Logomarca da FGV

Repositório FGV de Periódicos e Revistas

O conceito do ócio vicário no filme “Que Horas Ela Volta?”: revisitando Thorstein Veblen em uma perspectiva dos fenômenos socioeconômicos

Rui Fernando Correia Ferreira, Reynaldo Maia Muniz, Livia Almada

Resumo


O objeto teórico deste estudo é a construção teórica do ócio vicário de Veblen (1989), tendo conceitos veblenianos como fatores precedentes. Já o objeto empírico deste estudo é o filme brasileiro Que Horas Ela Volta? da roteirista e diretora brasileira Anna Muylaert (QUE HORAS, 2015), que foi premiado no Sundance Film Festival e no Film Festival Internacional de Berlim, ambos de 2015. Para confluir com a proposta metodológica interdisciplinar de Thorstein Veblen (1857-1929), esse filme é analisado em uma perspectiva historicista defendida por Kornis (1992). Utilizando as categorias “divisão de classe e suas funções”, “a mulher e a propriedade”, “riqueza e status”, “o trabalho”, “a cerimônia signo de honra”, “ócio conspícuo e distinção social”, “hereditariedade e sangue nobre”, “ócio vicário” e “contexto sócio-histórico-cultural brasileiro”, tem-se como resultado que os conceitos vebleniamos apresentam uma aderência à atual divisão de classes que poderia ser mais utilizada para compreender os fenômenos contemporâneos brasileiros. A questão do ócio vicário e do trabalho doméstico constitui tema relevante econômica e socialmente e teve um debate social recente, como exposto na discussão sobre a regulação da atividade pelo Estado. Como ponto central do trabalho vebleniano, as transformações do status quo da forma de consumo permeia o conceito de consumo conspícuo para a distinção de status e honra das classes econômicas e sociais brasileiras.


Palavras-chave


Ócio vicário. Análise fílmica. Thorstein Veblen. Institucionalismo econômico.

Texto completo:

PDF PDF (English)


Apoio
        
Rua Jornalista Orlando Dantas, 30 - sala 107, Botafogo - Rio de Janeiro - RJ/Brasil  CEP: 22231-010 | Telefone: +55 (21) 3083-2731 | E-mai: cadernosebape@fgv.br