O teletrabalho: conceituação e questões para análise

Autores

  • Cháris Telles Martins da Rocha Programa de Pós Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Social e Institucional.
  • Fernanda Spanier Amador Programa de Pós Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Social e Institucional.

Palavras-chave:

Teletrabalho. Gestão do trabalho. Subjetivação.

Resumo

A revisão de literatura sobre o teletrabalho – modalidade em que o trabalho é realizado remotamente, por meio de tecnologias de informação e comunicação (TIC) – indica diversas e díspares compreensões acerca desse tema. Apresentamos achados de pesquisa sobre essa modalidade, tratando das principais maneiras como tem sido aplicada na prática e das diferentes leituras da produção acadêmica. A partir dos resultados levantados, verifica-se a não unidade das conclusões: há desde entendimentos otimistas, que propagam apenas os supostos benefícios do teletrabalho, até leituras que o consideram um modo moderno de exploração dos trabalhadores. Verifica-se que o teletrabalho é uma tendência no atual cenário do mundo do trabalho. Se, por um lado, propagam-se os benefícios às empresas, aos trabalhadores e à sociedade, por outro, também existe uma série de riscos envolvidos, dizendo respeito, principalmente, à individualização do trabalho – que pode acarretar o isolamento social, profissional e político dos trabalhadores.

Biografias Autor

Cháris Telles Martins da Rocha, Programa de Pós Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Social e Institucional.

Psicóloga, Mestre em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Psicologia.

Fernanda Spanier Amador, Programa de Pós Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Social e Institucional.

Psicóloga, Mestre em Psicologia Social (PUCRS), Doutora em Informática na Educação (UFRGS), Pós-doutora em Educação/UFRGS (CNPQ). Professora adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Social e Institucional.

Publicado

13-03-2018

Como Citar

Rocha, C. T. M. da, & Amador, F. S. (2018). O teletrabalho: conceituação e questões para análise. Cadernos EBAPE.BR, 16(1), 152-162. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cadernosebape/article/view/54516

Edição

Seção

Artigos