Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Ser imortal diante do fim do mundo: corpo, ciberutopia e transcendência

Alana Soares Albuquerque

Resumo


Este trabalho tem como objetivo analisar os atuais discursos em torno do problema da imortalidade tecnológica presentes em algumas ficções científicas recentes. Essas ficções serão tomadas como ponto de partida para uma discussão sobre as implicações filosóficas decorrentes da possibilidade do mind uploading, principalmente no que se refere a uma ideia de transcendência e abandono do corpo. Por fim, questiona-se qual o lugar dos sonhos utópicos de imortalidade em meio à crise de futuro que vivemos atualmente, relacionada principalmente com a discussão em torno das mudanças climáticas e da insustentabilidade dos atuais modos de vida capitalistas.


Palavras-chave


Imortalidade tecnológica; Ficção científica; Corpo; Utopia; Futuro.

Texto completo:

PDF

Referências


BASSETS, M. Bruno Latour: “O sentimento de perder o mundo, agora, é coletivo”. El País, 2019, [s.p.]. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2019.

BERARDI, F. After the future. Oakland: AK Press, 2011.

BESNIER, J.-M. O pós-humano: rumo à imortalidade?. In: NOVAES, A. (Org.). O novo espírito utópico. São Paulo: Edições Sesc, 2016. p. 323-329. (Coleção Mutações).

BLANCHOT, M. A conversa infinita: a palavra plural. São Paulo: Escuta, 2001. v. 1.

BUCK-MORSS, S. Mundo de sonho e catástrofe: o desaparecimento da utopia de massas na União Soviética e nos Estados Unidos. Florianópolis: UFSC, 2018.

DANOWSKI, D.; VIVEIROS DE CASTRO, E. Há mundo por vir?: ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Cultura e Barbárie, 2014.

FELINTO, E. Tecnognose: tecnologias do virtual, identidade e imaginação espiritual. Revista Famecos, Porto Alegre, n. 18, 2002.

FOUCAULT, M. O corpo utópico, as heterotopias. São Paulo: N-1 Edições, 2013.

GROS, F. A utopia contemporânea dos corpos. In: NOVAES, A. (Org.). O novo espírito utópico. São Paulo: Edições Sesc, 2016. p. 263-278. (Coleção Mutações).

GROSZ, E.; YUSOFF, K.; CLARK, N. An interview with Elizabeth Grosz: geopower, inhumanism and the bipolitical. Theory, Culture & Society, Londres, v. 34, n. 2-3, 2017.

HAN, B.-C. No enxame: perspectivas do digital. Petrópolis: Vozes, 2018.

KELLOG, N. R. Cybernetic immortality and its discontents. Theology and Science, Berkeley, v. 13, n. 2, 2015.

KURZWEIL, R. The singularity is near: when humans transcend biology. Londres: Penguin, 2006.

LATOUR, B. Facing Gaia: eight lectures on the new climatic regime. Cambridge: Polity, 2017.

LE BRETON, D. Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. Campinas: Papirus, 2009.

MORAVEC, H. Mind children: the future of robot and human intelligence. Cambridge: Harvard University Press, 1988.

PELBART, P. P. A vertigem por um fio: políticas da subjetividade contemporânea. São Paulo: Iluminuras, 2000.

PLATÃO. Fédon. In: ______. Diálogos. São Paulo: Abril Cultural, 1979. p. 57-126. (Coleção Os pensadores).

ROLNIK, S. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

SIBILIA, P. O homem pós-orgânico: corpo, subjetividade e tecnologias digitais. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

SPINOZA, B. de. Ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

STENGERS, I. No tempo das catástrofes: resistir à barbárie que se aproxima. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

SWAN, L. S.; HOWARD, J. Digital immortality: self or 0010110?. International Journal of Machine Consciousness, Palermo, v. 4, n. 1, 2012.




Direitos autorais 2020 Revista Estudos Históricos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br