CALL FOR PAPERS II

Cadernos Ebrape
CHAMADA DE TRABALHOS
 

Gerenciamento de projetos e infraestrutura nos países em desenvolvimento
e economias emergentes

 
 

Prazo de entrega do resumo (até 500 palavras): 31 de março de 2021.

 
 

(Inglês e Português)

 
     
 

 

Editores Convidados

Lavagnon Ika

University of Ottawa / Telfer School of Management (Canadá)
E-mail: ika@telfer.uottawa.ca

Marcos Lopez Rego
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / IAG Business School (Brasil)
E-mail: marcoslr@puc-rio.br

Vered Holzmann
The Academic College of Tel Aviv-Yaffo (Israel)
E-mail: veredhz@mta.ac.il

Nuno Gil
University of Manchester / Alliance Manchester Business School (Reino Unido)
E-mail: Nuno.Gil@manchester.ac.uk

 

Line

 

O mundo gasta cerca de US$ 2,5 trilhões por ano em transporte, energia, água e sistemas de telecomunicação para estimular o crescimento econômico e fornecer serviços necessários aos cidadãos, mas isso é insuficiente para lidar com problemas de mobilidade urbana, portos congestionados, longos apagões, acidentes em represas e falta de tratamento de água e saneamento (Woetzel, Garemo, Mischke, Hjerpe & Palter, 2016). De acordo com algumas estimativas, o mundo deve precisar de dezenas de trilhões de dólares de investimento em projetos de infraestrutura para atingir as metas de desenvolvimento das Nações Unidas até 2030, a chamada Agenda 2030. Ainda que o surto do novo coronavírus possa postergar a entrega de projetos de infraestrutura, a tendência não deverá ser alterada (Ika, Love, Matthews & Weili, 2020).

Como vimos, desde a crise financeira de 2008, o renascimento do interesse em infraestrutura em uma série de economias avançadas para lidar com a estagnação secular teve um forte impacto no crescimento liderado pela infraestrutura em economias em desenvolvimento e emergentes. A história de sucesso econômico e de redução da pobreza da China, com projetos de infraestrutura em grande escala, despertou o interesse de outros países em desenvolvimento em busca de projetos semelhantes (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento [Unctad], 2018; Woetzel et al., 2016). Como observa Hirschman (1958), o planejamento de infraestrutura em grande escala é “uma questão de fé no potencial de desenvolvimento de um país ou região” (p. 84). Essa fé alimenta a luta para entregar projetos de infraestrutura em grande escala na África, na Ásia, na América Latina e no Caribe. Grandes exemplos incluem a Nova Rota da Seda, na China, e a Make in India Initiative, na Ásia, planos de promoção da infraestrutura do Banco Africano de Desenvolvimento, iniciativa para a integração da Infraestrutura Regional da América do Sul e o Mapa de Parcerias Público-privadas da Infraestrutura do Caribe. Até mesmo o Banco Mundial, um ator-chave na política de estímulo ao crescimento internacional, mudou o foco em “acertar as instituições” - também conhecido como Agenda de Boa Governança - para “acertar o território” ou a integração das economias dos países com cadeias de valor globais (Schindler & Kanai, 2018). Assim, o Banco Mundial se comprometeu com o aumento dos investimentos em infraestrutura “de bilhões para trilhões” (Unctad, 2018).

