Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Amar um autor: os marxistas nas universidades brasileiras e os “intérpretes do Brasil”

Lidiane Soares Rodrigues

Resumo


Os marxistas que atuam em universidades brasileiras responderam a um questionário com 59 perguntas. Uma delas indagava: “Por quais autores/intérpretes do Brasil você tem mais interesse?” Com base nas respostas a essa pergunta, elaborou-se um ranking com suas predileções por determinados autores. Este artigo se propõe a identificar o princípio gerador da dupla escolha dessa lista: a dos marxistas por esses intérpretes e a desses intérpretes pelos marxistas. Para tanto, realiza uma caracterização sociológica dos respondidos e dos respondentes, assim como da representação que os segundos compartilham a respeito dos primeiros.

Palavras-chave


Sociologia Histórica das Ciências Sociais; Sociologia dos Intelectuais; História do Marxismo; Pensamento Social e Político Brasileiro; Universidades.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBOTT, A. Chaos of disciplines. Chicago/Londres: Chicago Press, 2000.

ADORNO, S. Os aprendizes do poder: o bacharelismo liberal na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

ANDERSON, P. Considerações sobre o marxismo ocidental. São Paulo: Boitempo, 2004.

ALMEIDA, I. C. S.; CAVALIERI, M. A. R. O marxismo nos departamentos de ciências econômicas no Brasil durante a ditadura militar. Economia e Sociedade, São Paulo, v. 27, n. 2, 2018.

ALMEIDA, W. M. Os herdeiros e os bolsistas do Prouni na cidade de São Paulo. Educação e Sociedade, São Paulo, v. 36, n. 130, 2015.

ANTUNES, R. Florestan Fernandes: um espírito sintonizado com as lutas sociais. In: MARTINEZ, P. H. (org.). Florestan ou o sentido das coisas. São Paulo: Boitempo, 1998.

ARRUDA, M. A. N. A sociologia no Brasil: Florestan Fernandes e a “escola paulista”. In: MICELI, S. (org.). História das ciências sociais no Brasil, v. 2. São Paulo: Sumaré, 1995.

ARRUDA, M. A. N. Arremate de uma reflexão: a revolução burguesa no Brasil de Florestan Fernandes. Revista USP, São Paulo, n. 29, 1996, p. 56-65.

BARTHES, R. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BOITO Jr., A.; MOTTA, L. E. Karl Marx no Brasil, 2012. Disponível em: www.portalcfh.ufsc.br/files/2014/06/Marx_no_Brasil.pdf. Acesso em: 30 maio 2016.

BOTELHO, A.; SCHWARCZ, L. Simpósio: cinco questões sobre o pensamento social brasileiro. Lua Nova, São Paulo, n. 82, 2011, p. 139-159.

BOSCHETTI, I. Entrevista, s/d. Disponível em: www.cressrj.org.br/site/noticias/capes-afirma-que-metodo-dialetico-materialista-nao-e-cientifico-entrevista-exclusiva-com-ivanete-boschetti/. Acesso em: 11 fev. 2019.

BOURDIEU, P. Homo academicus. Paris: Minuit, 1984.

BOURDIEU, P. As regras da arte. Gênese e estrutura do campo literário. Lisboa: Presença, 1996.

BOURDIEU, P. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Russel, 2001.

BOURDIEU, P. Gênese e estrutura do campo religioso. In. MICELI, S. (org. e trad.). A economia das trocas simbólicas. 5 ed. São Paulo: Perspectiva, 2003a.

BOURDIEU, P. O mercado dos bens simbólicos. In. MICELI, S. (org. e trad.). A economia das trocas simbólicas. 5 ed. São Paulo: Perspectiva, 2003b.

BRANDÃO, G. M. Linhagens do pensamento político brasileiro. São Paulo: Hucitec, 2009.

CANDIDO, A. O tempo do contra. In. DANTAS, V. Textos de intervenção. São Paulo: Livraria Duas Cidades/Editora 34, 2002.

____. Florestan Fernandes, marxista, 1996. Disponível em: http://marxismo21.org/florestan-fernandes/. Acesso em: 19 jun. 2016.

CARTA ABERTA À CAPES. Disponível em: www.cfess.org.br/arquivos/CartaAbertaCAPES-9-6-2014.pdf. Acesso em: 11 fev. 2019.

CHARLE, C. Naissance des “Intellectuels” (1880-1900). Paris: Minuit, 1990.

___. L’habitus scolastique et ses effets: a propos des classifications littéraires et historiques. In. CLÉMENT, F. et. al. L’inconscient académique. Paris: Editions Seismo, 2006.

JEAN-PIERRE, L. Révolutions visibles e invisibles. In: CHARLE, C.; JEAN-PIERRE, L. (orgs). La vie intellectuelle en France: de 1914 à nos jours. Paris: Éditions du Seuil, 2016b.

CHARTIER, R. Por uma sociologia histórica das práticas culturais. In: CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa/Rio de Janeiro: Difel/Bertrand Brasil, 1990.

