Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

“Todas as liberdades são irmãs”: os caixeiros e as lutas dos trabalhadores por direitos entre o Império e a República.

Fabiane Popinigis

Resumo


O objetivo deste artigo é estabelecer um diálogo com a historiografia recente sobre temas clássicos da história do trabalho – como as diversas formas de exploração do trabalho, as lutas por direitos e cidadania e a organização dos trabalhadores – a partir da experiência de uma vasta categoria de trabalhadores urbanos. As lutas dos empregados no comércio por direitos através do associativismo, do teatro, da imprensa e da municipalidade fizeram parte do processo de organização dos movimentos sociais no Rio de Janeiro na década de 1880, e apareceram como modelos de uma cidadania republicana que, por sua vez, excluía outras categorias de trabalhadores.


Palavras-chave


luta por direitos, cidadania, trabalho escravo, trabalho livre, pós-aboliçāo, empregados no comércio.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. Meninas perdidas: os populares e o cotidiano do amor no Rio de. Janeiro da Belle Époque. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

ABREU, M.; GOMES, A. C. A nova “Velha” República: um pouco de história e historiografia. Revista Tempo, Niterói, UFF, v. 13, n. 26, 2009.

ALENCASTRO, L. F. de. Proletários e escravos: imigrantes portugueses e cativos africanos no Rio de Janeiro, 1850-1872. Novos Estudos – Cebrap, São Paulo, n. 21, 1988, p. 30-56.

BATALHA et al. Culturas de classe – identidade e diversidade na formação do operariado. Campinas: Ed. da Unicamp, 2004.

CÂMARA, B. A. D. O retalho do comércio: a política partidária, a comunidade portuguesa e a nacionalização do comércio a retalho – Pernambuco (1830-1870). Tese de doutorado, UFPE, 2012.

CARDOSO. F. H. Situação e composição social do proletariado brasileiro, Sociologie du Travail, n. 4, 1961.

CARVALHO, J. M. de. A Guerra do vintém. Revista de História, 09/09/2007. Disponível em: http://www.revistadehistoria.com.br/secao/capa/a-guerra-do-vintem#enviar_amigo. Acesso em: 01/10/2014.

CASTELLUCCI, A. A. S. Política e cidadania em Salvador. Revista de História, n. 162 (1º semestre de 2010), 205-241.

CASTRO, H. M. de. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista, Brasil século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

–––––. Raça e cidadania no crepúsculo da modernidade escravista no Brasil. In: GRINBERG, K. e SALLES, R. (org.). O Brasil Imperial, vol. III: 1870-1889. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

CHALHOUB, S. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

–––––. Trabalho, lar e botequim – o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da belle époque. 2a ed. Campinas: Ed. da Unicamp, 2001.

––––– e SILVA, F. T. da. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 1980. Cadernos AEL, 14.26 (2009).

COSTA, C. E. Revisitando ‘Família e Transição’: família, terra e mobilidade social no pós-abolição: Rio de Janeiro (1888-1940). Revista Brasileira de História, v. 35, n. 69, São Paulo, jan./jun. 2015.

CRUZ, M. C. V. Tradições negras na formação de um sindicato: Sociedade de Resistência dos trabalhadores em trapiche e café, Rio de Janeiro, 1905-1930. Afro-Ásia. CEAO/ FFCH/ UFBa, 24 (2000).

DUARTE, P. C. B. Clube Caixeiral de Pelotas. A luta pelo fechamento de portas e a construção de uma identidade coletiva – 1879-1900. Histórica. Porto Alegre, n. 4, 2000, p. 159-166.

EDMUNDO, L. O Rio de Janeiro do meu tempo. Brasília: Ed. do Senado Federal, 2003, p.40. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/1071/653819.pdf?sequence=4.

FARIAS, J., GOMES, F.,e XAVIER, G. Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Ed. Selo Negro, 2012.

FORTES et al. Na luta por direitos- Estudos recentes em História social do Trabalho. Campinas: Ed. da Unicamp, 1999.

GOMES, Â. de C. Questão social e a historiografia no Brasil do pós 1880: notas para um debate. Estudos Históricos, 34 (2004), p.157-186.

GOMES, F. dos S. A hidra e os pântanos: mocambos, quilombos e comunidades de fugitivos no Brasil (séculos XVII-XIX). São Paulo: Ed. Unesp, 2005.

GOMES, F. e NEGRO, A. Além das senzalas e das fábricas: uma história social do trabalho. Tempo Social, 18, n.1, 2006.

GRAHAM, S. L. O motim do vintém e a cultura política no Rio de Janeiro – 1880. Revista Brasileira de História. São Paulo, v.10, n.20, mar./ago. 1991.

HALL, M. M. & PINHEIRO, P. S. Alargando a história da classe operária. Remate de Males, v.5, p. 96-120, 1985.

JESUS, R. P. de. A Revolta do Vintém e a crise na monarquia. História Social, Campinas, n. 12, 2006.

KOVARICK, L.; Trabalho e vadiagem – a origem do trabalho livre no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1987.

LARA, S. Escravidão, cidadania e história do trabalho no Brasil. Projeto História, n.16, 1988, p. 25-38.

LOPES, J. S. L. Vapor do diabo: o trabalho dos operários do açúcar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

MAC CORD, M. Imperial sociedade dos artistas mecânicos e liberais: mutualismo, cidadania e a reforma eleitoral de 1881 no Recife. In: Organizar e proteger – trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil (séculos XIX e XX). Campinas: Ed. da Unicamp, 2014.

