Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

Capitalismo de Vigilância na Sociedade da Transparência: Um estudo discursivo sobre as bibliotecas da Universidade de Berkeley

Ana Elisa Sobral Caetano da Silva Ferreira

Resumo


A reforma da biblioteca Moffitt (2016) da Universidade de Berkeley é o ponto de partida para o debate que propõe uma reflexão sobre os processos discursivos e sua materialização nos espaços urbanos. Ao considerarmos o Homo economicus(DEBRAY, 2019), refletiremos sobre as influências do Capitalismo de Vigilância (ZUBOFF, 2019) na atualização do conceito de assujeitamento (PÊCHEUX, 1995) e seus desdobramentos nos objetos técnicos que o cercam na Sociedade da Transparência (HAN, 2017).


Palavras-chave


Capitalismo de Vigilância, Capitalismo de Vigilância, Processos Discursivos

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos do Estado. Lisboa: Presença, 1998.

BAUMAN, Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

DEBRAY, R. Deus, um itinerário: Material para história do Eterno no Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

DEBRAY, R. Civilization: How We All Became American. New York: Verso, 2019.

DOSSEY, L. “FOMO, Digital Dementia, and our Dangerous Experiment”. Explore: The Journal of Science and Healing, v. 10, março/abril, 2014, p. 69-73.

FINN, E. What Algorithms Want: Imagination in the Age of Computing. Cambridge: MIT Press, 2017.

FOER, F. World Without Mind: The existential threat of big tech. New York: Penguin Press, 2017.

HAN, B. C. Sociedade da transparência. Petrópolis: Vozes, 2017.

HAN, B. C. No enxame: Perspectivas do digital. Petrópolis: Vozes, 2018.

HARARI, Y. N. Homo Deus: uma breve história do amanhã. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

KELL, G. Reimagined and revitalized Moffitt Library opens Wednesday. Berkeley News, novembro 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 abril 2019.

LEFFA, V. J. Vygotsky e o ciborgue. In: SCHETTINI, R. H., et al. Vygotsky: um revisita no início do século XXI. São Paulo: Andross, 2009, p. 131-155.

MARTINS, H. Experimentum Humanum - Civilização Tecnológica e Condição Humana. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

MCNAMEE, R. Zucked: waking up to the facebook catastrophe. New York: Penguin Press, 2019.

MOSCHOVAKIS, Y. N. What is an algorithm? In: BJORN ENGQUIST, W. S. Mathematics Unlimited - 2001 and Beyond. Berlin: Springer, 2001.

ORLANDI, E. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes Editores, 2015.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: Uma crítica à afirmação do óbvio. 2a Ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1995.

PÊCHEUX, M. Ler o Arquivo hoje. In: ORLANDI, E. P. Gestos de Leitura: da história no Discurso. 4a Ed. Campinas: Editora Unicamp, 2014.

POE, E. A. A queda da casa de Usher. In: Edgar Allan Poe, Histórias extraordinárias. Belo Horizonte : Cultrix, 2011.

POSSENTI, S. Teoria do discurso: um caso de múltiplas rupturas. In: BENTES, A. C.; MUSSALIM, F. Introdução à Linguistica: domínios e fronteiras. Vol. 2. São Paulo: Cortez, 2004.

QUEIRÓS, E. D. A cidade e as serras. Porto: Livraria Chardron, 1901.

SANTOS, M. A natureza do Espaço. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2017.

ZUBOFF, S. The Age of Surveillance Capitalism. Vol. 1. New York: PublicAffairs, 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.12660/rm.v10n16.2019.79099

Apontamentos

  • Não há apontamentos.