Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Trabalhadores negros e “paradigma da ausência”: contribuições à história social do trabalho no brasil.

Álvaro Pereira Nascimento

Resumo


O artigo reabre o debate em torno do “paradigma da ausência” na produção historiográfica dos mundos do trabalho. Os historiadores que analisaram os trabalhadores pobres e o movimento operário raramente dialogaram com especialistas em escravidão. Mesmo quando investigam o século XX, pouco incluem sujeitos negros – mulheres, crianças, homens – em suas pesquisas. Foram os especialistas em escravidão e pós-abolição os que mais avançaram em direção ao debate e contribuíram para a visibilidade desses sujeitos históricos. O artigo aponta ainda os problemas trazidos por essa ausência e sugere alguns caminhos metodológicos de mudança.


Palavras-chave


historiografia; mundos do trabalho; cor; século XX.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. O “crioulo Dudu”. Topoi, v. 11, n. 20, jan.-jun. 2010.

_____, RIBEIRO, G. S. & CHALHOUB, S. Trabalho escravo e trabalho livre na cidade do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de História, São Paulo v. 5, n. 8 e 9, 1984/85.

_____ & PEREIRA, M. S. (orgs.). Caminhos da liberdade. Niterói: PPGHistória- UFF, 2011.

ANDREWS, G. R. Negros e brancos em São Paulo (1888-1988). Bauru: Edusc, 1998.

ARAVANIS, E. A industrialização no Rio Grande do Sul nas primeiras décadas da República. Revista Mundos do Trabalho, v. 2, n. 3., jan-jul 2010.

ÁVILA, R. P. de. A centralidade do trabalho na formação social da Vila de Marzagão. Revista Mundos do Trabalho, v.1, n. 1, jan-jun 2009.

AZEVEDO, C. M. M. de. Onda negra medo branco: o negro no imaginário das elites século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BATALHA, C. Sociedades de trabalhadores no Rio de Janeiro do século XIX. Cadernos AEL. Campinas, Unicamp, 1999.

_____ (org.). Dicionário do movimento operário. São Paulo: Perseu Abramo, 2009.

BONGIOVANNI, L. Entre modernidades desarticuladas, tradições e nação. Seropédica, Dissertação (Mestrado em História), 2015.

BORTOLUCI, J. H. Para além das múltiplas modernidades: eurocentrismo, modernidade e as sociedades periféricas. Plural, São Paulo, v. 16, n. 1, 2009.

BRESCIANI, M. S. Londres e Paris no século XIX: o espetáculo da pobreza. 8ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CARDOSO, H. H. P. Disciplina e controle no espaço fabril. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 6, n. 11, set. 1985-fev. 1986.

CASTELLUCCI, A. Classe e cor na formação do Centro Operário da Bahia (1890-1930). Afro-Ásia, 41, 2010.

CASTELLUCCI JUNIOR, W. Pescadores e roceiros. São Paulo/Salvador: Fapesb/AnnaBlume, 2008.

CHALHOUB, S. Trabalho, lar e botequim. São Paulo: Brasiliense, 1986.

_____. Visões da liberdade. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

_____. O primeiro capítulo da história do movimento operário no Brasil. Livro de Resumo - XXI Simpósio Nacional de História. Niterói: UFF, 2001.

––––– & SILVA, F. T. da. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 1980. Cadernos AEL, Campinas, v. 14, n. 26, 2009.

CHANDAVARKAR, Rajnarayan. The origins of industrial capitalism in India. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

CICALO, André. Campos do pós-abolição: identidades laborais e experiência "negra" entre os trabalhadores do café no Rio de Janeiro (1931-1964). Revista Brasileira de História, São Paulo , v. 35, n. 69, p. 101-130, jun 2015.

CONRAD, R. Os últimos anos da escravatura no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

CORMINEIRO, O. M. M. Percepções do tempo e trabalho. Revista Mundos do Trabalho, v. 1, n. 2., jul-dez 2009.

COSTA, E. V. da. A nova face do movimento operário na Primeira República. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 2, n. 4, set. 1982.

CRUZ, M. C. V. e. Cor, etnicidade e formação de classe no porto do Rio de Janeiro. Revista da USP, São Paulo, n. 68, dez-fev 2005.

DAMASCENO, C. Segredos da boa aparência. Seropédica: Edur, 2011.

FAUSTO, B. Trabalho urbano e conflito social (1890-1920). São Paulo/Rio de Janeiro: Difel, 1977.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes. [1ª ed. 1964] São Paulo: Globo, 2008.

FONTES, P. Um nordeste em São Paulo. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

GOLDMAN, W. Mulher, estado e revolução. São Paulo: Boitempo, 2014.

