Capacidades dinâmicas de um ponto de vista institucionalista

Autores

Palavras-chave:

Capacidades dinâmicas, Instituições, Práticas organizacionais

Resumo

 

 

O objetivo deste artigo é elucidar os efeitos das respostas estratégica, técnica e institucional na perspectiva das capacidades dinâmicas tendo em vista as mudanças ambientais, considerando que a literatura tem apresentado poucas referências sobre como os fatores institucionais contribuem para a capacidade dinâmica. Um estudo de caso foi realizado na mais antiga empresa jornalística no Brasil. Identificou-se que as práticas organizacionais, na perspectiva da capacidade dinâmica são condicionadas por mecanismos e fatores que extrapolam intenções, expectativas e habilidades de planejamento anteriores da Diretoria. A nova estrutura social da organização, desvelada pelo estudo, baseada na interpretação dos próprios jornalistas, a respeito da realidade social do campo do jornalismo, apoiado pela interpretação coerente de alguns dos gestores, foi sendo institucionalizada ao se buscar reduzir as incertezas causadas pela rápida mudança nos hábitos de leitura das pessoas. O estudo revelou que novas práticas estratégicas, tais como levar o jornal a ser conhecido por escolares e o desenvolvimento de um jornal digital, demonstraram a institucionalização de novas ordens normativas com maior responsabilidade social, maior legitimidade e, ao mesmo tempo, maior capacidade da organização em se adaptar ao novo ambiente de negócio. Em outra perspectiva, esses aspectos refletem uma estrutura cultural que contribui para direcionamento da empresa para o uso de novas tecnologias e demandas sociais.

Biografias Autor

José Bonfim Albuquerque Filho, Universidade Federal do Paraná

Graduado, Mestre e Doutor em Administração. Pesquisador de Estratégia e Teoria das Organizações.

Sergio Bulgacov, FGV - Escola de Administração de Empresas de São Paulo

Professor da Fundação Getúlio Vargas - SP. Participa dos cursos de doutorado, mestrado e graduação em Administração. Coordena o Grupo de Pesquisa Estratégia e Análise Organizacional. Possui Mestrado em Administração pela Universidade de São Paulo e Doutorado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas - SP. Desenvolveu Estágio Pós-Doutoral na University of Birmingham - Inglaterra. Participou da comissão de criação do ENEO e 3Es e Coordenou a Divisão de Estratégia da ANPAD. Foi membro da Comissão de Avaliação da CAPES durante o período 1997-2009. Membro do Comitê de Assessoramento de Administração, Contábeis e Economia do CNPq até 2015. Atua nos seguintes temas: Estratégia e Análise Organizacional; Governança, Parcerias e Criação de Valor.

Márcia Ramos May, Universidade Federal do Paraná

Professora Adjunta do Curso de Administração da Universidade Federal do Paraná. Doutora em Administração pela Universidade de São Paulo. Mestre em Administração pela Universidade Federal do Paraná. Graduada em Ciência da Computação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Visiting Scholar na University of Southern California. Atua em temas relacionados a inovação tecnológica, estratégias de inovação, modelos de negócio, tecnologia da informação e práticas de sustentabilidade.

Publicado

14-07-2017

Como Citar

Albuquerque Filho, J. B., Bulgacov, S., & May, M. R. (2017). Capacidades dinâmicas de um ponto de vista institucionalista. Cadernos EBAPE.BR, 15(3), 445-461. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cadernosebape/article/view/60283