Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Escuta telefônica - Ordem judicial - Prova criminal

Antonio Fernando Barros e Silva de Souza

Resumo


O sigilo das comunicações telefônicas poderá ser quebrado, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal (C.F., art. 5°, XII). Inexistência da lei que tomará viável a quebra do sigilo, dado que o inciso XII do art. 5° não recepcionou o art. 57, II, "e ", da Lei 4.117, de 1962, a dizer que não constitui violação de telecomunicação o conhecimento dado ao Juiz competente, mediante requisição ou intimação deste. É que a Constituição, no inciso XII do art. 5°, subordina a ressalva a uma ordem judicial, nas hipóteses e na forma estabelecida em lei. No caso, a sentença ou o acórdão impugnado não se baseia apenas na "degravação" das escutas telefônicas, não sendo possível, em sede de "habeas corpus ", descer ao exame da prova. H.C. indeferido.

 

Supremo Tribunal Federal

 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.12660/rda.v196.1994.46300

Para fazer a assinatura da RDA, clique aqui.
 
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
Revista de Direito Administrativo | e-ISSN: 2238-5177
  
Praia de Botafogo, nº 190, 13º andar | Rio de Janeiro | RJ | Brasil | Cep: 22.250-900
 
(21) 3799-5445 | rda@fgv.br