No entanto, o planejamento e a entrega de infraestrutura continuam sendo um “negócio arriscado” (Flyvbjerg, 2014; Hirschman, 1958; Rondinelli, 1979), especialmente nas economias em desenvolvimento e emergentes (Gil, Stafford & Musonda, 2019; Schindler & Kanai, 2018). Nessas partes do mundo, projetos de grande escala, muitas vezes iniciativas interorganizacionais (Manning, 2017), tendem a experimentar uma enorme incerteza e complexidade estrutural (Bentahar & Ika, 2020; Gregory, 2020; Shenhar & Holzmann, 2017), imensa complexidade política e, portanto, altos custos de transação e institucionais (Ika, Söderlund, Munro & Landoni, 2020; Lizarralde, Tomiyoshi, Bourgault, Malo & Cardosi, 2013; Orr, Scott, Levitt, Artto & Kujala, 2011). Como resultado, seu desempenho é difícil de medir e controverso (Ika, 2018; McDermot, Agdas, Rodríguez Díaz, Rose & Forccael, 2020). Este é o caso de projetos como o Gasoduto Chade-Camarões (US$ 4 bilhões) e as usinas a carvão na África do Sul ($ 14 bilhões em Medupi, $ 5 bilhões em Kusile e $ 2 bilhões em Ingula) e seus desafios para atender às necessidades dos beneficiários (Gregory, 2020; Ika, 2012). Parte do problema é que a inclusão e a participação social são muito difíceis de alcançar, como atestam projetos como a Rodovia BR-163, com 1.780km de extensão, e a Barragem de Belo Monte, no Brasil, de US$ 16 bilhões, que beneficiaram mais as elites econômicas do que as populações menos poderosas (Abers, Oliveira & Pereira, 2017).

Nesses contextos peculiares, os projetos apresentam altas taxas de insucesso e falhas. Na Nigéria, constatou-se que 19 mil projetos iniciados não foram concluídos (Umoru & Erunke, 2016). O Brasil também tem seu quinhão de projetos de construção abandonados (Samuels, 2002). Clientelismo, conluio e corrupção permanecem assassinos silenciosos para esses planos (ver Williams, 2017 e Damoah, Akwei, Amoak & Botchie, 2018 para o caso de Gana). Por exemplo, o Banco Mundial afirma que essas práticas nocivas podem custar até US$2 trilhões por ano em compras globais (ver Signor, Love & Ika, no prelo, sobre a Operação Lava Jato). Somando-se aos fatores já descritos está o fracasso da escolha coletiva ou das barganhas dos políticos locais, inconstantes e imprevisíveis, para chegar a um consenso sobre os locais-alvo para os projetos, o que pode levar a gastar o dinheiro destinado a um projeto em andamento para iniciar outro (Williams, 2017).

Na África, por exemplo, a International Finance Corporation, braço privado do Banco Mundial, estima que metade de seus projetos falha por causa de uma série de problemas e armadilhas (Ika, 2012). Notavelmente, tais projetos confrontam problemas estruturais (econômicos), institucionais (governança) e gerenciais (monitoramento). Eles também caem no que Ika (2012) denominou armadilha técnica genérica (por exemplo, o equívoco de que um projeto é um projeto), armadilha de responsabilidade pelos resultados (por exemplo, ênfase demais no acompanhamento dos resultados e pouco na sua entrega), armadilha da falta de capacidade de gerenciamento de projetos (por exemplo, falta de habilidade de gerenciamento de projetos) e uma armadilha cultural (por exemplo, subestimar o contexto e a cultura locais).Porém, nem todos os governos de países em desenvolvimento e emergentes enfrentam os mesmos desafios. Embora países de renda média, como o Brasil, a China e a Índia, possam financiar seus projetos de infraestrutura por meio de orçamentos nacionais ou de parcerias público-privadas, este não é o caso de países como Afeganistão, Colômbia, Haiti, Laos, Libéria, Sudão do Sul e Níger, que acham bastante difícil atrair dinheiro privado para a infraestrutura (Moore, 2018). À luz dessas especificidades contextuais (Furtado, 1971; Ika et al., 2020), não existe uma abordagem única para a entrega de infraestrutura, o que requer formas específicas de planejamento e gerenciamento de projetos em lugares como China (Li, Sun, Shou & Sun, 2020), Brasil (Ramos, Mota & Corrêa, 2016) e África (Gil et al., 2019).

