brasileiras em 2014; a indústria gera mais de 1,2 milhão de empregos diretos, com criação de renda na casa dos R$ 48 bilhões; e, em 2014, gerou R$ 107,87 bilhões para a economia nacional.
Os principais resultados apontam para a variabilidade das empresas produtoras da indústria sucroenergética na acumulação de capacidades tecnológicas. Essa variabilidade foi também observada entre as áreas tecnológicas; por exemplo, na área de processos industriais, todas as empresas produtoras passaram para capacidade inovadora, o que não ocorreu nas áreas de feedstock e processosagrícolas. Os mecanismos interorganizacionais de aprendizagem foram as fontes que melhor explicaram essa variabilidade, isto é, quanto mais capacidades tecnológicas as empresas acumularam, maior foi sua frequência de uso desses mecanismos, bem como a frequência de resultados de maior complexidade tecnológica gerados. Os resultados mostram, ainda, que acumular mais capacidades tecnológicas em processos agrícolas representa maior produtividade no trabalho para as empresas produtoras, assim como maiores proporções de receitas obtidas com exportações.
O texto de discussão ora apresentado também objetiva, a partir de suas contribuições metodológicas, servir de base para outras instituições procederem ao exame dos diferentes impactos da acumulação de capacidades tecnológicas na competitividade entre os setores industriais da economia. Diferentes tipos de organização podem aplicar as contribuições metodológicas aqui apresentadas e discutidas para o aprimoramento do processo de gestão da inovação orientado à competitividade.

Published

05-11-2016

Issue

Section

Articles