Show simple item record

dc.contributor.authorCunha, Luciana Gross
dc.date.accessioned2010-05-25T14:18:44Z
dc.date.available2010-05-25T14:18:44Z
dc.date.issued2009-03-01
dc.identifier.citationCUNHA, Luciana Gross (coord.). Relatório ICJBrasil – 2º trimestre/2009. ICJBrasil. São Paulo: DIREITO GV, n. 1, abr-jun 2009por
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10438/6619
dc.descriptionRelatório com os dados da pesquisa Índice de Confiança na Justiça (ICJBrasil) referente ao 2º trimestre de 2009
dc.description.abstractUma questão que afeta profundamente o desenvolvimento econômico e social de um país é a capacidade do Judiciário de se apresentar como uma instância legítima na solução de conflitos que surgem no ambiente social, empresarial e econômico. Uma das formas de se medir essa legitimidade é através das motivações que levam os cidadãos a utilizar (ou não) e a confiar (ou não) no Judiciário, em termos de eficiência (celeridade), capacidade de resposta (competência), imparcialidade, honestidade e acesso (facilidade de uso e custos). No caso brasileiro, a crise no sistema de Justiça não é um fenômeno recente. As pesquisas mostram que, ao menos quanto à eficiência do Judiciário, no que diz respeito ao tempo e a burocratização de seus serviços, a sua legitimidade vem sendo questionada desde o início da década de 1980. De lá para cá, e com maior intensidade a partir de 2000, alguns trabalhos levantaram dados sobre as atividades do Judiciário, como o número de processos novos e em andamento a cada ano. Com a reforma do Judiciário aprovada em dezembro de 2004 e a criação do Conselho Nacional de Justiça em 2005, tivemos alguns avanços na produção e publicação de dados sobre o Judiciário brasileiro, nas suas mais diversas organizações e instâncias. Exemplo disso é o relatório Justiça em Números, publicado anualmente pelo Conselho Nacional de Justiça e disponibilizado em sua página na internet2. Apesar desses avanços, nenhuma dessas informações disponibilizadas mostram dados objetivos sobre a forma pela qual o Judiciário brasileiro aparece como uma instituição confiável em termos de eficiência, imparcialidade e honestidade. Essas informações também não são capazes de indicar as motivações do cidadão na utilização do Judiciário como forma de solução de conflitos. Partindo da premissa de que essas informações representam uma das formas de indicar a legitimidade do Judiciário e de que essa última afeta de forma definitiva o desenvolvimento do país, o objetivo deste projeto é, através da criação e aplicação do Índice de Confiança na Justiça no Brasil – ICJBrasil, retratar sistematicamente a confiança da população no Poder Judiciário.por
dc.language.isopor
dc.publisherEscola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (DIREITO GV)por
dc.relation.ispartofseriesRelatório ICJBrasil ; 1por
dc.subjectPoder judiciário - Brasilpor
dc.titleRelatório ICJBrasil - 2º trimestre / 2009por
dc.typeTechnical Reporteng
dc.subject.areaDireitopor
dc.contributor.unidadefgvEscolas::DIREITO SPpor
dc.subject.bibliodataPoder judiciário - Brasilpor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record