Além disso, projetos de infraestrutura em grande escala - sejam eles de natureza redentora, missionária, aniquiladora, heroica ou ilusória do ponto de vista simbólico (Rego, Irigaray e Chávez, 2018) - nem sempre levam à prosperidade, isto é, promovem o crescimento econômico de longo prazo e a redução da pobreza, conforme esperado. Eles não apenas tendem a sucumbir a estouros de custos e déficits de benefícios em economias em desenvolvimento e emergentes, assim como em economias avançadas (ver Flyvbjerg, 2014; Love, Ika & Sing, no prelo), mas podem gerar impactos sociais e ambientais não intencionais (Gellert & Lynch, 2003; Hirschman, 1967; Schindler & Kanai, 2018). A Barragem das Três Gargantas, na China, e os projetos da Amazônia brasileira são boas ilustrações (Abers et al., 2017; Shenhar & Holzmann, 2017).

Embora a infraestrutura seja importante, pouco foi escrito, no entanto, sobre planejamento, entrega e desempenho de infraestrutura de grande escala em países em desenvolvimento e emergentes (Gil et al., 2019; Gregory, 2020; Ika, 2018; McDermot et al., 2020). Nesse pano de fundo, a chamada de artigos busca explorar a entrega de infraestrutura e gerenciamento de projetos em economias em desenvolvimento e emergentes. Somos inspirados pela ideia de que, assim como os países em desenvolvimento e emergentes contribuíram para o surgimento e a definição de metas de desenvolvimento sustentável (Fukuda-Parr & Muchhala, 2020), eles também podem moldar a teoria e a prática do gerenciamento de projetos (Hirschman, 1967; Ika, Söderlund, Munro & Landoni, 2020). As questões de pesquisa são as seguintes:

 
 

1) O que torna os grandes projetos de infraestrutura desafiadores e complexos de serem gerenciados em países emergentes e em desenvolvimento?
2) Qual é o estado da arte da pesquisa sobre entrega de infraestrutura e gerenciamento de projetos em países emergentes e em desenvolvimento?
3) O que explica os excessos de tempo e custo em grandes projetos de infraestrutura em países emergentes e em desenvolvimento?
4) Por que grandes projetos de infraestrutura em países emergentes e em desenvolvimento não conseguem cumprir seus objetivos estratégicos?
5) O que torna a governança de grandes projetos de infraestrutura diferente entre países desenvolvidos e menos desenvolvidos?
6) Que papéis específicos os patrocinadores e gerentes de projetos desempenham nos contextos específicos que cercam a entrega de projetos nos países emergentes e em desenvolvimento?
7) Como o clientelismo, o conluio e/ou a corrupção influenciam o desempenho de projetos em países emergentes e em desenvolvimento?
8) Quais são as histórias que as partes interessadas contam sobre o início, o planejamento, a implementação e o desempenho desses projetos e o que eles representam simbolicamente para os países emergentes e em desenvolvimento?
9) Como a internacionalização ou o multiculturalismo impacta a entrega de infraestrutura em grande escala em países em desenvolvimento e emergentes?
10) Como os projetos de infraestrutura em grande escala em países em desenvolvimento e emergentes respondem às metas de desenvolvimento sustentável?

Esta edição especial permanece, entretanto, aberta a quaisquer outras questões de pesquisa relacionadas, desde que esclareçam a entrega de infraestrutura e gerenciamento de projetos em economias em desenvolvimento e emergentes. Aceitamos artigos teóricos e empíricos que contribuam significativamente para a teoria e a prática da entrega de infraestrutura e gerenciamento de projetos.

 
 

Line

 
 

INSTRUÇÕES PARA SUBMISSÃO

Os artigos submetidos em português, caso sejam aceitos para publicação, deverão ser traduzidos para o inglês, o que será de responsabilidade dos autores.

Para orientações e submissões, visite o site da revista e o sistema de submissão online em:

http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cadernosebape/normas
https://mc04.manuscriptcentral.com/cebape-scielo

Nota: indique no campo "AUTHOR'S COVER LETTER" que seu artigo é para a edição especial: "Gerenciamento de projetos e infraestrutura nos países em desenvolvimento e economias emergentes".

