Desafios e responsabilidades das humanidades digitais: preservar a memória, valorizar o patrimônio, promover e disseminar o conhecimento. O programa Memória para Todos

Autores

Palavras-chave:

Humanidades digitais, Memória e patrimônio digital, Ciência aberta, Ciência cidadã, Comunidades e herança cultural, Investigação colaborativa.

Resumo

Para que servem e por que existem as humanidades digitais? Não existem “digitais” associadas a outras áreas científicas. O que singulariza as humanidades digitais? Admitindo sua afirmação, salientam-se neste artigo seis eixos fundamentais por meio dos quais sua contribuição é mais evidente e relevante para a atividade científica e a sociedade em geral. O programa Memória para Todos, desenvolvido a partir do campo das humanidades, mas intrinsecamente multidisciplinar, utilizador intensivo de ferramentas digitais, convoca os eixos referidos, ilustrando as humanidades digitais para além da aplicação do digital na investigação na área científica das humanidades.

Biografia Autor

Maria Fernanda Rollo, Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, Portugal

Referências

ALVES, D. As humanidades digitais como uma comunidade de práticas dentro do formalismo académico: dos exemplos internacionais ao caso português. Ler História, n. 69, p. 91-103, 2016a.

______. Humanidades digitais e investigação histórica em Portugal: perspectiva e discurso (1979-1915). Práticas da História, v. 1, n. 2, p. 89-116, 2016b.

OSINSKI, Z. Information infrastructure of contemporary humanities and the digital humanities development as a cause of creating new information barriers: a Polish case. Digital Scholarship in the Humanities, v. 34, n. 2, p. 386-400, jun. 2019.

ROLLO, M. F. Conhecimento para o desenvolvimento: ciência em português para um mundo global. In: CONFLUÊNCIAS DE CULTURAS NO MUNDO LUSÓFONO. XXVII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO DAS UNIVERSIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA, 2017, Campinas. Anais… Campinas, 2017. p. 27-34.

______. Partilhar conhecimento: do acesso aberto à ciência aberta. Para a prosperidade e o desenvolvimento. In: CARVALHO, M. (Org.). Acesso aberto: da visão à ação. Contextos, cenários e práticas. Lisboa. Universidade Aberta. 2018. p. 1-8.

______. Open Science - Sharing Knowledge, Building Democracy, Science Fórum, december 2016.

SILVA, F.; CASTAÑO, I.; QUEIROZ, I.; SEIXAS, L.; ROLLO, M. F. Memory from the Avenues: a collaborative strategy towards local history and heritage. Memoria Media Review, n. 3, art. 8, 2018.

VINES, T. H. et al. The availability of research data declines rapidly with article age. Current Biology, n. 24, p. 94-97, 6 jan. 2014.

Publicado

01-01-2020

Edição

Seção

Colaboração Especial