Estudos organizacionais no Brasil: construindo acesso ou replicando exclusão?

Autores

  • Alexandre de Pádua Carrieri Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração/ Mestrado, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil http://orcid.org/0000-0001-8552-8717
  • Gabriel Farias Alves Correia Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração/ Mestrado, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil http://orcid.org/0000-0002-8534-0543

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0034-759020200107

Resumo

O objetivo deste artigo é refletir sobre o ensino e a pesquisa nos Estudos Organizacionais (EOR) no contexto brasileiro. Cabe destacarmos que os apontamentos aqui trabalhados são apenas alguns entre os vários outros possíveis, reforçando a pluralidade de olhares, perspectivas e embasamentos epistemológicos que compõem a área. Nesse sentido, não buscamos uma definição sobre o que são ou o que devem ser o ensino e a pesquisa, mas caminhamos para o sentido de uma construção plural de direcionamentos reflexivos para que esses processos possam ser cada vez menos excludentes diante da desigual realidade brasileira.

Referências

Ação Educativa & Instituto Paulo Montenegro. (2018). Indicador de analfabetismo funcional (INAF). São Paulo, SP: Ação Educativa, IPM. Recuperado de https://bit.ly/2M5UFVs

Barros, A., & Carrieri, A. P. (2015). O cotidiano e a história: Construindo novos olhares na administração. RAE-Revista de Administração de Empresas, 55(2), 151-161. doi: 10.1590/S0034-759020150205

Benjamin, W. (1987). O narrador: Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In Benjamin, W (Org.), Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura (Obras escolhidas). São Paulo, SP: Editora Brasiliense, 197-221.

Berger, P. L., & Luckman, T. (1998). A construção social da realidade: Tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Carrieri, A. P. (2014). As gestões e as sociedades. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 1, 19-57. doi: 10.25113/farol.v1i1.2592

Carrieri, A. P., Perdigão, D., & Aguiar, A. R. (2014). A gestão ordinária dos pequenos negócios: Outro olhar sobre a gestão em estudos organizacionais. Revista de Administração, 49(4), 698-713. doi: 10.5700/rausp1178

Certeau, M. (2012). A invenção do cotidiano 1: Artes de fazer (18a ed.). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Deeley, M., Fancher H., Peoples, D. (Produtores), & Scott R. (Diretor). (1982). Blade runner [Filme]. USA: The Ladd Company.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2014). Kafka: Por uma literatura menor. Belo Horizonte: Autêntica.

Faria, J. H. (2004). Economia política do poder. Curitiba, PR: Juruá.

França-Filho, G. C. (2009). Para um olhar epistemológico da administração: Problematizando seu objeto. In R. S. Santos (Org.), A administração política como campo do conhecimento. Salvador, BA: UFBA, 119-143.

Gouvêa, J. B., Cabana, R. P. L., & Ichikawa, E. Y. (2018). As histórias e o cotidiano das organizações: Uma possibilidade de dar ouvidos àqueles que o discurso hegemônico cala. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 5(12), 297-347. doi: 10.25113/farol.v5i12.3668

Grey, C. (2010). Organization studies: Publications, politics and economics. Organization Studies, 31(6), 677-694. doi: 10.1177/0170840610372575

Ibarra-Colado, E. (2006). Organization studies and epistemic coloniality in Latin America: Thinking otherness from margins. Organization, 13(4), 463-488. doi: 10.1177/1350508406065851

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Pesquisa nacional por amostra de domicílios contínua. Estatísticas sociais. Recuperado de https://bit.ly/2MY3t45

Joaquim. N. F., & Carrieri, A. P. (2018). Construção e desenvolvimento de um projeto de história oral em estudos sobre gestão. Organizações & Sociedade, 25(85), 303-319. doi: 10.1590/1984-9250857

Misoczky, M. C., Flores, R. K., & Böhm, S. (2008). A práxis da resistência e a hegemonia da organização. Organizações & Sociedade, 15(45), 181-193.

Neves, L. A. (2010). História oral: Memória, tempo, identidades (2ª ed.). Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, 2(3), 3-15.

Souza, E. M., Costa, A. S. M., & Pereira, S. J. (2015). A organização (in)corporada: Ontologia organizacional, poder e corpo em evidência. Cadernos EBAPE.BR, 13(4), 727-742. doi: 10.1590/1679-395118624

Thiollent, M. (2014). Estudos organizacionais: Possível quadro referencial e interfaces. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, 1(1), 1-14. doi: 10.21583/2447-4851.rbeo.2014.v1n1.28

Wanderley, S., & Barros, A. (2018). Decoloniality, geopolitics of knowledge and historic turn: Towards a Latin American agenda. Management & Organizational History, 13, 1-19. DOI: 10.1080/17449359.2018.1431551

Publicado

13-03-2020

Como Citar

CARRIERI, A. DE P.; CORREIA, G. F. A. Estudos organizacionais no Brasil: construindo acesso ou replicando exclusão?. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 60, n. 1, p. 59-63, 13 mar. 2020.

Edição

Seção

Perspectivas