Missionários americanos na Bahia: o bacharelado em administração da Escola de Administração da UFBA

Autores

  • Carlos Osmar Bertero Fundação Getulio Vargas
  • Amon Barros Fundação Getulio Vargas
  • Rafael Alcadipani Fundação Getulio Vargas

Palavras-chave:

Americanismo. Administração e Guerra Fria. História e Administração.

Resumo

Por meio de uma historiografia, este trabalho analisa como os Estados Unidos apoiaram a criação da Escola de Administração da UFBA, contando ainda com o apoio da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP), vista como disseminadora do modelo estadunidense de escolas de negócios no Brasil. Após a leitura dos documentos produzidos pela “missão” estadunidense na Bahia e de outras fontes históricas, especialmente o livro sobre a história da Escola de Administração da UFBA (SANTOS, BARRETO e BARRETO, 2009), concluímos que os estadunidenses enfrentaram vários obstáculos não antevistos. Concluímos mostrando como os “missionários” não sabiam lidar com as idiossincrasias das universidades públicas brasileiras e como tiveram também de lidar com interesses locais relativos especialmente à introdução de um bacharelado em Administração Pública e ao papel do Estado na regulação do ensino e da economia.

Biografias Autor

Carlos Osmar Bertero, Fundação Getulio Vargas

Professor titular na FGV-EAESP. Ph.D. em administração pela Cornell University.

Amon Barros, Fundação Getulio Vargas

Professor da FGV/EAESP. Doutor em administração pelo CEPEAD/UFMG.

Rafael Alcadipani, Fundação Getulio Vargas

Professor na FGV-EAESP. Ph.D. in management pela Manchester Business School.

Publicado

07-12-2018

Como Citar

Bertero, C. O., Barros, A., & Alcadipani, R. (2018). Missionários americanos na Bahia: o bacharelado em administração da Escola de Administração da UFBA. Cadernos EBAPE.BR, 17(1), 144-155. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cadernosebape/article/view/64890

Edição

Seção

Artigos