CHARTIER, R. A mão do autor e a mente do editor. São Paulo: Fundação Editora Unesp, 2014a.

___. O que é um autor? Revisão de uma genealogia. São Carlos: Edufscar, 2014b.

___. DARNTON, R.; BOURDIEU, P. Dialogue à propos de l’histoire culturelle. Actes de la recherche en sciences sociales, Paris, v. 59, set. 1985, p. 86-93.

COSTA, F. de S. O Prouni e seus egressos: uma articulação entre educação, trabalho e juventude. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2012.

COUTINHO, C. N. Marxismo e imagem do Brasil em Florestan Fernandes, 2000. Disponível em: www.acessa.com/gramsci/?page=visualizar&id=90. Acesso em: 19 jun. 2016.

D'INCAO, M. História e ideal: ensaios sobre Caio Prado Júnior. São Paulo: Brasiliense, 1989.

D’INCAO, M. (org.) O saber militante: ensaios sobre Florestan Fernandes. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

ELIAS, N. Scientific establishments. In.: ELIAS, N.; MARTINS, E.; WHITLEY, R. (orgs.). Scientific Establishments and Hierarquies. Dordrecht: D. Rieder, 1982.

FABIANI, J-L. À quoi sert la notion de discipline?. In. BOUTIER, J.; PASSERON, J-C; REVEL, J. Qu’est-ce qu’une discipline? Paris: Éditions EHESS, 2006.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil. São Paulo: Zahar, 1975.

____. Circuito fechado: quatro ensaios sobre o “poder institucional”. São Paulo: Hucitec, 1976.

FERNANDES, F. A pessoa e o político. Nova Escrita Ensaio, n. 8, 1981.

_____. A visão do amigo. In: FERNANDES, F. História e ideal. São Paulo: Unesp/Brasiliense, 1989.

_____. Obra de Caio Prado nasce da rebeldia moral. Folha de S. Paulo, 7 de setembro de 1991a.

_____. Memória: entrevista – Florestan Fernandes. Perseu Abramo, n. 13, 1991b.

_____. Os enigmas do círculo vicioso. In: FERNANDES, F. História e desenvolvimento: a contribuição da historiografia para a teoria e prática do desenvolvimento brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1999.

_____. A integração do negro na sociedade de classes. 5 ed. São Paulo: Globo, 2008.

FOUCAULT, M. O que é um autor. In: FOUCAULT, M. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001a.

_____. Ditos e Escritos: Estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001b, p. 264-298

_____. A arqueologia do saber. 7 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GENETTE, G. Paratextos editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

GORENDER, J. A revolução burguesa e os comunistas. In: D’INCAO, M. (org.) O saber militante: Ensaios sobre Florestan Fernandes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GOUARNÉ, I. L’introduction du marxisme en France: philosoviétisme et sciences humaines (1920-1939). Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2013.

HAUCHECORNE, M. Essor et disciplinarisation des sciences humaines. In: CHARLE, C.; JEANPIERRE, L. (orgs). La vie intellectuelle en France: de 1914 à nos jours. Paris: Éditions du Seuil, 2016.

HEILBRON, J; BOKOBZA, A. Transgresser les frontières en sciences humaines et sociales en France. Actes de la recherche en sciences sociales, n. 210, 2015.

HUBMANN, G. Da política à filologia: a Marx-Engels Gesamtausgabe. Crítica Marxista, n. 34, 2012, p. 33-49.

IUMATTI, P. Caio Prado Jr.: uma trajetória intelectual. São Paulo: Brasiliense, 2007.

JACKSON, L. C.; PRAXEDES, D. Histórias das ciências sociais brasileiras. In. MICELI, MARTINS (org.). Sociologia brasileira hoje. Cotia: Ateliê Editorial, 2017.

KONDER, L. A façanha de uma estreia. In: D'INCAO, M. História e ideal: ensaios sobre Caio Prado Júnior. São Paulo: Brasiliense, 1989.

LIMONGI, F. Marxismo, nacionalismo e cultura: Caio Prado Jr. e a Revista Brasiliense, 1987. Disponível em: www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_05/rbcs05_02.htm. Acesso em: 12 jun. 2016.

MAIO, M. C. O Projeto Unesco e a agenda das ciências sociais no Brasil dos anos 40 e 50. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 14, n. 41, 1999.

MARTINEZ, P. H. (org.) Florestan ou o sentido das coisas. São Paulo: Boitempo, 1998.

MARTINEZ, P. H. A dinâmica de um pensamento crítico: Caio Prado Jr. (1928-1935). São Paulo: Edusp, 2008.

MARTINS, J. S. Entrevista. In: BASTOS, E. R. et. al. Conversas com sociólogos brasileiros. São Paulo: Editora 34, 2006.

MATONTI, F. Intellectuels communistes: Essai sur l’óbéissance politique. La Nouvelle Critique (1967-1980). Paris: La Découverte, 2005.

MICELI, S. A Fundação Ford no Brasil. São Paulo: Sumaré/Fapesp, 1993.

