Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Um ano extraordinário: greves, revoltas e circulação de ideias no Brasil em 1917

Edilene Toledo

Resumo


Este artigo analisa, a partir de pesquisa original e dos estudos já realizados, as greves e revoltas ocorridas em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre e outras cidades do Brasil em 1917 e suas reivindicações, a participação dos trabalhadores e dos militantes anarquistas e socialistas nesses eventos, e a circulação das ideias políticas no período, em especial os primeiros impactos no país das revoluções ocorridas na Rússia naquele ano, e como essas novas ideias revolucionárias começaram a transformar os grupos políticos e as organizações dos trabalhadores. As greves daquele ano tiveram um papel basilar para o desenvolvimento posterior do movimento operário e das lutas trabalhistas no Brasil.


Palavras-chave


greve; 1917; movimento operário; anarquismo; Revolução Russa; comunismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Roberto Mansilla. Astrojildo Pereira e Octávio Brandão: os precursores do comunismo nacional. In: FERREIRA, Jorge & REIS FILHO, Daniel Aarão (orgs.). A formação das tradições 1889-1945. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. (Coleção As esquerdas no Brasil, vol. 1)

BANDEIRA, Moniz. O ano vermelho: a Revolução Russa e seus reflexos no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1980.

BARTZ, Frederico Duarte. O impacto da Revolução Russa no movimento operário do Rio Grande do Sul. 1917-1920. Dissertação de mestrado. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008.

BATINI Tito. Memórias de um socialista congênito. Campinas: Editora da Unicamp, 1991.

BIONDI, Luigi. Classe e nação. Trabalhadores e socialistas italianos em São Paulo, 1890-1920. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

BOTELHO, Denilson. A pátria que quisera ter era um mito: o Rio de Janeiro e a militância literária de Lima Barreto. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal das Culturas, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 2002.

CAMPOS, Cristina Hebling. O sonhar libertário: movimento operário nos anos de 1917 a 1921. Campinas: Editora da Unicamp, 1988.

COSTA, Emília Viotti da. Estruturas versus experiência. Novas tendências na história do movimento operário e das classes trabalhadoras na América Latina: o que se perde e o que se ganha. Rio de Janeiro, BIB, n. 29, 1990.

–––––. Coroas de glória e lágrimas de sangue. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

FAUSTO, Boris. Trabalho urbano e conflito social. São Paulo: Difel, 1983.

FEIJÓ, Martin Cezar. Formação política de Astrojildo Pereira. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 1990.

FERRERAS, Norberto Osvaldo. O cotidiano dos trabalhadores de Buenos Aires (1880-1920). Niterói: EdUFF, 2006.

GALVÃO, Patrícia. Parque industrial. São Paulo: José Olympio, 2006.

GOLDEN, Lester. The women in command. The Barcelona Womens’ Consumer War of 1918.UCLA Historical Journal, 6, 1985, p. 5-32.

GOMES, Angela de Castro. Cidadania e direitos do trabalho. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

GOULD, Roger. Insurgent identities: class, community, and protest in Paris from 1848 to the Commune. Chicago: University of Chicago Press, 1995.

HALL, Michael & PINHEIRO, Paulo Sérgio. A classe operária no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1981.

KHOURY, Yara Aun. As greves de 1917 em São Paulo e o processo de organização proletária. São Paulo: Cortez, 1981.

–––––. Edgard Leuenroth, anarquismo e as esquerdas no Brasil. In: FERREIRA, Jorge & REIS FILHO, Daniel Aarão (orgs.). A formação das tradições 1889-1945. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. (Coleção As esquerdas no Brasil, vol. 1)

KUHL, Beatriz Mugayar. Preservação do patrimônio arquitetônico da industrialização: problemas teóricos do restauro. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2008.

LOBO, Elisabeth Souza. Emma Goldman. A vida como revolução. São Paulo: Brasiliense, 1983.

LOPREATO, Christina da Silva Roquette. O espírito da revolta, a greve geral anarquista de 1917. São Paulo: Annablume, 2000.

MOREIRA, Aluizio Franco. A greve de 1917 em Recife. Clio - Revista de Pesquisa História, n. 23, 2005.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o “perigo vermelho”: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva, 2002.

PEREIRA, Joana Dias. O ciclo de agitação social global de 1917-1920, Ler História [Online], 66, 2014.

RODRIGUES, Leôncio Martins. Conflito industrial e sindicalismo no Brasil. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1966.

ROLNIK, Raquel & FRÚGOLI JR., Heitor. Reestruturação urbana da metrópole paulistana: a Zona Leste como território de rupturas e permanências. Cadernos Metrópole, n. 6, 2º semestre de 2001.

SAMIS, Alexandre. Presenças indômitas: José Oiticica e Domingos Passos. In: FERREIRA, Jorge & REIS FILHO, Daniel Aarão (orgs.). A formação das tradições 1889-1945. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. (Coleção As esquerdas no Brasil, vol. 1)

SILVA JR., Adhemar Lourenço da. A greve geral de 1917 em Porto Alegre. Anos 90, Porto Alegre, n. 5, 1996.

THOMPSON, Edward Palmer. Economia moral revisitada. In: –––––. Costumes em comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

TOLEDO, Edilene & BIONDI, Luigi. Anarchism (Latin America). 1914-1918 online. International Encyclopedia of the First War http://encyclopedia.1914-1918-online.net/pdf/1914-1918-Online-anarchism_latin_america-2014-10-08.pdf




Direitos autorais 2017 Revista Estudos Históricos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br