Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Quando novos conceitos entraram em cena: história intelectual do “populismo” e sua influência na gênese do debate brasileiro sobre movimentos sociais

José Szwako, Ramon Araujo

Resumo


 

O texto segue a trajetória da produção de F. Weffort sobre o chamado “populismo” e mostra seus efeitos no debate dos “movimentos sociais urbanos” e também dos “novos personagens em cena” , defendendo uma história intelectual centrada em ideias e nas tensões entre intelectualidade e expectativas políticas. A observação de inflexões e continuidades na tese populista permite chegar a dois resultados. A miríade de conceitos que marcou, em parte, a gênese da discussão brasileira sobre movimentos sociais nasce como crítica e adesão à herança weffortiana. Além disso, o artigo mostra que os novos conceitos não se gestam em algo como um “campo acadêmico”, e sim nascem de inspirações e influências daquele conjunto de intelectuais e das apostas por eles forjadas em seus núcleos na sociedade civil (o Cedec, no caso) ou nas relações com outros atores civis e partidários. 


Palavras-chave


História intelectual; Movimentos sociais; Redemocratização.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria H. T. O sindicalismo brasileiro entre a conservação e a mudança. Sociedade e política no Brasil pós-64. São Paulo: Brasiliense, 1983.

ALONSO, Angela. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, n. 76, 2009.

ARRUDA, Maria A. A Sociologia no Brasil: Florestan Fernandes e a ‘escola paulista’. História das Ciências Sociais, v. 2, São Paulo: Idesp/Fapesp, 1995.

BASTOS, Elide R.; BOTELHO, André. Para uma sociologia dos intelectuais. Dados, v. 53, n. 4, 2010.

BOSCHI, Renato. A arte da associação: política de base e democracia no Brasil. São Paulo: Vértice, 1987.

BRANDÃO, Gildo M. Linhagens do Pensamento Político Brasileiro. Dados, Rio de Janeiro, v. 48, n. 2, 2005.

CARDOSO, Ruth. Movimentos sociais urbanos: balanço crítico. Sociedade e política no Brasil pós-64. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CHAUI, Marilena. Cultura do povo e autoritarismo das elites. A cultura do povo. São Paulo: Cortez e Moraes/Educ, 1979.

CHAUI, Marilena. Prefácio. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo (1970-80). Rio: Paz e Terra, 1998.

CHALHOUB, Sidney; SILVA, Fernando T. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 1980. Cadernos AEL, Campinas, v. 14, n. 26, 2009.

COHN, Gabriel. Política e revolução social no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

DEBERT, Guita. Ideologia e populismo: Adhemar de Barros, Miguel Arraes, Carlos Lacerda, Leonel Brizola. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008 [1979].

FERNANDES, Florestan. Prefácio. Greve de massa e crise política: estudo da Greve dos 300 mil em São Paulo (1953-54). São Paulo: Polis, 1978.

FERREIRA, Jorge. O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

FILHO, Daniel A. Reis. O colapso do colapso do populismo ou a propósito de uma herança maldita. In: FERREIRA, Jorge. O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

GARCIA, Marco A. Posfácio. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo (1970-80). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

GOHN, Maria da G. A força da periferia. Petrópolis: Vozes, 1985.

GOMES, Ângela C. O populismo e as ciências sociais no Brasil: notas sobre a trajetória de um conceito. In: FERREIRA, Jorge. O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

HOLLANDA, Cristina B. Os cadernos do nosso tempo e o interesse nacional. Dados, Rio de Janeiro, v. 55, n. 3, 2012.

IANNI, Octavio. Política e revolução social no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

JACKSON, Luis; BARBOSA, Darlan. Histórias das ciências sociais brasileiras. In: MARTINS, Carlos Benedito; MICELI, Sergio (orgs.). Sociologia brasileira hoje. Cotia: Ateliê, 2017.

JACOBI, Pedro. Movimentos populares urbanos e resposta do Estado: autonomia e controle vs. cooptação e clientelismo. In:

BOSCHI, Renato Raul (org.). Movimentos coletivos no Brasil urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

JASMIN, Marcelo; FERES JR., João (orgs.) História dos conceitos: debates e perspectivas. Rio de Janeiro: PUC-Rio/Loyola/Iuperj, 2006.

KAYSEL, André; MUSSI, Daniela. Populismo, sindicalismo e democracia: a polêmica entre F. Weffort, C. E. Martins e M. H. Tavares de Almeida (1972-1978). 41º Encontro anual da Anpocs, 2017.

KECK, Margareth. PT, a lógica da diferença. São Paulo: Ática, 1991.

LAHUERTA, Milton. Intelectuais e resistência democrática: vida acadêmica, marxismo e política no Brasil. Cadernos AEL, v. 8, n. 14/15, 2001.

LACLAU, Ernesto. A razão populista. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

LAVALLE, Adrian Gurza; SZWAKO, José. Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate. Opinião Pública, v. 21, n. 1, 2015.

LYNCH, Christian. Saquaremas e Luzias: a sociologia do desgosto com o Brasil. Insight Inteligência, Rio de Janeiro, v. 55, 2011.