GOMES, A. de C. Questão social e historiografia no Brasil do pós-1980. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 34, jul-dez 2004.

GOMES, F. & DOMINGUES, P. (orgs.). Experiências da emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2011.

_____ & _____. Da nitidez à invisibilidade. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

_____ & _____. Políticas da raça. São Paulo: Selo Negro, 2014.

GRAHAM, S. L. Proteção e obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro, 1860-1910. Trad. Viviana Bosi. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

GUY, D. Sex and danger in Buenos Aires. Lincoln/London: University of Nebraska Press, 1991.

HARDMAN, F. F. & LEONARDI, V. História da indústria e do trabalho no Brasil. São Paulo: Global, 1982.

HASENBALG, C. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

HERTZMAN, M. Making samba. Dunham: Duke, 2013.

KARASCH, M. O quilombo do ouro na capitania de Goiás. In: REIS, J. J. & GOMES, F. dos S. (orgs.). Liberdade por um fio. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

_____. Construindo comunidades: as irmandades dos pretos e pardos. História Revista, Goiânia, v. 15, n. 2, jul-dez 2010.

KOWARICK, L. Trabalho e vadiagem. São Paulo: Brasiliense, 1987.

LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires, Colección Sur Sur, CLACSO, 2005.

LARA, S. Escravidão, cidadania e história do trabalho no Brasil. Projeto História, São Paulo, n. 16, 1998.

LINDEN, M. V. der. História do trabalho. Revista Mundos do Trabalho, v. 1, n. 1, jan-jun 2009.

LOIOLA, M. L. Trajetórias atlânticas. Goiás, Dissertação (Mestrado em História), UFG, 2008.

LONER, B. A. Antonio: de Oliveira a Baobad. In: GOMES, F. & DOMINGUES, P. (orgs.). Experiências da emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2011.

MAIO, M. C. O Projeto Unesco: ciências sociais e o “credo racial brasileiro”. Revista USP, São Paulo, n. 46, jun-ago 2000.

MARAM, S. Anarquistas, imigrantes e o movimento operário no Brasil (1890-1920). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

MARTINS, P. H. de S. Escravidão, abolição e pós-abolição no Ceará. Niterói, Dissertação (Mestrado), UFF, 2012.

MATTOS, H. Por uma história pública dos africanos escravizados no Brasil. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 27, n. 54, p. 255-273, jul-dez 2014.

MATTOS, M. B. Escravizados e livres. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2008.

MOURA, D. S. de. Andantes de novos rumos. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 17, n. 34, 1997.

NASCIMENTO, Á. P. do. Qual a condição social dos negros no Brasil depois do fim da escravidão? . Rio de Janeiro: Museu da República, 2005.

_____. “Sou escravo de oficiais da Marinha”. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 36, n. 72, set. 2016.

NEGRO, A. L. & GOMES, F. Além de senzalas e fábricas: uma história social do trabalho. Tempo Social (revista de sociologia da USP), v. 18, n. 1, jun 2006.

PAOLI, M. C., SÁDER, E. & TELLES, V. da S. Pensando a classe operária. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 3, n. 6, 1984.

PEREIRA, A. A. O mundo negro. Niterói, Tese (Doutorado em História), UFF, 2010.

PEREIRA, L. Footballmania. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

PINHEIRO, P. S. & HALL, M. A classe operária no Brasil. São Paulo: Alfa Ômega, v.1, 1979.

PINTO, A. F. M. Fortes laços em linhas rotas. Campinas, Tese (Doutorado História), Unicamp, 2014.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Apresentação. In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires, Colección Sur Sur, CLACSO, 2005.

REIS, J. J. Domingos Sodré, um sacerdote africano. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

RIBEIRO, G. S. Mata galegos. São Paulo: Brasiliense, 1990.

ROSA, Z. de P. Fontes orais de famílias negras. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 8, n. 16, 1988.

SANTOS, J. A. dos. Raiou a alvorada. Pelotas: Ed. Universitária, 2003.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças. [1ª ed. 1993] São Paulo: Cia das Letras, 2005.

SLENES, R. Escravos, cartórios e desburocratização. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 5, n. 10, 1986.

SOUZA, R. S. Organização e disciplina do trabalho ferroviário baiano no pós-abolição. Revista Mundos do Trabalho, v. 2, n. 3, jan- jul 2010.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco: hegemonia branca no Brasil. In: WARE, Vron (org.). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004, p. 363-386.

THOMPSON, E. P. Costumes em comum. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

WEIMER, R. de A. A gente da Felisberta. Niterói, Tese (Doutorado em História) UFF, 2013.




Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br