_____. Intelectuais e classe dirigente (1920-1945). In: MICELI, S. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

_____. Condicionantes do desenvolvimento das ciências sociais. In: MICELI, S. (org.). História das ciências sociais no Brasil, v. 1. São Paulo: Sumaré, 2001.

___. A noite da madrinha. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

MOLLIER, J-Y. A história do livro e da edição: um observatório privilegiado do mundo mental dos homens do século XVIII ao século XX. Varia História, Belo Horizonte, v. 25, n. 42, 2009, p. 521-537.

NETTO, J. P. A recuperação marxista da categoria de revolução. In: D’INCAO, M. (org.) O saber militante: ensaios sobre Florestan Fernandes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

NOVAIS, F. A.; CARDOSO, J. M. Capitalismo tardio e sociabilidade moderna. São Paulo: Fundação Editora Unesp, 2009.

OLIVEIRA, F. A navegação venturosa: ensaios sobre Celso Furtado. São Paulo: Boitempo, 2003.

PERICÁS, L. B. Caio Prado Jr.: uma biografia política. São Paulo: Boitempo, 2016.

PEROSA, G; COSTA, T. Uma democratização relativa? Um estudo sobre o caso da expansão da Unifesp. In: Educação e Sociedade, São Paulo, v. 36, n. 130, 2015.

PONTES, H. 1998. Destinos mistos: os críticos do grupo Clima em São Paulo (1940-1968). São Paulo: Companhia das letras.

PRADO Jr., C. Evolução política do Brasil: colônia e império. 21 ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

_____. Formação do Brasil contemporâneo. Colônia. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

RENISIO, Y. L’origine sociale des disciplines. Actes de la recherche en sciences sociales, v. 5, n. 210, 2015.

RICUPERO, B. Caio Prado Jr e a nacionalização do marxismo. São Paulo: Editora 34, 2000.

RODRIGUES, L. M. O PCB: os dirigentes e a organização. In: FAUSTO, B. (org.) História geral da civilização brasileira: o Brasil republicano. 6 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

___. Florestan Fernandes: interlúdio. São Paulo: Hucitec, 2010.

___. A produção social do marxismo universitário em São Paulo: mestres, discípulos e “um seminário” em São Paulo (1958-1978). Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011.

___. Marx em três tempos de Florestan. Dois Pontos, v. 13, n. 1, 2016a.

___. Leitores e leituras universitários de Karl Marx (São Paulo, 1958-1964). Intelligere – Revista de História Intelectual, v. 2, n. 1, 2016b.

___. Rivalidades científicas e metropolitanas: São Paulo e Rio de Janeiro, sociologia e ciência política. Urbana – Urban Affairs and Public Policy, v. XVIII, 2017a, p. 71-95.

___. Um departamento municipal no ultramar francês: o cosmopolitismo de José Arthur Giannotti. Campos, Curitiba, v. 18, n 1-2, 2017b, p. 61-88.

___. Centralidade de um cosmopolitismo periférico: a ‘Coleção Grandes Cientistas Sociais no espaço das ciências sociais brasileiras (1978-1990). Sociedade e Estado, Brasília, v. 33, n. 3, set.-dez. 2018a, p. 675-708.

___. Uma revolução conservadora dos intelectuais (Brasil/2002-2016). Política e Sociedade, Florianópolis, v. 17, n. 39, 2018b, p. 277-312.

___. Caio Prado Jr.: historiador sem história. Os historiadores – clássicos da historia do brasil, v. 4. Rio de Janeiro: PUC-RJ/Vozes, 2018c.

___. Poder, sexo e letras no marxismo à brasileira. Forthcoming, Repocs, São Luís, 2019.

SAPIRO, G. Le champ est-il national?. Actes de la recherche en sciences sociales, n. 200, 2013.

___. HEILBRON, J.; BONCOURT, T.; SCHÖGLER, R. European social sciences and humanities (SSH) in a global context preliminary findings from the Interco-ssh Project, 2017.

___. SANTORO, M. On the social life of ideas and the persistence of the author in the social and the human sciences. Sociologica, Bolonha, n. 1, 2017, p. 1-13.

SAVIANI, D. Florestan Fernandes e a educação. In: Estudos Avançados, São Paulo, v. 10, n. 26, 1994, p. 71-87.

SCHÖTTLER, P.; GRANDJONC, J. Une troisième Mega? Entretien avec Jacques Grandjonc. Genèses, v. 11, n. 1, 1993.

SOULIÉ, C. Anatomie du goût philosophique.Actes de la recherche en science sociales, Paris, v. 109, 1995.

SECCO, L. Caio Prado Jr.: o sentido da revolução. São Paulo: Boitempo, 2008.

TARCUS, H. Marx en la Argentina: sus primeros lectores obreros, intelectuales y científicos. Buenos Aires: Siglo XXI, 2007.

TRIGO, M. H. B. Os paulistas de quatrocentos anos: ser e parecer. São Paulo: Annablume, 2001.

VENANCIO FILHO, Alberto. Das arcadas ao bacharelismo. São Paulo: Perspectiva, 1977.




Direitos autorais 2019 Revista Estudos Históricos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br