Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Como inspirado del Espíritu Santo: Vasco de Quiroga, primeiro intérprete americano da Utopia

Geraldo Witeze Junior

Resumo


Este artigo apresenta a interpretação da Utopia de Thomas Morus feita por Vasco de Quiroga em seu tratado intitulado Información en derecho (1535). Quiroga lutou contra a escravidão e propôs a criação de povoados inspirados na obra de Morus como solução para os problemas da colonização espanhola na América. Seus objetivos eram garantir uma vida digna para os indígenas e evangelizá-los sem uso de força, a partir do bom exemplo. Os métodos empregados são oriundos da crítica literária, especialmente a filologia, bem como da exegese textual. A utopia é entendida como projeto político-social concreto e não como mera literatura ou crítica social.


Palavras-chave


Utopia. América. Colonização. Vasco de Quiroga (1478?-1565)

Texto completo:

PDF

Referências


A Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulinas, 1985.

BATAILLON, M. Erasmo y España: estudios sobre la historia espiritual del siglo XVI. 2. ed. México: Fondo de Cultura Económica, 1966.

BRANDÃO, E.; BERLINER, C. (TRADS.). SEÑAS: Diccionario para la enseñanza de la lengua española para brasileños. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

COVARRUBIAS HOROZCO, S. DE. Tesoro de la lengua castellana o española. En Madrid: por Luis Sanchez, 1611. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2015.

Diccionario de la lengua española. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2015.

FIRPO, L. Para uma definição da “utopia”. Morus - Utopia e Renascimento, n. 2: 227–237, 2005.

GORODOVITS, D.; FRIDLIN, J. (TRADS.). Bíblia Hebraica. São Paulo: Sêfer, 2006.

Greek Lexikon. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2015.

GREEN, O. H. España y la tradición occidental: el espíritu castellano en la literatura desde “El Cid” hasta Calderón. Madri: Editorial Gredos, 1969.

GUEVARA, A. DE. Menosprecio de corte y alabanza de aldea. [s.l: s.n.], 1539. Disponível em: . Acesso em: 26 dez. 2015.

HANSEN, J. A. Para uma história dos conceitos das letras coloniais luso-brasileiras dos séculos XVI, XVII e XVIII. In: FERES JÚNIOR, J.; JASMIN, M. (Orgs.). História dos conceitos: diálogos transatlânticos. Rio de Janeiro, RJ: PUC-Rio; Loyola; IUPERJ, 2007. p. 253–266.

Hebrew Lexikon. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2015.

HELLER, A. O homem do Renascimento. Lisboa: Presença, 1982.

LESTRINGANT, F. O impacto das descobertas geográficas na concepção política e social da utopia. Morus - Utopia e Renascimento, n. 3: 155–173, 2006. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2015.

MARTINS, J. V. DE P. Thomas More e a Utopia. In: Utopia ou a melhor forma de governo. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2009. p. 23–139.

MENDES, J. T.; SANTOS, E. DA S. Considerações sobre inspiração bíblica. Teocomunicação, v. 37, n. 158: 537–551, 2007. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2015.

MORUS, T. Utopia. Londres: Oxford, Clarendon Press, 1895. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2015.

MORUS, T. Utopia ou a melhor forma de governo. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2009.

NASCIMENTO, A. A. Prolegómenos à leitura da Utopia Moriana. In: Utopia ou a melhor forma de governo. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2009: 145–192.

PHÉLIPPEAU, M.-C. Thomas Morus e a abertura humanista. Morus - Utopia e Renascimento, n. 9: 157–175, 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 dez. 2015.

PIRES, M. J. Teologia e o poder da palavra: o desafio renascentista. Revista da Faculdade de Letras: Línguas e Literaturas, n. 13: 41–50, 1996. Disponível em: . Aceso em: 27 dez. 2015.

QUIROGA, V. de. Información en derecho. [Manuscrito]. México. 24 jul. 1535. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2015.

______. La utopía en Améria. Edição de Paz Serrano Gassent. Madri: Dastin, 2002.

SARTORELLI, E. C.; LEME, F. G. Erasmo, barbari, indocte docti e ciceroniani: os modelos clássicos e o ensinamento cristão. Letras Clássicas, n. 13: 3–28, 19 dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2015.

SCHÖKEL, L. A. A palavra inspirada: a Bíblia à luz da ciência da linguagem. Tradução Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

SERRANO GASSENT: Vasco de Quiroga: utopía y derecho en la conquista de América. Madri: Fondo de Cultura Económica de España; Universidad Nacional de Educación a Distancia, 2001.

SILVA, J. B. DA. Thomas More, utopista malgré lui. Morus - Utopia e Renascimento, n. 9: 167–172, 2009. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2017.

TROUSSON, R. Utopia e utopismo. Morus - Utopia e Renascimento, n. 2: 123–135, 2005.

VESPUCCI, A. Novo Mundo: as cartas que batizaram a América. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2003.

WARREN, F. B. Vasco de Quiroga and his pueblo-hospitals of Santa Fe. Washington, DC: Academy of American Franciscan History, 1963.

WITEZE JUNIOR, G. A Carta ao Conselho de Índias, de Vasco de Quiroga. Versão bilíngue. Morus - Utopia e Renascimento, v. 11, n. 1: 111–130, 2016. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2017.

WOOD, J. Como funciona a ficção. Tradução Denise Bottmann. São Paulo, SP: Cosac Naify, 2012.

ZAVALA, S. A. Recuerdo de Vasco de Quiroga. México: Editorial Porrúa, 2007.




Direitos autorais 2017 Revista Estudos Históricos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br