Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Vida e morte do Maracanã: a batalha do estádio em dois atos

Erick Silva Omena de Melo, Gabriel da Silva Vidal Cid

Resumo


O artigo resgata os principais embates acerca das ressignificações do estádio do Maracanã, cujos resultados influenciaram decisivamente as decisões sobre o destino desse importante ícone esportivo. Destacam-se dois momentos históricos fundamentais: o planejamento (1946-1950) e o período de reformas (1999-2013), em contraponto com o processo de tombamento. Com base em acervo de jornais que reportam o processo desenrolado no primeiro momento e em arquivos institucionais do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) que registram a memória sobre o segundo, os autores identificam o caráter popular, público e monumental do Maracanã como elemento central de sua identidade em risco.


Palavras-chave


Maracanã; Futebol, Patrimônio histórico; Cultura popular; Copa do Mundo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGGIO, Alberto; BARBOSA, Aguinaldo; COELHO, Hercídia. Política e sociedade no Brasil (1930-1964). São Paulo: Annablume, 2002

ALVES, José Eustáquio D.; BRUNO, Miguel. População e Crescimento Econômico de Longo Prazo no Brasil: como aproveitar a janela de oportunidade demográfica? XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Caxambu, MG, Brasil, 2002.

ARANTES, Otília; MARICATO, Ermínia; VAINER, Carlos. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000.

BASTOS, Pedro Paulo Zaluth. A construção do nacional-desenvolvimentismo de Getúlio Vargas e a dinâmica de interação entre Estado e mercado nos setores de base. Revista Economia, v. 7, n. 4 (selecta), dez. 2006.

CALABRE, Lia. Políticas culturais no Brasil: dos anos 1930 ao século XXI. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

COMAS, Carlos Eduardo. Niemeyer e o estádio do Maracanã. Arqtexto (Porto Alegre), v. 17, 2011.

DAMO, Arlei Sander; OLIVEN, Rubem George. O Brasil no horizonte dos megaeventos esportivos de 2014 e 2016: sua cara, seus sócios e seus negócios. Horizontes Antropológicos (Porto Alegre), v. 40, 2013.

FONSECA, Maria Cecília Londres. Da modernização à participação: a política federal de preservação nos anos 70 e 80. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Brasília), n. 24, 1996.

FRANZINI, Fabio. Da expectativa fremente à decepção amarga. Revista de História (São Paulo), n. 163, 2003.

GAFFNEY, Christopher Thommas. Temples of the earthbound gods: stadiums in the cultural landscapes of Rio de Janeiro and Buenos Aires. Austin: University of Texas Press, 2008.

HARVEY, David. Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Espaço & Debates (São Paulo), n. 39, 1996.

LAVIOLA, Antonio. Ante-projeto para a cidade olímpica (a ser construída na restinga de Jacarepaguá). Revista Municipal de engenharia, v. 5, n. 6, 1938.

MASCARENHAS, Gilmar. A goleada do capital sobre a memória coletiva: o “bota-abaixo” no patrimônio esportivo. In: DOMINGUES, João; TELLES, Mário Ferreira de Pragmácio (org.). Memória, patrimônio cultural e a questão urbana no Rio de Janeiro: contradições, conflitos e desafios. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2019.

MELO, Erick Silva Omena de. Percepções urbanas em jogo: os impactos da Copa do Mundo de 1950 à luz da imprensa carioca. Rio de Janeiro: Pnap/FBN, 2011.

MOURA, Gisella de Araujo. O Rio corre para o Maracanã. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

PERREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. Footballmania: uma história social do futebol no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

RABELLO, Sonia. O Estado na preservação dos bens culturais: o tombamento. Rio de Janeiro: Iphan, 2009.

RIO DE JANEIRO. Plano estratégico da Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Rio sempre Rio, 1996.

RODRIGUES FILHO, Mario. O negro no futebol brasileiro. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

SÁNCHEZ, Fernanda. Cidade espetáculo: política, planejamento e city marketing. Curitiba: Palavra, 1997.

SANTOS JUNIOR, Orlando Alves dos; GAFFNEY, Christopher; RIBEIRO, Luiz Cesar de Queiroz (org.). Brasil: os impactos da Copa do Mundo 2014 e das Olimpíadas 2016. Rio de Janeiro: E-papers, 2015.

SCHWARCS, Lilia Moritiz. O espetáculo das raças: instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SEVCENKO, Nicolau. A capital irradiante: técnica, ritmos e ritos do Rio. In. NOVAIS, Fernando A.; SEVCENKO, Nicolau (org.). História da vida privada no Brasil: volume 3. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SOARES, A. J. G. Futebol brasileiro e sociedade: a interpretação culturalista de Gilberto Freyre. In: ALABARCES, Pablo (org.). Futbologías: fútbol, identidade y violencia en América Latina. Buenos Aires: CLACSO , 2003, p. 145-162.

SOUZA, Denaldo Alchorne de. O Brasil entra em campo: construções e reconstruções da identidade nacional (1930-1947). São Paulo: Annablume, 2008.

STEPAN, N. Eugenia no Brasil. 1917-1940. In: HOCHMANN, G.; ARMUS, D. (orgs.). Cuidar, controlar, curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004, p. 331-391.




Direitos autorais 2019 Revista Estudos Históricos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br