Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Uma história social do feminismo – Diálogos de um campo político brasileiro (1917-1937)

Glaucia Cristina Candian Fraccaro

Resumo


Este artigo oferece uma reflexão sobre a história do feminismo brasileiro partir da perspectiva do mundo do trabalho. As greves dos anos 1930, a atuação do Partido Comunista e as redes feministas internacionais anunciaram que o feminismo era um campo político em disputa desde os seus primeiros momentos. Sustento o argumento de que não se tratava de casos excepcionais: a experiência das mulheres pode contribuir para uma interpretação que torne mais complexa a história da luta feminina por direitos do trabalho no Brasil.


Palavras-chave


Feminismo; Trabalhadoras; Política

Texto completo:

PDF

Referências


SCOTT, Joan. Gender and Politics of History. Columbia. University Press, 1988.

RUBIN, Gayle. Thinking Sex: Notes for a Radical Theory of the Politics of Sexuality. In: Carole S. Vance. Pleasure and Danger: Exploring Female Sexuality. Londres: Pandora. 1992, 267-293.

SAMARA, Eni; SOIHET, Raquel e MATOS, Maria Izilda. Gênero em debate. Trajetórias e perspectivas na historiografia contemporânea. São Paulo, EDUC, 1997

MATOS, Maria Izilda. Percursos e possibilidades na historiografia contemporânea. Cadernos Pagu, 11/6, 1998.

SOIHET, Raquel e PEDRO, Joana. A emergência da pesquisa da história das mulheres e das relações de gênero. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 27, n. 54, p. 282-285.

LOBO, Elisabeth S. A classe operária tem dois sexos – Trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Brasiliense, 1991, p. 186.

ALVES, Branca Moreira. Ideologia e Feminismo - A luta da mulher pelo voto no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1980.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes – Mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1969.

PINTO, Céli R. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora da Fundação Perseu Abramo, 2007

MATTOS, Marlise. Movimento e teoria feminista: é possível reconstruir a teoria feminista a partir do sul global? Revista de Sociologia Política, v. 18, n. 36, 2010, p. 15-23.

SCHPUN, Mônica R. Carlota Pereira de Queiroz era antifeminista? (Ou de como pensar os contornos do feminismo), In: Lima Costa e Pereira Schmidt (orgs.) Poéticas e Políticas feministas. Florianópolis: Mulheres, 2002.

SOIHET, Raquel. O Feminismo Tático de Bertha Lutz. Florianópolis: EDUSC, 2006.

LAUGHLIN, Kathleen A.; GALLAGHER, Julie; COBBLE, Dorothy S.; BORIS, Eileen; NADASEN, Premilla; GILMORE, Stephanie e ZARNOW, Leandra. Is It Time to Jump Ship? Historians Rethink the Waves Metaphor. Feminist Formations, v. 22, n. 1, 2010, p. 76-135.

GALVÃO, Patrícia. Paixão Pagu – A autobiografia precoce de Patrícia Galvão. São Paulo: Ediouro, 2005.

OLIVEIRA, Carmen S. “A solitude feminista de Patrícia Galvão em Parque Industrial”. Revista Miguilim, 3(2), 2014.

PEREIRA, Leonardo A. e CHALHOUB, Sidney (orgs.). A história contada: capítulos de história social da literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

ARAÚJO, Ângela M. A construção do consentimento: corporativismo e trabalhadores no Brasil nos anos 30 São Paulo: Scritta/Fapesp, 1998.

SILVA, Fernando T. e CORRÊA, Larissa R. The Politics of Justice: Rethinking Brazil’s Corporatist Labor Movement. Labor: Studies in Working-Class History of the Americas, v. 13, n. 2, 2016.

GOLDMAN, Wendy. Mulher, Estado e Revolução – Política familiar e vida social soviéticas, 1917-1936. São Paulo: Boitempo/Iskra Edições, 2014.

WIKANDER, Ulla. “Demands on the ILO by International Organized Women in 1919”. In: Van Dael (et. al) ILO Histories – Essays on the International Organization and Its Impact on the World During the Twentieth Century Genebra: Peter Lang, 2010, pp. 67-89.

MILLER, Carol. “Geneva – the key para equality: inter-war feminists and the League of Nations”. Women's History Review, 2, 1994, pp. 220-221.

ZIMMERMAN, S. “Night work for night women and bonded labour for womem of colour?” In: Kimble, S. (e outros) New perspectives on European Women´s Legal History. Milton Park, New York: Routledge, 2014.

SCHPUN, Mônica R. “Entrevista com Miriam Moreira Leite”. Cadernos Pagu, 22, 2004.

BESSE, Susan. Modernizando a desigualdade: Reestruturação da Ideologia de Gênero no Brasil (1914-1940). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

KESSLER-HARRIS, Alice. In Pursuit of Equity: women, men and the quest for economic citizenship in 20th century. Oxford University Press, 2001

RUPP, Leila. Worlds of women – The Making of an International Women´s Movement. Princeton University Press, 1997.

RAGO, Margareth. Do Cabaré ao Lar – a utopia da cidade disciplinar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

ESTEVES, Martha. Os populares e o cotidiano do amor no Rio de Janeiro da Belle Époque. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

SOIHET, Raquel. Condição feminina e formas de violência: mulheres pobres e ordem urbana, 1890-1920. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.




Direitos autorais 2018 Revista Estudos Históricos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br