Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Historiografias periféricas em perspectiva global ou transnacional: eurocentrismo em questão

Pedro Afonso Cristovão dos Santos, Thiago Lima Nicodemo, Mateus Henrique de Faria Pereira

Resumo


O presente artigo discute questões teóricas envolvidas na reflexão sobre a história da historiografia a partir das perspectivas global/transnacional. Examinando estudos de historiografia em contextos distintos, pensados em particular a partir dos estudos subalternos e dos estudos pós-coloniais, o artigo pondera o problema do uso de uma concepção de história e de historiografia gerada na Europa como base para uma reflexão global. Indagando as formas como essa prática historiográfica de matriz europeia viajou e foi apropriada em diferentes contextos, nossa pesquisa  procura explorar as possibilidades de pensar a dinâmica centro-periferia para a produção do conhecimento histórico. Concomitantemente, o artigo estuda uma questão relevante colocada, em especial, pela história da historiografia preocupada com tradições periféricas: como pensar representações do passado não-ocidentais (como as de culturas indígenas) dentro da história da historiografia, ou em relação a esta, sem estabelecer uma hierarquia de saberes que atribua à concepção europeia de história um “privilégio epistêmico”, nos termos do historiador indiano Sanjay Seth.


Palavras-chave


historiografia, estudos subalternos, estudos pós-coloniais, centro-periferia, eurocentrismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Valdei Lopes de. A experiência do tempo: conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1813-1845). São Paulo: Hucitec, 2008.

_____. Historiografia, nação e os regimes de autonomia na vida letrada no Império do Brasil. Varia História (UFMG. Impresso), v. 31, p. 364-400, 2015a.

_____. The history of concepts and the history of historiography: a Brazilian trajectory. In: MATA, Sérgio Ricardo da; PEREIRA, Luisa Rauter; MARTINS, Luiz Estevam (org.). Contributions to theory and comparative History of Historiography traditions. German and Brazilian perspectives. 1ed. Frankfurt am Main: Peter Lang, 2015b, p. 175-193.

_____ & PIMENTA, João Paulo G. História (conceito de). In: FERES JÚNIOR, João (org.). Léxico da história dos conceitos políticos do Brasil. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2009, p. 119-140.

ARMITAGE, David. The international turn in itellectual history. In: MCMAHON, Darrin M. & MOYN, Samuel (eds). Rethinking modern European intellectual history. New York: Oxford University Press , 2014, p. 232-252.

BOUCHERON, Patrick & DALALANDE, Patrick. Por uma história-mundo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

CANCLINE, Nestor García. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: USP, 2006.

CAÑIZARES-ESGUERRA, Jorge & SEEMAN, Erik R. (eds). The Atlantic in global history, 1500-2000. NJ: Prentice Hall, 2006.

_____; FERNANDES, Luiz Estevam de O. & MARTINS, Maria Cristina Bohn. As Américas na primeira modernidade. Curitiba: Prismas, 2017 (no prelo).

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Sobre os modos de existência dos coletivos extramodernos (s/data). In: https://www.academia.edu/21559561/Sobre_o_modo_de_existencia_dos_coletivos_extramodernos

______. Sobre a noção de etnocídio, com atenção especial para o caso brasileiro. In: https://www.academia.edu/25782893/Sobre_a_no%C3%A7%C3%A3o_de_etnoc%C3%ADdio_com_especial_aten%C3%A7%C3%A3o_ao_caso_brasileiro

––––– & CUNHA, Manuela Carneiro da. Vingança e temporalidade: os Tupinambá. Journal de la Société des Américanistes, tome 71, 1985, p. 191-208.

CHAKRABARTY, Dipesh. Provincializing Europe: postcolonial thought and historical difference. Princeton: Princeton University Press.

_____. The calling of history: Sir Jadunath Sarkar ad his empire of truth. Chicago: University of Chicago, 2015.

CHRISTINO, Beatriz Protti. A rede de Capistrano de Abreu: uma análise historiográfica do rã-txa hu-ni-ku-~i em face da sul-americanística dos anos 1890-1929. Tese de doutorado. Programa de Pós-graduação em Semiótica e Linguística Geral, Universidade de São Paulo, 2006.

COLMENARES, German. Convenciones contra la cultura. Ensayos sobre la historiografia hispanoamericana del siglo XIX. Bogotá: TM Editores, 1986.

DAVIS, N. Z. Decentering history: local stories and cultural crossings in a global world. History and Theory, v. 50, n. 2, p. 188–202, 2011.

DETIENNE, Marcel. Comparar o incomparável. São Paulo: Ideias & Letras, 2004.

DOMANSKA, Ewa. Beyond anthropocentrism in historical studies. Historein, v. 10, 2010.

FRANCO, Maria Sylvia Carvalho. As idéias estão no lugar. Cadernos de Debate 1. História do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1976.

GOODY, Jack. O roubo da história: como os ocidentais se apropriaram das ideias e invenções do Oriente. São Paulo: Ed. Contexto, 2008.

IEGELSKI, Francine. História e antropologia: notas de trabalho sobre as correlações entre modernidade, presentismo e perspectivismo ameríndio. Disponível em https://www.academia.edu/29618008/Hist%C3%B3ria_e_Antropologia_notas_de_trabalho_sobre_as_correla%C3%A7%C3%B5es_entre_modernidade_presentismo_e_perspectivismo_amer%C3%ADndio, acesso em 5 de dezembro de 2016.

