Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

A regulação do trabalho feminino em um sistema político masculino, Brasil: 1932-1943

Teresa Cristina Novaes Marques

Resumo


O artigo discute a ação de vários grupos políticos que se envolveram com a questão do trabalho feminino – os grupos feministas, os políticos católicos e os integrantes do governo Vargas. Toma por hipótese que a integração da mulher no mercado de trabalho deve ser examinada concomitantemente à ideia de família, uma vez que, historicamente, assim os dois assuntos foram tratados. A construção das diferenças de gênero, no Brasil, expressou-se na legislação do trabalho feminino, que tomou a ordem pública e a ordem privada como indissociáveis.


Palavras-chave


trabalho feminino; feminismo; Vargas; maternidade.

Texto completo:

PDF

Referências


A HORA é das mulheres. Os direitos da mulher e a Liga das Nações. Uma palestra interessante com a senhorita Bertha Lutz, secretária do Museu Nacional. A Noite, 27/12/1920, p. 6.

Ação da bancada paulista “Por São Paulo Unido” na Assembleia Constituinte. O programa da Chapa Única e a nova Constituição. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1935.

ALBERTI, Johanna. Beyond suffrage. Feminists in war and peace, 1914-1928. London: The MacMillan Press, 1989.

BRASIL. Boletim do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio. Nº 68 (abr/ 1940). Ano VI. Rio de Janeiro: Serviço de Estatística, 1940.

_____. Boletim do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio. Nos 102 (fev/1943), 103 (mar/1943), 104 (abr/1943). Ano IX. Rio de Janeiro: Serviço de Estatística, 1943.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Anais da Assembleia Nacional Constituinte, vol. XII. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1935.

_____. Diário da Assembleia Nacional (Suplemento), nº 97, 6/5/1934.

_____. Diário do Poder Legislativo, 21/7/1937, 29/10/1937.

_____. Deputada Bertha Lutz, Projeto nº 623/1937.

BRASIL. IBGE. Anuário Estatístico do Brasil, 1939-40. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Estatística, 1940.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio. Diretoria Geral de Estatística. Recenseamento Geral do Brasil. Realizado em 1 de setembro de 1940. Série Nacional, vol. II. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do IBGE, 1950.

BRASIL. Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio. Anais do Primeiro Congresso Brasileiro de Direito Social – São Paulo, Instituto de Direito Social. Rio de Janeiro: Serviço de Estatística da Previdência e Trabalho, 1943. 4 vol.

_____. Legislação trabalhista. Consolidação das Leis do Trabalho. 3ª ed. Rio de Janeiro: A. Coelho Branco, 1949.

BRASIL. Senado Federal. Representação nº 47/1927.

BOLT, Christine. Sisterhood questioned? Race, class, and internationalism in the American and British women´s movements, c. 1880s-1970s. New York: Routledge, 2004.

DECRETO-LEI nº 3.078, de 27/2/1941. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-3078-27-fevereiro-1941-413020-norma-pe.html> Acesso em 18/4/2016.

Diário Oficial, Suplemento, 5/1/1943.

GOMES, Ângela C. Confronto e compromisso no processo de constitucionalização (1930-1935). In: FAUSTO, B. (dir.). História geral da civilização brasileira. Tomo III, 3º vol. São Paulo: Difel, 1986.

_____. Silêncio e orações: as relações Estado, Igreja e classe trabalhadora no Brasil no pós-34. Religião e Sociedade, ISER/CER, 14/2, 1987, pp. 88-111.

_____ & SILVA, Fernando T. da (org.). A Justiça do Trabalho e sua história: os direitos dos trabalhadores no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

KESSLER-HARRIS, Alice. The paradox of motherhood: night work restrictions in the United States. In: WIKANDER, Ulla; KESSLER-HARRIS, Alice & LEWIS, Jane (ed). Protecting women: labor legislation in Europe, the United States, and Australia, 1880-1920. Illinois: University of Illinois Press, 1995.

LEME, Marisa Saenz. A ideologia dos industriais brasileiros (1919-1945). Petrópolis: Vozes, 1978.

LUTZ, Bertha. O trabalho feminino. A mulher na ordem econômica e social. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1937.

MARQUES, T.C.N. Entre o igualitarismo e a reforma dos direitos das mulheres: Bertha Lutz na Conferência Interamericana de Montevidéu, 1933. Estudos Feministas, v. 21, n. 3, 2013.

_____ & MELO, H. Os direitos civis das mulheres casadas no Brasil entre 1916 e 1962. Ou como são feitas as leis. Estudos Feministas, v. 16, n. 2, 2008.

MEIRELES, Cecília. O trabalho feminino no Brasil. O Observador Econômico & Financeiro, nº 17, 1937.

_____. O trabalho feminino no Brasil. O Observador Econômico & Financeiro, n. 42, julho/1939.

_____. Cenas do trabalho feminino. O Observador Econômico & Financeiro, n. 50, março/1940.

O Presidente Getúlio Vargas falou à Nação na noite de Natal, Correio da Manhã, 27/12/1939, p. 3.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Convenções ratificadas pelo Brasil. Disponível em: Acesso em: 6/6/2016.

REBELO, Aarão. Discurso, Anais da Assembleia Nacional Constituinte, 1933-1934. Vol. XIII, pp. 175-190.

REPRESENTAÇÕES da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino à Assembleia Nacional, 5/2/1934 a 6/5/1934 [Arquivo da Câmara dos Deputados; 1933/1934, l.895, m. 4, p. 3].

RUPP, Leila J. Worlds of women. The making of an International Women´s Movement. Princeton: Princeton University Press, 1997.

SAFFIOTI, Heleieth B. A mulher na sociedade de classes. Mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1976.

SOIHET, Rachel. O feminismo tático de Bertha Lutz. Florianópolis: Editora Mulheres, 2006.

SUSSEKIND, A. Entrevista com Arnaldo Sussekind. Estudos Históricos, v. 6, n. 11, 1993, pp. 113-127.

TODARO, Margaret P. Pastors, prophets and politicians: a study of the Brazilian Catholic Church, 1916-1945. Tese de Doutorado: Columbia University, 1971.

WEINSTEIN, Barbara. Unskilled workers, skilled housewife. Constructing the working-class woman in Sao Paulo, Brazil. In: FRENCH, John & JAMES, Daniel (ed.). Gendered worlds of Latin American women workers. Durham: Duke University Press, 1997.

WIKANDER, Ulla; KESSLER-HARRIS, Alice & LEWIS, Jane (eds.). Protecting women: labor legislation in Europe, the United States and Australia, 1890–1920. Urbana, IL: University of Illinois Press, 1995.




Revista Estudos Históricos
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) da Escola de Ciências Sociais (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV)
 

eh@fgv.br