Em caso de dúvidas, por favor, contate os editores convidados:

 
 

Lavagnon Ika

Marcos Lopez Rego

Vered Holzmann

Nuno Gil

E-mail: ika@telfer.uottawa.ca

E-mail: marcoslr@puc-rio.br

E-mail: veredhz@mta.ac.il

E-mail: nuno.Gil@manchester.ac.uk

 
 

Line

 
 

REFERÊNCIAS

Abers, R. N., Oliveira, M. S., & Pereira, A. K. (2017). Inclusive development and the asymmetric state: Big projects and local communities in the Brazilian Amazon. Journal of Development Studies, 53(6), 857-872.

Bentahar, O., & Ika, L. A. (2020). Matching the project manager's roles to project types: Evidence from large dam projects in Africa. IEEE Transactions on Engineering Management, 67(3), 830-845.

Damoah, I. S., Akwei, C. A., Amoak, I. O., & Botchie, D. (2018). Corruption as a source of government project failure in developing countries. Project Management Journal, 49(3), 17-33.

Flyvbjerg, B. (2014). What you should know about megaprojects and why: An overview. Project Management Journal, 45(2), 6-19.

Fukuda-Parr, S., & Muchhala, B. (2020). The Southern origins of sustainable development goals: Ideas, actors, aspirations. World Development, 126, 104706.

Furtado, C. (2016). Development and underdevelopment. In R. Bielchowsky (Ed.), ECLAC Thinking: Selected Texts. New York, NY: United Nations.

Gellert, P. K., & Lynch, B. D. (2003). Mega-projects as displacements. International Social Science Journal, 55(175), 15-25.

Gil, N. A. P., Stafford, A., & Musonda, I. (2019). Duality by Design: The Global Race to Build Africa's Infrastructure. New York, NY: Cambridge University Press.

Gregory, J. (2020). Governance, scale, scope: A review of six South African electricty generation infrastructure megaprojects. Utilities Policy, 66, 101103.

Hirschman, A. O. (1958). The Strategy of Economic Development. New Haven, CT: Yale University Press.

Hirschman, A. O. (1967). Development Projects Observed. Washington, DC: Brookings Institution.

Ika, L. A. (2012). Project management for development in Africa: Why projects are failing and what can be done about it. Project Management Journal, 43(4), 27-41.

Ika, L. A. (2018). Beneficial or detrimental ignorance: The straw man Fallacy of Flyvbjerg's test of Hirschman's Hiding Hand. World Development, 103, 369-382.

Ika, L. A., & Saint-Macary, J. (2014). Why do projects fail in Africa? Journal of African Business, 15(3), 151-155.

Ika, L. A., Love, P. E. D., Matthews, J., & Weili, F. (2020, June 01). Coronavirus: A game changer for project delivery? The Pearson Centre For Progressive Policy. Retrieved from http://thepearsoncentre.ca/platform/coronavirus-a-game-changer-for-project-delivery-ika-et-al/

Ika, L. A., Söderlund, J., Munro, L. T., & Landoni, P. (2020). Cross-learning between project management and international development: analysis and research agenda. International Journal of Project Management.

Li, Y., Sun, T., Shou, Y., & Sun, H. (2020). What makes a competent international project manager in emerging and developing countries? Project Management Journal, 51(2), 181-198.

Lizarralde, G., Tomiyoshi, S., Bourgault, M., Malo, J., & Cardosi, G. (2013). Understanding differences in construction project governance between developed and developing countries. Construction Management and Economics, 31(7), 711-730.

Love, P. E. D., Ika, L. A., & Sing, M. C. P. (In Press). Does the planning fallacy prevail in social infrastructure projects? Empirical evidence and competing explanations. IEEE Transactions on Engineering Management.