IGGERS, Georg G.; WANG, Q. E. & MUKHERJEE, Supriya. A global history of modern historiography. Harlow, England: Pearson Longman, 2008.

LANDER, Edgardo (ed.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales –CLACSO, 2000.

LATOUCHE, Serge. Pequeno tratado do crescimento sereno. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

LATOUR, Bruno. Enquête sur les modes d’existence. Une anthropologie des modernes. Paris: La Découverte, 2012.

LÓPEZ SEGRERA, Francisco. Abrir, impensar, y redimensionar las ciencias sociales en América Latina y el Caribe. In: LANDER, Edgardo (ed.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – CLACSO, 2000.

LORENZ, C.; BERGER, S. & MELMAN Melman, B. (eds.). Popularizing national pasts: 1800 to the present. New York: Routledge, 2012.

LOVE, Joseph L. A construção do Terceiro Mundo. Teorias do subdesenvolvimento na Romênia e no Brasil. Trad. Patrícia Zimbres. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

MARGALIT, Avishai & BURAMA, Ian. Occidentalism: the West in the eyes of its enemies. New York: The Penguin Press, 2004.

MARQUESE, Rafael & PIMENTA, João Paulo. Tradições de história global na América Latina e no Caribe. História da Historiografia, n. 17, 2015.

MAUREL, C. La world/global history: questions et débats. Vingtième Siècle. Revue d’Histoire, n. 104, p. 153-166, 2009.

MAZLISH, Bruce. Comparing global history to world history. Journal of Interdisciplinary History, vol. 28, n. 3, 1998, p. 385-395.

MEJÍA, Sergio. La noción de historicismo americano y el estudio de las culturas escritas americanas. Historia Crítica Edición Especial, Bogotá, nov. 2009, p. 246-260.

NICODEMO, Thiago Lima. O modernismo de estado e a política cultural brasileira na década de 1940: Candido Portinari e Gilberto Freyre nos EUA. Revista Landa, vol. 5, n.1, 2016.

NYCZ, Ryszard. Polish post-colonial and/or post-dependence studies. Teksty Drugie, n. 1, 2014.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. Campinas: Papirus, 1998.

PAGDEN, Anthony. The fall of natural man: the American Indian and the origins of comparative anthropology. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

PALTÍ, Elias. El tiempo de la política. Buenos Aires: Siglo XXI, 2007.

PURDY, Sean. A história comparada e o desafio da transnacionalidade. Revista de História Comparada, Rio de Janeiro, 6-1: 64-84, 2012.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: LANDER, Edgardo (ed.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – CLACSO, 2000.

RAMA, Ángel. A cidade das letras. São Paulo: Boitempo Editorial, 2015.

SAID, E. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Cia das Letras, 2000.

SALVADOR, Frei Vicente do. História do Brasil. São Paulo e Rio: Weiszflog Irmãos, 1918.

SÁNCHEZ CUERVO, Antolín & ZERMEÑO PADILLA, Guillermo. El exilio español del 39 en México. Mediaciones entre mundos, disciplinas y saberes. México: El Colegio de México, 2014.

SCHAUB, Jean-Frédéric. L'histoire européenne est-elle condamnée à l'eurocentrisme. Disponível em: https://www.academia.edu/31031068/LHISTOIRE_EUROP%C3%89ENNE_EST-ELLE_CONDAMN%C3%89E_%C3%80_LEUROCENTRISME.

SCHWARZ, Roberto. As ideias fora do lugar. Estudos CEBRAP, n. 3, 1973.

SETH, Sanjay. Razão ou raciocínio? Clio ou Shiva? História da Historiografia, Ouro Preto, n. 11, abril 2013, p. 173-189.

SOARES, G. P. Letramento e mediações culturais em pueblos indígenas do centro sul do México no século XIX. História Revista (UFG), v. 15, p. 97-118, 2010.

SOUZA, Gabriel Soares de. Tratado descriptivo do Brazil em 1587. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1851.

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

TURIN, R. O 'selvagem' entre dois tempos: a escrita etnográfica de Couto de Magalhães. Varia História (UFMG. Impresso), v. 28, p. 781-803, 2012.

VANSINA, Jean. A tradição oral e sua metodologia. In: História geral da África - Metodologia e pré-história de África. São Paulo: Ática / UNESCO, s/data.

VECCHI, Roberto. A periferia como obra: modernidades excêntricas a rearranjos luso-tropicalistas. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 58, p. 17-34, jun. 2014.

VENGOA, Hugo Fazio. El mundo global: una historia. Bogotá: Ediciones Uniandes, 2013.

WALLERSTEIN, I. M., MEDINA, B. & BANDEIRA, L. A. M. O universalismo europeu: a retórica do poder. São Paulo: Boitempo, 2007.

WEINSTEIN, Barbara. Pensando a história fora da nação: a historiografia da América Latina e o viés transnacional. Revista Eletrônica da ANPHLAC, n.14, p. 13-29, jan./jun. 2013.

WERNER, M. & ZIMMERMANN, B. Penser l'histoire croisée: entre empirie et réflexivité. Annales. Paris, 2003.

–––––& –––––. De la comparaison à l'histoire croisée. Paris: Seuil, 2004.

ZERMEÑO PADILLA, Guillermo. Historia, experiencia y modernidad en Iberoamerica, 1750-1850. Almanack Braziliense. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo, n.7, maio de 2008.




Direitos autorais 2017 Revista Estudos Históricos

 

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br