Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Cassiano Ricardo e Martim Cererê: um poema em transformação (1927-1936)

George Leonardo Coelho

Resumo


No presente artigo apresentaremos os resultados de uma análise comparativa entre as seis primeiras versões do poema Martim Cererê, publicado pela primeira vez em 1927 por Cassiano Ricardo. A partir dessa análise, foi possível demonstrar as alterações realizadas pelo autor e como essas modificações não derivam apenas de revisões estéticas ou gramaticais, mas apresentam nuances das tensões políticas que permeavam o campo intelectual no qual Cassiano Ricardo interagia.


Palavras-chave


Representação; Apropriação; Literatura; Política

Texto completo:

PDF

Referências


ABUD, Kátia Maria. O sangue intimorato e as nobilíssimas tradições (a construção de um símbolo paulista: o

bandeirante). Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade

de São Paulo, 1985. 342 f.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: Publiflolha, 2000. 192 p.

FERREIRA, Jerusa Pires. Notícias de Martim Cererê de Cassiano Ricardo. São Paulo: Quatro Artes Editora,

158 p.

LENHARO, Acir. Colonização e trabalho no Brasil: Amazônia, Nordeste e Centro-Oeste. Campinas: Editora da

Unicamp, 1981. 105 p.

MARTINS, Wilson. O modernismo. 4a ed. São Paulo: Editora Cultrix, 1973. Vol. VI 313 p.

MICELI, Sérgio. Imagens negociadas: retratos da elite brasileira (1920-1940). São Paulo: Companhia das

Letras, 2001. 174 p.

MOREIRA, Luiza Franco. Meninos, poetas e heróis: aspectos de Cassiano Ricardo do modernismo ao Estado

Novo. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. 195 p.

OLIVEIRA, Vera Lúcia de. Poesia, mito e história no Modernismo brasileiro. São Paulo: Editora UNESP/ Blumenau,

SC: FURB, 2002. 342 p.

PERES, Deila Coneição (coord.). Martim Cererê: o Brasil dos meninos, dos poetas e dos heróis. Rio de Janeiro:

Instituto Nacional do Livro, 1987. 409 p.

RICARDO, Cassiano. O Curupira e o Carão. In: PICCHIA, Menotti del; RICARDO, Cassiano; SALGADO, Plínio

Salgado. O Curupira e o Carão. São Paulo: Editora Hélios, 1927a. p. 63-70.

_____. Martim Cererê. São Paulo: Editora Hélios, 1927b. 163 p.

_____. Martim Cererê ou o Brasil dos meninos, dos poetas e dos heróis. São Paulo: Editora Hélios, 1928.

p.

_____. Martim Cererê. 2a ed. São Paulo: Editora Hélios, 1929. 117 p.

_____. Martim Cererê. 3a ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1932. 139 p.

_____. Martim Cererê e seus novos poemas. 4a ed. São Paulo: Editora Novíssima, 1934. 178 p.

_____. Martim Cererê. 5 a ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1936. 227 p.

_____. O Brasil no original. São Paulo: Editora Hélios, 1937. 291 p.

_____. Marcha para Oeste. São Paulo: José Olympio, 1940. 580 p.

_____. Viagem no tempo e no espaço (memória). Rio de Janeiro: José Olympio, 1970. 334 p.

ROLLAND, Denis. O historiador, o Estado e a fábrica de intelectuais. In: RIDENTI, Marcelo; BASTOS, Elide Rugai;

ROLLAND, Denis (orgs.). Intelectuais e estado. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. p. 95-120.

SALGADO, Plínio. Matemos o verde-amarelismo. Correio Paulistano, São Paulo, 8 de dezembro, ano 72, n.

108, 1927. p. 3.

VELHO, Otávio Guilherme. Capitalismo autoritário e campesinato. São Paulo: DIEHL, 1976. 261 p.

VELLOSO, Mônica Pimenta. Mito da originalidade brasileira: a trajetória intelectual de Cassiano Ricardo (dos

anos 20 ao Estado Novo). Mestrado (Filosofia). Departamento de Filosofia, Pontifícia Universidade Católica,

Rio de Janeiro, 1983. 191 f.

VICTOR, Rogério Lustosa. O labirinto integralista – o PRP e o conflito de memórias (1938 –1962). Tese (História).

Departamento de História, Universidade Federal do Goiás, Goiânia, 2012. 302 f.




Direitos autorais 2017 Revista Estudos Históricos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br