Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Rotulação e seletividade policial: óbices à institucionalização da democracia no Brasil

Flávia Cristina Soares, Ludmila Mendonça Lopes Ribeiro

Resumo


Este artigo apresenta uma revisão dos estudos produzidos no Brasil, a partir da teoria da rotulação, sobre o funcionamento do sistema de Justiça criminal, com destaque para as ações policiais. O balanço da literatura indica que os indivíduos jovens, negros e pobres são os mais suscetíveis ao rótulo de criminoso pelas polícias e pelo Poder Judiciário, institucionalizando a cidadania disjuntiva. Os resultados permitiram concluir que há um descompasso entre o ideal da democracia e a realidade construída por meio das instituições que são encarregadas da produção da Justiça no País, contribuindo para a reificação de desigualdades sociais, fato que bloqueia o desenvolvimento da democracia no país.


Palavras-chave


Teoria da Rotulação; Democracia; Instituições; Sistema de Justiça Criminal.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Sérgio. Discriminação racial e justiça criminal em São Paulo. Novos Estudos, São Paulo, n. 43, 1995.

AKERS, Ronald L. Problems in the sociology of deviance: Social definitions and behavior. Social Forces, v. 46, n. 4, 1968.

_____, Ronald L. Social learning and social structure: A general theory of crime and deviance. New Jersey: Transaction Publishers, 2011.

BECKER, Howard Soul. (1963). Outsiders: estudos de sociologia do desvio. 1.ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

CALDEIRA, Teresa PR; HOLSTON, James. Democracy and violence in Brazil. Comparative studies in society and history. Society and History, vol. 41, n. 4, 1999.

CAMPOS COELHO, Edmundo. A criminalização da marginalidade e a marginalização da criminalidade. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, vol. 12, n. 2, 1978.

______. Sobre sociólogos, pobreza e crimes. Dados, Rio de Janeiro, vol.23, n.3, 1980.

______. A administração da justiça criminal no Rio de Janeiro: 1942-1967. Dados, Rio de Janeiro, vol. 29, n.1, 1986.

CAMPOS, Marcelo da Silveira. Drogas e justiça criminal em São Paulo: uma análise da origem social dos criminalizados por drogas desde 2004 a 2009. Contemporânea, São Carlos, vol. 5, n.1, 2015.

GRILLO, Carolina Christoph; POLICARPO, Frederico; VERÍSSIMO, Marcos. A “dura” e o “desenrolo”: efeitos práticos na nova lei de drogas no Rio de Janeiro. Revista de Sociologia Política. Curitiba, vol. 19, 2011.

HOLSTON, James. Cidadania insurgente: disjunções da democracia e da modernidade no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

KANT DE LIMA, Roberto. 1997b. Polícia e exclusão na cultura judiciária. Revista de Sociologia da USP, São Paulo, vol. 9, n. 1, 1997.

______. Carnavais, malandros e heróis: o dilema brasileiro do espaço público. In: GOMES, Laura Graziela; BARBOSA, Lívia; DRUMMOND, Augusto (orgs). O Brasil não é para principiantes. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

LIBERMAN, Akiva M.; KIRK, David S.; KIM, Kideuk. Labeling effects of first juvenile arrests: secondary deviance and secondary sanctioning. Criminology, vol. 52, n. 3, 2014.

LIMA, Renato Sérgio de; SINHORETTO, Jacqueline; BUENO, Samira. A gestão da vida e da segurança pública no Brasil. Sociedade e Estado, Brasília, vol. 30, n. 1, 2015.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. Sociabilidade violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Sociedade e Estado, Brasília, v. 19, n. 1, 2004.

MARSHALL, Thomas Humphrey. Cidadania, Classe Social e Status. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MISSE, Michel. Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. Lua Nova, São Paulo, vol.79, 2010.

______. Sobre a construção social do crime no Brasil: esboços de uma interpretação. In: MISSE, Michel. (org). Acusados e Acusadores: estudos sobre ofensas, acusações e incriminações. Rio de Janeiro: Revan, 2008.

______. O papel do inquérito policial no processo de incriminação no Brasil: algumas reflexões a partir de uma pesquisa. Sociedade e Estado, Brasília, v. 26, n. 1, 2011.

PAES, Vívian Gilbert Ferreira; RIBEIRO, Ludmila Mendonça Lopes. Produção acadêmica sobre práticas de segurança pública e justiça criminal: estudos empíricos sobre instituições, interesses, decisões e relações dos operadores com o público. Confluências, Niterói, vol. 16, n. 3, 2015.

PAIXÃO, Antônio Luiz. A organização policial numa área metropolitana. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol.25, n.1, 1982.

______. Crime, controle social e consolidação da democracia: as metáforas da cidadania. In: REIS, F. & O’Donnel, G (eds.). A democracia no Brasil. São Paulo, Vértice, 1988.

______. Crime e criminosos em Belo Horizonte, 1932-1978. In: PINHEIRO, Paulo Sérgio (org). Crime, violência e poder. São Paulo, Editora Brasiliense, 1983.

_____. O problema da polícia. In: IUPERJ. Violência e participação política no Rio de Janeiro. Série Estudos, Rio de Janeiro, n. 91, 1995.

RIBEIRO, Ludmila; SILVA, Klarissa. Fluxo do sistema de justiça criminal brasileiro: um balanço da literatura. Cadernos de Segurança Pública, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 1, 2010.

SHIRLEY, Robert Weaver. Antropologia jurídica. São Paulo: Saraiva, 1987.

SINHORETTO, Jacqueline. Campo estatal de administração de conflitos: múltiplas intensidades da justiça. Anuário Antropológico, Brasília, vol. II, n. 2009, 2010.

______. Seletividade penal e acesso à justiça. In: LIMA, Renato Sérgio de; RATTON, José Luiz; AZEVEDO, Rodrigo Guiringhelli. (orgs). Crime, Segurança e Justiça no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014.

VARGAS, Joana Domingues. Fluxo do sistema de justiça criminal. In: LIMA, Renato Sérgio de; RATTON, José Luiz; AZEVEDO, Rodrigo Guiringhelli. (orgs). Crime, Segurança e Justiça no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014.

VELHO, Gilberto. Becker, Goffman e a antropologia no Brasil. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, vol. 4, n. 1, 2002.




Direitos autorais 2018 Revista Estudos Históricos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br