LOPES, José L. Cultura e identidade operária. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1987.

MICELI, Sérgio. História das ciências sociais no Brasil. São Paulo: Vértice/Idesp, 1989.

MOISÉS, José A. Greve de massa e crise política: estudo da Greve dos 300 mil em São Paulo (1953-54). São Paulo: Polis, 1978.

MOISÉS, José A.; MARTINEZ-ALIER, Verena. A revolta dos suburbanos ou “Patrão, o trem atrasou”. In: MOISÉS, José A. Contradições urbanas e movimentos sociais. Rio de Janeiro: Paz e Terra/Cedec, 1977.

PAOLI, Maria Célia. Labor, Law and State in Brazil (1930-1950). Tese (Ph.D) – Universidade de Londres, Londres, 1988.

PAOLI, Maria Célia. Os trabalhadores urbanos na fala dos outros: tempo, espaço e classe na história operária brasileira. In: LOPES, José Sérgio Leite. Cultura e identidade operária. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1987.

PAOLI, Maria Célia; SADER, Eder; TELLES, Vera Silva. Pensando a classe operária: os trabalhadores sujeitos ao imaginário acadêmico. Revista Brasileira de História, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, 1983, p. 1291-49.

PÉCAUT, Daniel. Os intelectuais e a política no Brasil. São Paulo: Ática, 1990.

PERRUSO, Marco A. Em busca do “novo”: movimentos sociais no pensamento social brasileiro dos anos 1970/80. Perspectivas, São Paulo, v. 37, 2010.

ROMAO, Wagner. Sociologia e política acadêmica nos anos 1960: a experiência do Cesit. São Paulo: Humanitas/Fapesp, 2006.

SADER, Eder. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo (1970-80). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SADER, Eder; PAOLI, Maria Célia. Sobre “classes populares” no pensamento sociológico brasileiro: notas de leitura sobre acontecimentos recentes. In: CARDOSO, Ruth. A aventura antropológica: teoria e pesquisa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

SANTANNA, M. O “novo” e o “velho” sindicalismo: análise de um debate. Revista de Sociologia Política, Curitiba, v. 10, n. 11, 1998.

SANTOS, Carlos N. F. Movimentos urbanos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

SANTOS, Wanderley G. A imaginação política brasileira: cinco ensaios de história intelectual. Rio de Janeiro: Revan, 2017.

SCHERER-WARREN, Ilse. O caráter dos novos movimentos sociais. In: SCHERER-WARREN, Ilse. Uma revolução no cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1987.

SCHWARCZ, Lilia; BOTELHO, André. Pensamento social brasileiro, um campo vasto ganhando forma. Lua Nova, n. 82, 2011.

SCHWARTZMAN, Simon. O pensamento nacionalista e os Cadernos do Nosso Tempo. Brasília: UnB/Câmara dos Deputados, s/d.

SILVA, Luiz A. Machado da; RIBEIRO, Ana C. Paradigma e movimentos sociais: por onde andam nossas idéias? Ciência Sociais Hoje, São Paulo, 1985.

SIQUEIRA, Ronaldo; FERNANDES, Carmen. Resenha crítica do livro de Francisco C. Weffort Participação e conflito industrial: Contagem e Osasco (1968). Contraponto – Revista de Ciências Sociais do Centro de Estudos Noel Nutels, Rio de Janeiro, 1976.

SZWAKO, José. A tarefa da crítica ou Frankfurt nos trópicos. In: SILVA, Josué (org.). Sociologia crítica no Brasil. São Paulo: Annablume, 2012.

SINGER, Paul. Política e revolução social no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

TEIXEIRA, Ana C. Para além do voto: uma narrativa sobre a democracia participativa no Brasil (1975-2010). Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

TOLEDO, Caio N. Iseb: fábrica de ideologias. São Paulo: Ática, 1977.

WEFFORT, Francisco. Carta à redação: resposta de Francisco Weffort à resenha crítica de seu livro Participação e conflito industrial. Contraponto – Revista de Ciências Sociais do Centro de Estudos Noel Nutels, Rio de Janeiro, 1976.

WEFFORT, Francisco. Democracia e movimento operário: algumas questões para a história do período 1945/1964. Revista de Cultura Contemporânea, São Paulo, v. 1, p. 7-13, 1978b.

WEFFORT, Francisco. Democracia e movimento operário: algumas questões para a história do período 1945/1964. Revista de Cultura e Política (segunda parte), São Paulo, v. 1, p. 15-25, 1979a.

WEFFORT, Francisco. Democracia e movimento operário: algumas questões para a história do período 1945/1964. Revista de Cultura e Política (terceira parte), São Paulo, v. 1, p. 11-18, 1979b.

WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

WEFFORT, Francisco. Origens do sindicalismo populista no Brasil: a conjuntura do pós-guerra. Estudos Cebrap 4, São Paulo, 1973.

WEFFORT, Francisco. Participação e conflito industrial: Contagem e Osasco 1968. Cadernos Cebrap, São Paulo, v. 5, 1972.




Direitos autorais 2019 Revista Estudos Históricos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br