Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Fragilidade bancária com (e sem) serviço sequencial

Jefferson Donizeti Pereira Bertolai, Matheus Anthony de Melo

Resumo


Este artigo apresenta os modelos e principais resultados de Allen and Gale (2000) e de Bertolai et al. (2016) como casos limites de um mesmo problema de escolha de sistema bancário ótimo para, em seguida, estabelecer resultados complementares à estas referências. Estuda-se formas alternativas de abordar o tema de fragilidade bancária, com base na exigência ou não de serviço sequencial ao escolher o sistema bancário ótimo. A primeira contribuição é complementar ao resultado de contágio estabelecido por Allen and Gale (2000) e mostra que existe uma intervenção no mercado interbancário capaz de eliminar o colapso generalizado do sistema bancário provocado pelo contágio entre bancos. A segunda contribuição é generalizar o resultado de existência de corrida bancária de Bertolai et al. (2016). São estabelecidas as condições sob as quais somente os k últimos depositantes de cada um dos bancos da economia não participam da crise bancária ao manter seus recursos investidos no sistema bancário.


Palavras-chave


serviço sequencial, contágio, corridas bancárias

Texto completo:

PDF


Fundação Getulio Vargas / EPGE - Praia de Botafogo 190, 11º andar - Tel.: (21) 3799-5831

 

e-ISSN 0034-7140