MACIEL, O. B. A. M. A perseverança dos caixeiros: o mutualismo dos trabalhadores no comércio em Maceió (1879-1917). Recife: EDUFPE, 2012.

MACHADO, M. H. P. O plano e o pânico: os movimentos sociais na década da abolição. São Paulo: Cia. Das Letras, 1998.

MACHADO, P. P. Lideranças do Contestado: a formação e atuação das chefias caboclas (1912-1916). Campinas: Ed. da UNICAMP, 2004.

MAGALHÃES, M. de S. Tensão e conciliação na política: o poder de veto e a questão do funcionalismo municipal (Capital Federal, 1892-1902). Revista Mundos do Trabalho, v.5, n. 9 (2013).

MAMIGONIAN, B. Revisitando o problema da 'transição para o trabalho livre' no Brasil: a experiência de trabalho dos africanos livres. In: FLORENTINO, Manolo (ed.). Tráfico, cativeiro e liberdade: Rio de Janeiro, séculos XVII-XIX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 389- 417.

MARZANO, A. O ator Vasques, a crônica teatral, a massificação da cultura e a aceitação de um cômico nos meios intelectuais no Rio de Janeiro (1839-189). X Encontro Regional de História, Anpuh-RJ, UERJ, 2002, p.2.

MATTOS, M. B. Escravizados e livres – experiências comuns na formação da classe trabalhadora carioca. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2008.

NASCIMENTO, Á. Cidadania, cor e disciplina na revolta dos marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad/Faperj, 2008.

OLIVEIRA, L. E. de. Os empregados no comércio de Juiz de Fora e sua luta pelo descanso dominical (1880-1905). Anais do Colóquio do LAHES. Juiz de Fora, 13 a 16 de 2005.

PEREIRA, L. A. de M. Barricadas na academia: literatura e abolicionismo na produção do jovem Coelho Netto. Tempo, Rio de Janeiro, n.10, 2000, p. 15-37.

–––––. As barricadas da saúde - vacina e protesto popular no Rio de Janeiro da Primeira República. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

PINTO, A. F. M. Caminhos da cidadania: trabalhadores de baixo prestígio e alistamento eleitoral na freguesia da Sé em São Paulo, 1890-1892. Revista do AGCRJ, 2015.

POPINIGIS, F. Proletários de casaca – empregados no comércio carioca (1850-19011).Campinas: Ed. da UNICAMP, 2007.

––––– e SCHETTINI C. (orgs.) Dossiê: Perspectivas de gênero nos mundos do trabalho. Revista Mundos do Trabalho, v.1, n.2, 2009.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil. A história do levante dos malês (1835). São Paulo: Brasiliense, 1986.

––––– e SILVA, E. Negociação e conflito. A resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Cia das Letras, 1989.

RIBEIRO, G. S. Mata galegos: os portugueses e os conflitos de trabalho na República Velha. São Paulo: Brasiliense, 1990.

–––––. A liberdade em construção: identidade nacional e conflitos antilusitanos no Primeiro Reinado. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

SADER, E., PAOLI, M. C. e TELLES, V. Pensando a classe operária: os trabalhadores sujeitos ao imaginário acadêmico. Revista Brasileira de História, n. 6, 1983.

SALGUEIRO, M. A. (org.). A república e a questão do negro no Brasil. Rio de Janeiro: Museu da República, 2005.

SANTOS, M. A. da S. Os caixeiros da Bahia: seu papel conservador na Primeira República. Dissertação de Mestrado, Salvador, Ufba, 1974.

SCHETTINI, C. “Que tenhas teu corpo”: uma história social da prostituição. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006.

––––– e TERRA, P. (orgs.). Dossiê “Trabalhadores e poder municipal”. Revista Mundos do Trabalho, v.5, n.9, 2013.

SILVA, M. O. L. da. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1984.

SLENES, R. Na senzala, uma flor. Esperanças e recordações na formação da família escrava — Brasil Sudeste, século XIX. 2ª ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

SOARES, L. C. O "povo de Cam" na capital do Brasil. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2007.

SOIHET, R. Condição feminina e formas de violência. Mulheres pobres e ordem urbana (1890-1920). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.

SOUZA, F. “Negro não pode ser conservador”: a política nos talhos do mercado público do Recife nas décadas finais da escravidão. Dossiê: “Negociações municipais: trabalho na cidade”, Revista do AGCRJ, 2015.

SOUZA, F. F. de Os intendentes municipais, os criados de servir e a criação da matrícula geral do serviço doméstico (Capital Federal, 1895-1896). Revista do ACRJ, 2015/1.

SOUZA, R. S. Tudo pelo trabalho livre! Trabalhadores e conflitos no pós-abolição (Bahia 1892-1909). Salvador/ São Paulo: Ed. UFBA/ Fapesp, 2011.

SOUZA, S. M. de. Cultura e política no Rio de Janeiro: os caixeiros e o teatro de São Januário na segunda metade do século XIX. LPH Revista de História. Departamento de História (DEHIS), Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, ano 18, n.18, 2008.

TERRA, P. C. Cidadania e trabalhadores: cocheiros e carroceiros no Rio de Janeiro (1870-1906). Rio de Janeiro: Prefeitura do Rio/Casa Civil/ Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 2013.




Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br