Manning, S. (2017). The rise of project network organizations: building core teams and flexible partner pools for interorganizational projects. Research Policy, 46(8), 1399-1415.

McDermot, E., Agdas, D., Rodríguez Díaz, C. R., Rose, T., & Forcael, E. (2020). Improving performance of infrastructure projects in developing countries: an Ecuadorian case study. International Journal of Construction Management. Retrieved from https://doi.org/10.1080/15623599.2020.1797985

Moore, W. G. (2018, May 16). Rethinking the infrastructure gap in the poorest countries. Center for Global Development. Retrieved from https://www.cgdev.org/blog/rethinking-infrastructure-gap-poorest-countries

Orr, R. J., Scott, W. R., Levitt, R. E., Artto, K., & Kujala, J. (2011). Global projects: Distinguishing features, drivers, and challenges. In W. R. Scott, R. E. Levitt, & R. J. Orr (Eds.), Global projects: Institutional and political challenges (pp. 15-51). New York, NY: Cambridge University Press.

Ramos, P., Mota, C., & Corrêa, L. (2016). Exploring the management style of Brazillians project managers. International Journal of Project Management, 34(6), 902-913.

Rego, M. L., Irigaray, H. A., & Chaves, R. C. (2017). Symbolic Megaprojects: Historical Evidence of a Forgotten Dimension. Project Management Journal, 48(6), 17-28.

Rondinelli, D. A. (1979). Planning Development Projects: Lessons From Developing Countries. Long Range Planning, 12(3), 48-56.

Samuels, D. (2002). Pork barreling is not credit claiming or advertising: Campaign finance and the sources of the personal vote in Brazil. Journal of Politics, 64(3), 45-863.

Schindler, S., & Kanai, J. M. (2019). Getting the territory right: Infrastructure-led development and the re-emergence of spatial planning strategies. Regional Studies. Retrieved from https://doi.org/10.1080/00343404.2019.1661984

Shenhar, A., & Holzmann, V. (2017). The three secrets of megaproject success: Clear strategic vision, total alignment, and adapting to complexity. Project Management Journal, 48(6), 29-46.

Signor, R., Love, P. E. D., & Ika, L. A. (In Press). White collar crime: Unearthing collusion in the procurement of infrastructure projects. IEEE Transactions on Engineering Management.

Umoru, H., & Erunke, J. (2016, May 27). 19,000 projects abandoned in Nigeria, ex-BPP DG tells Senate. Vanguard News. Retrieved from https://www.vanguardngr.com/2016/05/19000-projects-abandoned-nigeria-ex-bpp-dg-tells-senate/

United Nations Conference on Trade and Development. (2018). Trade and development: Report 2018. Power, platforms and the free trade delusion. New York, NY: United Nations.

Williams, M. J. (2017). The political economy of unfinished development projects: Corruption, clientelism, or collective choice? American Political Science Review, 111(4), 705-723.

Woetzel, J., Garemo, N., Mischke, J., Hjerpe, M., & Palter, R. (2016, June 14). Bridging global infrastructure gaps. McKinsey Global Institute. Retrieved from https://www.mckinsey.com/industries/ capital-projects-and-infrastructure/our-insights/bridging-global-infrastructure-gaps

 
Line
 
 

 

 
 

EXPEDIENTE

 
 


Prof. Dr. Hélio Arthur Reis Irigaray
Editor-Chefe

Fabiana Braga Leal
Assistente Editorial

Jackelyne de Oliveira da Silva
Auxiliar Editorial


 
 

Line

 
 

Cadernos EBAPE.BR
Rua Jornalista Orlando Dantas, 30 - Botafogo
Rio de Janeiro/RJ | Brasil
+55 21 3083-2731
ISSN 1679 3951

SUBMISSÕES DE ARTIGOS

 

 
Line
  RAP   Cadernos EBAPE.BR   Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão  
fgv.br/ebape/cadernosebape
 
linha
DICOM Facebook Instagram LinkedIn Twitter YouTube Mais