Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

A pena como arma: trabalho, intimidade e rotina nas cartas dos policiais paulistas (1870-1915)

Andre Rosemberg

Resumo


Por meio da análise das cartas escritas por policiais, pretendemos desvelar facetas pouco iluminadas da polícia de São Paulo no contexto histórico da virada do século XIX para o XX. Nas linhas desse instrumento tão pessoal, como são as cartas, vislumbram-se fragmentos da intimidade dos policiais, a presença da família, a porosidade entre os “mundos” civil e institucional. Desvelam-se na correspondência epistolar, pouco frequente numa estrutura burocrática, as estratégias desses trabalhadores na sua relação cotidiana com a instituição – o manejo pela sobrevivência num universo de pobreza e de iniquidades hierárquicas; enfim, as coxias do trabalho e da rotina policial.


Palavras-chave


polícia; mundo do trabalho; história da polícia.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, A. B. A Missão Francesa de instrução da Força Pública de São Paulo, 1906-1914. Separata da Revista do Arquivo Municipal, São Paulo, 1968.

BEATTIE, Peter. Tributo de sangue - Exército, honra, raça e nação no Brasil, 1864-1945. São Paulo: Edusp, 2009.

BERLIÈRE, Jean-Marc & LÉVY, René. Le témoin, le sociologue et l’historien - quand les policiers se mettent à table. Paris: Noveau Monde, 2010.

_____; DENYS, Catherine; KALIFA, Dominique & MILLIOT, Vincent (dir.). Métiers de police – être policier en Europe, XVIIIe-XXe siecle. Rennes: PUR, 2008, pp. 97-110.

BRETAS, Marcos Luiz. Ordem na cidade - o exercício cotidiano da autoridade policial no Rio de Janeiro: 1907- 1930. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

_____. A guerra das ruas: povo e polícia na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora do Arquivo Nacional, 1997a.

BRODEUR, Jean-Paul. Les visages des polices – pratiques et perceptions. Montreal: PUM, 2003.

BROGDEN, Michael. On the Mersey beat: policing Liverpool between the wars. Oxford: Oxford University Press, 1991.

CÁRDENAS, Vania. El orden gañán. Historia social de la policía: Valparaíso 1896-1920. Concepción: Ediciones Escaparate, 2013.

CHALHOUB, Sidney. Diálogos políticos em Machado de Assis. In: CHALHOUB, Sidney & PEREIRA, Leonardo Affonso de M. (org). A História contada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998, pp. 95-122.

CORRÊA, Mariza. Repensando a família patriarcal brasileira – Notas para o estudo das formas de organização familiar do Brasil. Caderno de Pesquisa, n. 37, maio de 1981, pp. 5-16.

_____. Morte em família – representações jurídicas de papéis sexuais. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

EMSLEY, Clive. The Policeman as worker: a comparative survey c. 1800–1940, International Review of Social History, n. 45, 2000.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: Ditos e escritos – ética, sexualidade e política. V. 5. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2012, pp. 145-162.

GALEANO, Diego. O ofício inconfessável: policiais, ordem urbana e mercado de trabalho na cidade de Buenos Aires, 1867-1880, Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, n. 9, 2015, pp. 191-209.

GOMES, Ângela de Castro. Escrita de si, escrita da História: a título de prólogo. In: ––––– (org.). Escrita de si, escrita da História. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2004.

HOUTE, Arnaud-Dominique. Le métier de gendarme au XIXe siècle. Rennes: PUR, 2010.

KLEIN, Joanne. Invisible men – the secret lives of police constables in Liverpool, Manchester and Birmingham, 1900-1939. Liverpool: Liverpool University Press, 2010.

LEVY, Giovanni. Usos da biografia. In: FERREIRA, Marieta de Moraes e AMADO, Janaína (org). Usos & abusos da História Oral. Rio de Janeiro, 2009, pp. 167-182.

LORIGA, Sabina. Soldats – um laboratiore disciplinaire: l’armée piémontaise au XVIIIe siècle. Paris: Les Belles Letres, 2007.

MALATIAN, Teresa. Narrador, registro e arquivo. In: PINSKY, Carla Bassanezi & LUCA, Tania Regina de (orgs). O historiador e suas fontes. São Paulo: Editora Contexto, 2009, pp. 195-223.

MARQUIS, Greg. Working men in uniform: the early twentieth-century Toronto Police, Histoire Sociale – Social History, vol. XX, n. 40, novembro 1987, pp. 259-277.

MAUCH, Cláudia. Dizendo-se autoridade: polícia e policiais em Porto Alegre, 1896-1929. Tese de Doutorado. Porto Alegre: UFRGS, 2011.

MILLER, Wilbur. Cops and bobbies – police authority in New York and London, 1830 – 1870. Ohio: Ohio State University, 1999.

MONJARDET, Dominique. O que faz a polícia. São Paulo: Edusp, 2001.

_____. Gibier de recherche, la police et le projet de connaître, Criminologie, vol. 38, n° 2, 2005, pp. 13-37.

ROSEMBERG, André. La grève de la Force publique de São Paulo (13 et 14 janvier 1961), Vingtième siècle – Revue d’Histoire, n. 128, outubro-dezembro 2015, pp. 29-44.

_____. Rotina, trabalho e (in)disciplina: uma leitura das Ordens do Dia da Força Púbica paulista (1900-1920). In: CARNEIRO, Deivy Ferreira; BRETAS Marcos Luiz; ROSEMBERG, André (orgs). História, violência e criminalidade – reflexões temáticas e narrativas regionais. Uberlândia: EDUFU, 2015, pp. 175-196.

_____. A greve pelas oito horas em Santos (1908): em busca do inimigo imaginário, História & Perspectivas, n. 49, jul-dez 2012, pp. 17-40.

_____. Retrato policial: um perfil da praça de polícia em São Paulo (1868-1896), História, vol. 29, n. 2, 2012a, pp. 95-115.

_____. De chumbo e festim – uma história da polícia paulista no final do Império. São Paulo: EDUSP, 2010.

_____. Para quando o calo aperta – os trabalhadores-policiais do Corpo Policial Permanente de São Paulo no final do Império, Locus: revista de história, v. 15, n. 1, 2009, p. 77-90.

SHPAYER-MAKOV, Haia. The making of a policeman: a social history of a labour force in metropolitan London, 1829-1914. Burlington: Ashgate, 2002.

STORCH, Robert. The Policeman as domestic missionary, Journal of Social History, vol. 9, 1976, pp. 471-509.

WEBER, Max. The theory of social and economic organization. Nova York: The Free Press, 1947.




Direitos autorais 2016 Revista Estudos Históricos

Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br