Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

A Revolução dos Cravos e a historiografia portuguesa

Francisco Carlos Palomanes Martinho

Resumo


O objetivo deste texto é analisar algumas questões que têm marcado a produção historiográfica portuguesa acerca do tema da transição democrática. Discute-se como os estudos históricos têm lidado com a memória social a respeito da experiência autoritária em Portugal. Em seguida, examina-se correntes interpretativas que colocam em questão o significado e a profundidade das mudanças desencadeadas na esteira da transição democrática. Pretende-se também chamar atenção para um debate que, marcado pelos impactos do tempo presente, está longe de se esgotar.


Palavras-chave


revolução; transição; historiografia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. A. P. A revolução no Alentejo: memória e trauma da reforma agrária em Aviz. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2006.

BERMAN, M. Tudo que é sólido desmancha no ar. A aventura da Modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CARVALHO, O. S. Alvorada em Abril. 3ª ed. Lisboa: Ulmeiro, 1984.

CARVALHO, R. A. A definição do marcelismo à luz da revisão constitucional. In: ROSAS, F. & OLIVEIRA, P. A. (coord.). A transição falhada: o marcelismo e o fim do Estado Novo (1968-1974). Lisboa: Editorial Notícias, 2004, p. 27-89.

CORKIL, D. O desenvolvimento económico português no fim do Estado Novo. In: ROSAS, F. & OLIVEIRA, P. A. (coord.). A transição falhada: o marcelismo e o fim do Estado Novo (1968-1974). Lisboa: Editorial Notícias, 2004, p. 213-232.

CRUZEIRO, M. M. “Revolução” e revisionismo historiográfico. O 25 de Abril visto da História. In: MARTINS, R. C. (coord.). Portugal, 1974: transição política em perspectiva histórica. Coimbra: Editora Universidade de Coimbra, 2011, p. 97-134.

FERNANDES, Tiago. Nem ditadura, nem revolução. A Ala Liberal e o Marcelismo (1968-1974), Lisboa: D. Quixote/Assembleia da República, 2006.

HAMMOND, J. L. Building Popular Power: Workers' and Neighborhood Movements in the Portuguese Revolution. New York: Montly Review Press, 1988.

HOBSBAWM, E. & RANGER, T. (orgs.). A invenção das tradições São Paulo: Paz e Terra, 1984.

MARCHI, R. Império, nação, revolução – as direitas radicais portuguesas no fim do Estado Novo (1959-1974). Lisboa: Texto Editores, 2009.

_____. Nacionalismo revolucionário na crise do Império. In: MARCHI, R. (org.). As raízes profundas não gelam: ideias e percursos das direitas portuguesas. Alfragide: Texto Editores, 2014, p. 327-356.

MARTINHO, F. C. P. Entre o fomento e o condicionamento: a economia portuguesa em tempos de crise. In: MARTINHO, F. C. P. & LIMONCIC, F. (org.). A Grande Depressão: política e economia na década de 1930 – Europa, Américas, África e Ásia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, p. 305-330.

MARTINS, R. C. Problemática da mudança política. In: MARTINS, Rui Cunha (coord.). Portugal, 1974: transição política em perspectiva histórica. Coimbra: Editora Universidade de Coimbra, 2011, p. 19-29.

PINTO, A. C. Ajustando as contas com o passado na transição para a democracia em Portugal. In: BRITO, A. B; GONZÁLEZ-ENRÍQUEZ, C. & FERNÁNDEZ, P. A. (coord.). Política da memória: verdade e justiça na transição para a democracia. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2004, p. 87-153.

–––––. 25 de Abril – 40 anos. Lisboa: Clube do Colecionador dos Correios, 2014.

–––––. A busca da democracia, 1960-2000. Lisboa: Objectiva/Fundação Mapfre, 2015.

––––– & TEIXEIRA, N. S. A Europa do Sul e a construção da União Europeia (1945-2000). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2005.

PROENÇA M. C. A reforma educativa de Veiga Simão. In: ROSAS, F. & OLIVEIRA, P. A. (coord.). A transição falhada: o marcelismo e o fim do Estado Novo (1968-1974). Lisboa: Editorial Notícias, 2004, p. 233-261.

RAMOS, R.; SOUSA, B. V. & MONTEIRO, N. História de Portugal. 5ª ed. Lisboa: Esfera dos Livros, 2010.

REIS, J. M. A transição impossível. A ruptura de Francisco Sá Carneiro com Marcello Caetano. Lisboa: Casa das Letras, 2010.

ROSAS, F. Pensamento e acção política: Portugal, século XX (1890-1976). Lisboa: Editorial Notícias, 2004a.

_____. Marcelismo: ser ou não ser. In: ROSAS, F. & OLIVEIRA, P. A. (coord.). A transição falhada: o marcelismo e o fim do Estado Novo (1968-1974). Lisboa: Editorial Notícias, 2004b, p. 9-26.

SANTOS, P. B. A segunda separação: a política religiosa do Estado Novo (1933-1974). Lisboa: Almedina, 2016.

SCHMITTER, P. C. Portugal: do autoritarismo à democracia. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 1999.

SILVA, F. C. Teixeira da. Europa ou o concerto das nações. Ideias conservadoras e política internacional na obra de Leopold von Ranke (1795-1886). Tese apresentada ao Concurso Público para Professor Titular de História Moderna e Contemporânea da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Rio de Janeiro, 1993.

TEIXEIRA, N. S. The Europeanization of Portuguese Democracy. New York: Columbia University Press, 2012.

TORGAL, L. R. Marcelismo, “Estado social” e Marcello Caetano. In: Estado Novo, Estados Novos. Volume I. Coimbra: Editora Universidade de Coimbra, 2009, p. 615-73.

VOVELLE, Michel. A Revolução Francesa e seu eco. Estudos Avançados. Vol. 3, n° 6, p. 25-45, 1989.




Direitos autorais 2017 Revista Estudos Históricos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br