Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

História digital: reflexões a partir da Hemeroteca Digital Brasileira e do uso de CAQDAS na reelaboração da pesquisa histórica.

Eric Brasil, Leonardo Fernandes Nascimento

Resumo


O presente artigo pretende discutir o papel do uso de ferramentas digitais na pesquisa e na escrita da história, refletindo sobre as transformações e os desafios no modo de produção do conhecimento na prática de investigação da ciência histórica, abordando dois aspectos fundamentais: a) o progressivo uso de fontes de pesquisa provenientes de acervos ou repositórios digitais, por meio da análise da Hemeroteca Digital Brasileira (HDB) da Biblioteca Nacional (BN); e b) a maneira como os aplicativos de análises de dados qualitativos — CAQDAS, acrônimo do inglês computer assisted qualitative data analysis software — podem servir para minimizar os problemas e as limitações gerados pelo uso inadvertido e com pouco rigor metodológico das ferramentas digitais. Aqui, utilizaremos o programa Atlas.ti como exemplo. Concluímos que a busca e a análise digital transformam não apenas a pesquisa histórica, mas possibilitam novas perguntas, problemas e respostas, impactando tanto a teoria quanto o método da disciplina.

Palavras-chave


História digital; Hemeroteca Digital Brasileira; Atlas.ti.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, F. C. de. O historiador e as fontes digitais: uma visão acerca da internet como fonte primária para pesquisas históricas. Aedos, v. 3, n. 8, 2011.

ALVES, P. C. B.; NASCIMENTO, L. F. Novas fronteiras metodológicas nas ciências sociais. Salvador: EDUFBA, 2018.

AYERS, E. L. The pasts and futures of digital history. History News, v. 56, n. 4, p. 5-9, 2001.

BACA, M. Introduction to metadata. Los Angeles: Getty Publications, 2008.

BELLO, R. S.; VASCONCELOS, J. A. O videogame como mídia de representação histórica. Revista Observatório, v. 3, n. 5, p. 216, 2017.

BERRY, D. M. Understanding digital humanities. Reino Unido: Palgrave Macmillan, 2012.

BOLICK, C. M. Digital archives: democratizing the doing of history. International Journal of Social Education, v. 21, n. 1, p. 122-134, 2006.

BRASIL, E. Carnavais atlânticos: cidadania e cultura negra no pós-Abolição do Rio de Janeiro, Brasil e Porto de Espanha, Trinidad (1838-1920). 2016. Tese (Doutorado), Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

______. Moysés Zacharias: carnaval, cidadania e mobilizações negras no Rio de Janeiro (1900-1920). In: ABREU, M.; XAVIER, G.; MONTEIRO, L.; BRASIL, B. (Org.). Cultura negra: trajetórias e lutas de intelectuais negros. Niterói: Eduff, 2018.

CÂMARA, S.; BENÍCIO, M. História digital: entre as promessas e armadilhas da sociedade informacional. Revista Observatório, v. 3, n. 5, p. 38-56, 2017.

CAVALCANTI, M. T. Os websites dos centros de documentação e a pesquisa histórica: uso de fontes digitais. Revista Observatório, v. 3, n. 5, p. 169, 2017.

CHARTIER, R. Os desafios da escrita. São Paulo: Unesp, 2002.

CHAUDHURI, B. B. (Ed.). Digital document processing: major directions and recent advances. 1. ed. Londres: Springer-Verlag London, 2007.

COHEN, D. J. et al. Interchange: the promise of digital history. The Journal of American History, v. 95, n. 2, p. 452-491, 2008.

FICKERS, A. Towards a new digital historicism? Doing history in the age of abundance. Journal of European History and Culture, v. 1, n. 1, 2012.

FISH, A. et al. Birds of the internet. Journal of Cultural Economy, v. 4, n. 2, p. 157-187, 2011.

FRIESE, S. Qualitative data analysis with ATLAS.ti. 2. ed. Los Angeles: Sage, 2014.

GIBBS, F.; OWENS, T. The hermeneutics of data and historical writing. In: Writing history in the digital age. Ann Arbor, MI: University of Michigan Press, 2013. p. 159-170.

GIL, T. L.; BRESCIANO, J. A. (Ed.). La historiografía ante el giro digital: reflexiones teóricas y prácticas metodológicas. Montevidéu: Ediciones Cruz del Sur, 2015.

GOLD, M. K. Debates in the digital humanities. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2012.

HENRIQUES, R. M. N. Narrativas, patrimônio digital e preservação da memória no Facebook. Revista Observatório, v. 3, n. 5, p. 123, 2017.

HITCHCOCK, T. Confronting the digital: or how academic history writing lost the plot. Cultural and Social History, v. 10, n. 1, p. 9-23, 2013.

KONOPÁSEK, Z. Making thinking visible with ATLAS.ti: computer assisted qualitative analysis as textual practices. Historical Social Research/Historische Sozialforschung, Suplemento, n. 19, p. 276-298, 2007.

LAGE, M. Os softwares tipo CAQDAS e a sua contribuição para a pesquisa qualitativa em educação. ETD: Educação Temática Digital, v. 12, n. 2, p. 42-58, 2011.

LUCCHESI, A. Digital history e storiografia digitale: estudo comparado sobre a escrita da história no tempo presente (2001-2011). 2014. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

MAYER-SCHÖNBERGER, V.; CUKIER, K. Big data: a revolution that will transform how we live, work, and think. Londres: John Murray Publishers, 2013.

NASCIMENTO, L. F. A sociologia digital: um desafio para o século XXI. Sociologias, v. 18, n. 41, p. 216-241, 2016.

PUTNAM, L. The transnational and the text-searchable: digitized sources and the shadows they cast. The American Historical Review, v. 121, n. 2, p. 377-402, 2016.

RIOUFREYT, T. Réanalyser des enquêtes qualitatives à l’aide de CAQDAS. Bulletin of Sociological Methodology/Bulletin de Méthodologie Sociologique, v. 143, n. 1, p. 77-106, 2019.

SALDANA, J. The coding manual for qualitative researchers. Los Angeles: Sage, 2015.

SCHREIBMAN, S.; SIEMENS, R.; UNSWORTH, J. A companion to digital humanities. Nova York: John Wiley & Sons, 2008.

SILVA, C. E. da. O uso do cinema no ensino de história em consonância com as novas demandas da história pública digital. Revista Observatório, v. 3, n. 5, p. 147, 2017.

SOARES, F. da S. Clio entre a digital history e a storiografia digitale: a oficina historiográfica de Anita Lucchesi e suas contribuições à história digital no Brasil. Revista Observatório, v. 3, n. 5, p. 669-715, 2017.

______ et al. História digital: perspectivas, experiências e tendências. Revista Observatório, v. 3, n. 5, p. 25, 2017.

VILLA, C. E. V. Georreferência de mapas históricos: os casos de Cartagena de Indias colonial e do Rio de Janeiro imperial. Locus: Revista de História, v. 21, n. 2, 2015.

VINCK, D. Humanités numériques: la culture face aux nouvelles technologies. Paris: Le Cavalier Bleu, 2016.

WORCMAN, K.; HENRIQUES, R. M. N. Curadoria colaborativa: uma experiência digital do Museu da Pessoa. Revista Observatório, v. 3, n. 5, p. 57, 2017.

WYNN, J. R. Digital sociology: emergent technologies in the field and the classroom. Sociological Forum, v. 24, n. 2, p. 448-456, 2009.




Direitos autorais 2020 Revista Estudos Históricos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br